Imprensa

| Blas Matamoro
“Obras do menino-prodígio Korngold: um trio, uma sonata para violino e piano e uma canção dançante de Pierrot. São obras precoces que revelam já uma escrita sábia e um conhecimento completo do virtuosismo do violino. Têm um valor documental que ultrapassa a sua realização estética. A versão é óptima para o domínio do estilo e, em particular, para o brilho majestoso dos instrumentistas, especialmente do violino.” 
| Ana Rocha

A glória de Korngold por um ensemble português



****

“O trio de instrumentistas portugueses responde com bravura ao desafio (…). Santos e Monteiro recriam aqui uma bela versão da obra (Sonata) e a gravação encerra com uma recomendável leitura instrumental de uma encantadora dança extraída de “A Cidade Morta”.”

| Maria Augusta Gonçalves
Elogio a Erich Korngold

“Bruno Monteiro, João Paulo Santos e Miguel Rocha fazem justiça à escrita do compositor.” Link: https://www.pressreader.com/portugal/jornal-de-letras-9Y9B/20240110/282170770996329 
| Josep Bosch
“A intensa carreira do violinista português Bruno Monteiro destaca-se não só pelo seu evidente potencial artístico, mas também pelo repertório que selecciona para os seus concertos e pela sua discografia muito elogiada.

Este novo álbum, Music for Violin, Cello e Piano, inclui peças escritas aos treze e dezasseis anos pelo prodigioso compositor e maestro austríaco Erich Wolfgang Korngold, cuja carreira musical foi sufocada pela ascensão do nazismo. Nascido na Morávia, ensinou composição na Áustria, e de lá foi exilado para os Estados Unidos da América, onde alcançou grande fama como compositor de cinema. Ele recebeu dois Óscares por suas trilhas sonoras de As Aventuras de Robin Hood (M. Curtiz e W. Keighley, 1938) e The Seahawk (M. Curtiz, 1940).

Bruno Monteiro, Miguel Rocha e João Paulo Santos, com quem se apresenta há mais de vinte anos, comentam o estilo de Korngold, com reminiscências românticas.

Começam com o Trio para piano, violino e violoncelo em Ré maior, op. 1, dedicado a seu pai, o famoso crítico musical Julius Korngold. A veia poética do compositor reflecte-se nesta obra. O segundo andamento, Scherzo, gira em torno de variações rítmicas e harmónicas, incluindo uma seção semelhante a uma valsa, provavelmente influenciada pela dança austríaca.

A segunda obra é a Sonata para violino e piano em Sol maior, op. 6, de Korngold, uma peça repleta de lirismo, grandes dificuldades técnicas e algumas surpreendentes nonas sincopadas. O virtuosismo dos dois músicos fica bem evidente na interpretação dos estridentes acordes do piano e do pizzicato do violino.

Monteiro e Santos interpretam a obra final do disco, a encantadora Tanzlied des Pierrot ('Canção de Dança de Pierrot'), peça transcrita da ópera Die Tote Stadt ('A Cidade Morta'), op. 12. Korngold e seu pai colaboraram no libreto; lembramos que Julius Korngold assinou com o pseudónimo de Paul Schott.

Bruno Monteiro, Miguel Rocha e João Paulo Santos são músicos de sensibilidade apurada que, mais do que inovar, redescobrem a linguagem inquieta de Korngold, com uma exigência musical altíssima.”

| João Marcos Coelho
A precocidade genial de Korngold

CD da Semana

"O compositor vienense Erich Wolfgang Korngold, nascido em 1897, foi um precoce talento prodígio detectado por seu pai, o importante crítico musical de Viena, Julius. Até aí, feliz coincidência. Acontece que o então todo-poderoso crítico do jornal Neue Freie Presse usou de todas artimanhas e lobbies para construir o sucesso do filho. O menino, que já foi batizado como um novo Mozart pelo pai, que acrescentou um “Wolfgang” a seu nome, lidou com suspeição a vida inteira. E por vários motivos.

O primeiro foi este, o tráfico de influência do pai. O CD desta semana, do excelente duo de músicos portugueses Bruno Monteiro, ao violino, e João Paulo Santos ao piano, tem como peça mais importante o juvenil trio no. 1 para violino, piano e violoncelo, aqui executado por Miguel Rocha.

O menino ainda estudava com Zemlinsky, e o trio era tão consistente que se aventou nas fofocas vienenses que o professor e o pai o tinham ajudado. Nada disso parece ter acontecido. Mas o boato permaneceu. Sobretudo quando Julius usou seu prestígio para fazer estrear o trio do menino de 13 anos em Viena no aniversário do jornal The Merke.

Mas a música é o mais importante. E de fato este trio bate, de longe, em qualidade, uma obra camerística semelhante composta por Richard Strauss com a mesma idade. Até refugiar-se nos Estados Unidos na década de 30, Wolfgang firmou-se como o segundo compositor mais tocado na Europa – logo atrás de Richard Strauss, que, imaginem, fazia furor primeiro com seus poemas sinfônicos e em seguida com suas óperas.

Uma vez em Los Angeles, transformou-se rapidamente no rei das trilhas sonoras em Hollywood. Resumindo: ele não precisava de nenhum empurrãozinho."

| Stephen Barber
“Eles tocam com vontade, apresentando performances vigorosas e entusiásticas de obras que são tecnicamente muito exigentes. A gravação é boa, e as notas do booklet, do violinista aqui, Bruno Monteiro, ajudam.”
| Stephen Wright
****

“Escrita aos 13 anos, o vivaz e harmonicamente aventureiro Op. 1 Trio não precisa de apelos especiais de ‘juvenilia’. A Sonata para Violino, desde os 16 anos, cativa desde a sua abertura ambiciosa e sinfónica.”

| Ron Schepper
"Hoje em dia, o compositor austríaco Erich Wolfgang Korngold (1897-1957) é mais conhecido pelas suas bandas sonoras do que pelas suas obras de concerto, mas isso pode mudar, se músicos como os três apresentados neste recente set, o violinista Bruno Monteiro, o violoncelista Miguel Rocha e o pianista João Paulo Santos, dêem a sua opinião sobre o assunto. Prodigiosamente talentoso quando criança, Korngold amadureceu cedo, principalmente como compositor sinfónico. Ele, como muitos artistas de herança judaica, escapou da Europa e foi para a América após a ascensão do nazismo. Em um aspecto, a mudança funcionou a seu favor, pois ele alcançou grande renome como compositor de trilhas sonoras de filmes como Capitão Sangue (1935), As Aventuras de Robin Hood (1938), Kings Row (1942) e muitos outros. Após a Segunda Guerra Mundial, Korngold tentou reviver sua carreira musical na Europa, mas sem sucesso. Mesmo assim, o seu Concerto para Violino e Orquestra, estreado por Jascha Heifetz, é hoje considerado um marco no repertório do violino e, nos últimos anos, outras obras têm recebido nova atenção.

 

Ele próprio uma espécie de prodígio, Monteiro, um dos principais exportadores de música clássica de Portugal, realizou os seus primeiros recitais públicos aos treze e catorze anos, depois estudou em Nova Iorque e Chicago, e nas décadas seguintes apareceu em palcos de concertos em todo o mundo. Há mais de vinte anos que se apresenta com o seu parceiro de recital Santos, que acompanha o violinista nesta última gravação. Monteiro lançou mais de uma dezena de álbuns, que contam com obras de Stravinsky, Ravel, Chausson, Szymanowski, Schulhoff e outros. Apesar do status de destaque de alguns dos compositores cujas obras ele executou, Monteiro frequentemente gravita para aqueles menos familiares ao público em geral e ajudou a chamar a atenção para seus esforços muitas vezes subestimados.

Consistente com o design de programação dos lançamentos anteriores, o conjunto Korngold apresenta um trabalho em trio ao lado de peças em duo, uma para violino e piano e outra para violoncelo e piano. Iniciando o álbum está seu Trio com Piano em Ré Maior, Op. 1, escrito quando ele tinha apenas treze anos. O que o torna ainda mais impressionante, porém, é a maturidade e sofisticação demonstradas pela escrita ao longo da meia hora de trabalho. O allegro com que começa cativa pela sua expressividade romântica e pelo cativante entrelaçamento dos padrões das cordas. Com o apoio competente e atento de Santos, Monteiro e Rocha envolvem-se num apaixonado pas de deux totalmente envolvente. O scherzo que se segue é lúdico e flerta com os ritmos da valsa, mas a sua duração de oito minutos também permite muitas outras direções estilísticas. Essa maturidade acima mencionada é talvez mais evidente no “Larghetto”, a sua música notavelmente comovente considerando que foi escrita por alguém tão jovem. O final é, fiel à forma, marcado pela vitalidade e um tom geralmente radiante e edificante, embora um gesto irónico surja à medida que se aproxima do fim.

Três anos separam a escrita da seleção de abertura e da Sonata para Violino em Sol Maior, Op. 6, que estreou em Berlim em outubro de 1913. Unindo Monteiro e Santos, a obra reflete, como esperado, um maior desenvolvimento no refinamento da escrita de Korngold. Isso é dramaticamente demonstrado na aventura harmónica dos dois andamentos iniciais e nas modulações pelas quais eles progridem ao longo dos vinte e quatro minutos combinados. Monteiro brilha em todo o scherzo nos rápidos saltos de escala que ele é chamado a executar, mas suas vozes expressivas na seção atmosférica do trio são igualmente memoráveis. O próprio violinista propõe que o andamento adágio, o terceiro da obra, é “claramente influenciado” por Richard Strauss e Mahler, e certamente as suas harmonias cromáticas e coda lírica indicam que tal argumento poderia ser apresentado com credibilidade.

Baseado em uma ária solo de barítono da ópera Die Tote Stadt, Op. 12 (The Dead City), Tanzlied des Pierrot conclui o lançamento fortemente com um ambiente silencioso em estilo de salão que coroa uma introdução no estilo Debussy com uma performance adorável e sincera de Rocha. Em termos de qualidade de produção, a gravação capta de forma eficaz as performances, principalmente as cordas. A gravação merece a sua recomendação, com Monteiro e companhia fazendo a sua parte para nos lembrar que Korngold, por mais formidável que fosse como compositor de trilhas sonoras, era muito mais."

| Richard Bratby
Awards Issue 2023

“Estas interpretações do violinista Bruno Monteiro, do violoncelista Miguel Rocha e do pianista João Paulo Santos são mais que tudo musicais e sinceras. Há algo a ser dito sobre o som contido e da velha escola destes dois instrumentistas de corda portugueses, com os seus portamentos aplicados com bom gosto e a garganta aveludada com que cavam nas cordas graves. Isto é Korngold tocado com determinação.”
| Veerle Deknopper
O JOVEM KORNGOLD – MADURO, PODEROSO, BONITO

"O compositor austríaco Erich Wolfgang Korngold (Morávia 1897-EUA 1957) foi muito promissor quando criança e foi, como costuma acontecer, descrito como uma espécie de pequeno Mozart. Ele amadureceu musicalmente desde muito cedo, especialmente como compositor sinfónico. As suas raízes judaicas naturalmente dificultaram o seu desenvolvimento como músico devido à ascensão do nazismo. Como resultado, ele, como muitos outros músicos, partiu para os Estados Unidos. Lá conquistou a carreira e a fama que merecia e principalmente o reconhecimento pela sua música para cinema. Ninguém menos que o famoso violinista Jascha Heifetz estreou o seu famoso concerto para violino e orquestra.

O violinista português Bruno Monteiro, juntamente com o violoncelista Miguel Rocha e o o seu pianista regular - João Paulo Santos, prestaram homenagem ao compositor numa gravação com a editora belga Et'cetera, hoje a sua casa de confiança. Com razão, porque a gravação é mais uma vez uma jóia. Nunca mude uma equipe vencedora.

O álbum começa com o trio para piano, violino e violoncelo em Ré Maior, opus 1. Esta é portanto uma das obras mais jovens do então promissor compositor. Um golpe imediato. Aliás, foi dedicado a seu pai Julius Korngold, que era um conhecido crítico musical. Pode-se ouvir a determinação com que a obra foi escrita, mas também executada. Um trabalho que sabe o que quer. Belos temas contrastantes garantem um resultado explosivo. Percebe-se a riqueza por trás do trabalho de Korngold desde a primeira nota. As transições para o Scherzo, seguidas do intermezzo quase dançante e do larghetto mais calmo, decorrem com grande naturalidade, como se esta música sempre existisse e se infiltrasse no cérebro de Korngold a partir de um nível superior. Com essa rica fantasia, você tem que começar a amar este compositor, caso ainda não o conhecesse.

Então a Sonata para violino em Sol Maior opus 6 mais uma vez atende às expectativas. Outra grande jóia, escrita por Korngold, de apenas dezasseis anos. Uma peça exigente, mas tudo soa tão lógico, tão natural, evidente em toda a complexidade. Uma peça intensa onde você mal consegue conter-se com toda a emoção e sentir a frequência cardíaca a aumentar. As influências de Strauss e Mahler são claramente audíveis.

O CD termina com uma encantadora peça de música de salão, Tanzlied des Pierrot da ópera Die Tote Stadt, cujo libreto Korngold escreveu junto com o seu pai sob o pseudónimo de Paul Schott. Um belíssimo bis profundo no violoncelo e no piano, neste CD altamente agradável."

| Uwe Krusch
Música de câmara de Korngold com “toque” Português

****

 

"Depois do CD anterior com obras de Chausson e Ysaÿe, os músicos que tocam em trio ou duo apresentam agora a sua visão sobre Erich Wolfgang Korngold.

Resta que já no trio os músicos mostram paixão e apresentam uma interpretação vital do primeiro andamento. E esta energia investida é certamente uma vantagem. No Scherzo seguinte fica clara a vitalidade e com a parte da valsa a proximidade com a música austríaca. Os três músicos oferecem uma imagem bastante robusta deste tipo de dança. No Trio – Larghetto é particularmente perceptível que a técnica capturou todos os músicos com igual peso. Assim todos se tornam audíveis e ninguém fica na sombra acústica. No final, novamente não há mesquinhez com a energia, às vezes um pouco exagerada.

O andamento de abertura da sonata para violino soa redondo e agradável. O Scherzo em segundo lugar oferece à parte do violino distintas cadeias de notas, enquanto posteriormente são ouvidas passagens mais líricas. No Adagio, influenciado por Strauss e Mahler, mas escrito com a linguagem musical única de Korngold, são exploradas fileiras de harmonias cromáticas. Bruno Monteiro consegue isso de forma cuidadosamente elaborada. O andamento final novamente encerra a obra com uma modelagem intensamente distinta por parte dos intérpretes.

Na canção dançante de Pierrot da ópera «A Cidade Morta», o violoncelista Miguel Rocha deixa ouvir os seus dotes. Com um som fino e sonoro ele oferece uma interpretação envolvente desta peça de salão e pode, portanto, deixar uma impressão muito boa.

A execução segura, organizada e sensível do pianista João Paulo Santos, em sintonia com os parceiros, pode ser apontada como outro aspecto positivo."

| Riccardo Viagrande
“A execução destas peças por Bruno Monteiro (Violino), Miguel Rocha (Violoncelo) e João Paulo Santos (Piano) é excelente. No Trio, aliás, os artistas apresentam uma harmonia tão excelente que dá a impressão de ouvir um único instrumento com vozes diferentes. Dotados de uma técnica perfeita e ainda auxiliados por João Paulo Santos que, com o seu piano, sabe ficar em segundo plano quando tem de acompanhar para conquistar o seu espaço nos momentos em que é protagonista, Bruno Monteiro e Miguel Rocha não apenas executam com grande facilidade as passagens de natureza virtuosística, mas exibem uma actuação particularmente expressiva nos episódios líricos. É, em suma, uma proposta de registo muito interessante que permite ao público aprofundar o conhecimento de um autor esquecido, cuja arte só agora começa a ser redescoberta.”
| Carter Chris-Humphray
Le Clic de la Classique News

"Volúvel, com uma plasticidade surpreendente, o Trio, trabalho juvenil de KORNGOLD, indica claramente a imaginação brilhante do jovem compositor vienense [13 anos em 1910] visivelmente marcada pelo eclectismo feliz e até fantasioso do seu prodigioso mais velho, Richard Strauss... . Desde o início, os 3 músicos compreendem e expressam o seu swing caprichoso, com um descuido silencioso. Ao seu espírito jocoso e até dançante, os 3 músicos acrescentam um aroma caprichoso e inebriante.

O Larghetto [3] possui grande subtileza de afinação, expressa como num sonho (violino flexível e suave ao mesmo tempo). E a flexibilidade, bem como a voluptuosidade da sequência final - notas espalhadas pelo piano arejado - aproximam-se da atmosfera vaporosa e onírica da ópera Die Tote Stadt.

Preocupado com os contrastes, Korngold arquitecta o seu Finale (allegro molto e energico / 4) com uma aspereza, uma espécie de rouquidão mais caracterizada e menos sedutora que antes, com acentos de pura fantasia onírica: volubilidade espelhada na leveza e nos caprichos fantasiosos do primeiro Allegro con espressione, como evidenciado pelos inícios de valsas intercaladas em uma sequência superexpressiva, até mesmo paródica, no espírito idealmente assimilado aqui novamente do capricho straussiano (o fantasioso e brilhante neobarroco Richard Strauss de Ariane auf Naxos e o neobarroco francês -Suíte barroca de Le Bourgeois Gentilhomme após Lully). Os assertivos músicos portugueses tocam e deleitam-se neste labirinto de ritmos e influências cruzadas.

 

Ecletismo virtuoso e intoxicado do jovem Erich Wolfgang Korngold

 

Bruno Monteiro acrescenta à riqueza deste programa emocionante uma obra madura [composta aos 16!] que ainda guarda o apego a este ideal vienense, ao mesmo tempo despreocupado e estilisticamente ecléctico: a sublime Sonata para violino e piano.

O “Ben moderato” [5] realça a volubilidade lunar do violino, tão próximo do canto, mas uma canção modelada na fala e no pensamento livre e fantasioso, que balança e sonha… e termina muito alto no céu notas agudas encantadas e embriagadas já que o encantador KORNGOLD sabe como destilá-los. Piano e violino expressam de forma aguda a sua grande força sugestiva e emocional.

O Adagio [7] é ternura selvagem, suavidade, abandono comedido, jogo com modulações e passagens harmónicas vaporosas, embriaguez extática nos limites da tonalidade, jogo entre o sonho e o pesadelo, mas com precisão sem suavidade (como é observado “mit tiefer empfindung” / com sensibilidade profunda).

No Finale: Allegretto [8] – o carácter de feliz despreocupação percorre todo o último andamento (con grazia), mas também um sentimento de plenitude feliz, como se estivesse embriagado aqui novamente, combinando o caprichoso e o capricho como no espírito de um andamento construído como uma fantasia – a parte do violino está próxima da voz, uma canção contínua e diáfana, enquanto o piano se aninha nas dobras e dobras de ressentimentos preservados, secretos, nunca realmente expressos. Esta névoa onírica, esta flutuação como que enfeitiçada, compõem o encanto de uma peça que à primeira vista parece difusa e incerta, revelando em última análise uma carga emocional extremamente bem construída da qual é a linha do violino que mantém o controlo e o fluxo de uma ponta à outra.

Além disso, os intérpretes tocam Tanzlied de Pierrot, trecho da ópera Die Tote Stadt para violoncelo e piano: os dois intérpretes expressam a sua suave fragilidade, como a delicada efusão de um sonho que se evapora.

Este programa sublinha apropriadamente o génio precoce e a complexidade virtuosa de um compositor vienense de infinita sedução."

| Jerry Dubins
*****

“Ele (Monteiro) é um violinista soberbo, exibindo técnica impecável, belo som e musicalidade do mais alto nível. Bruno Monteiro, Miguel Rocha e João Paulo Santos fazem milagres na sua interpretação. Duvido que você as encontre melhor apresentadas do que aqui.”

| Stephen Smoliar
“Ambos fornecem relatos convincentes da retórica ricamente expressiva de Korngold.”
| Mark J. Estren
****

“Embora a música clássica de Erich Wolfgang Korngold (1897-1957) tenha passado por uma espécie de renascimento nos últimos anos, ela permanece relativamente obscura, possivelmente porque ele é conhecido principalmente pelas trilhas sonoras de filmes que criou nos Estados Unidos depois de fugir da Europa durante o regime nazi. Curiosamente, Korngold no início de sua carreira foi uma espécie de prodígio, e mesmo as suas primeiras composições têm muito a recomendá-las – como fica bem claro neste novo CD muito bem tocado da Et’cetera Records. O disco abre com a primeira obra publicada de Korngold e o seu único trio com piano – uma obra que é uma maravilha, considerando o facto de que ele a completou quando tinha apenas 13 anos. O trio foi escrito quando Korngold estava a estudar com Alexander Zemlinsky, e contém intensidade romântica tardia e altos níveis de lirismo. Possui também alguns elementos composicionais inteligentes, nomeadamente uma estrutura quase circular, com o tema de abertura da obra repetido e retrabalhado na conclusão do final. Embora seja fácil ouvir ecos de Brahms e Richard Strauss na música, não há nada abertamente imitativo nela, e a sua linguagem harmónica está em linha com o que seria de esperar para o seu período de tempo (1909-10). No seu conjunto, esta é uma obra atmosférica e com forte sotaque, criada com habilidade composicional muito além da idade cronológica do seu compositor. E embora o estilo seja pouco distintivo, o alongamento da tonalidade e a intensidade expressiva da música situam-na directamente no final da era romântica e mostram que mesmo nas suas primeiras obras, Korngold tinha um talento especial para misturar sensibilidade emotiva com um elevado grau de drama - uma combinação que o colocaria em boa posição nos seus trabalhos cinematográficos muito posteriores. A interpretação de João Paulo Santos, Bruno Monteiro e Miguel Rocha é de primeira qualidade, permitindo que a música flua naturalmente e explore todo o alcance emocional que Korngold lhe colocou, o que é considerável mesmo quando soa algo estereotipado no terceiro andamento do Larghetto. E Korngold amadureceu muito rapidamente do ponto de vista composicional, como fica claro na sua Sonata para Violino e Piano, escrita quando ele tinha 16 anos. De maior escala que o Trio com Piano, esta sonata de 40 minutos esforça-se constantemente para estourar os limites dentro do qual Korngold o criou. Monteiro e Santos abordam as consideráveis exigências técnicas da obra com habilidade consumada, permitindo que os seus frequentes contrastes de lirismo e intensidade produzam os efeitos claros e às vezes dissonantes pelos quais Korngold se esforçou - precursores, de certa forma, das rápidas mudanças de humor às quais ele mais tarde se tornou tão adepto produzindo-os para filmes. Os elementos emocionais livres aqui fluem mais naturalmente do que no Trio, embora a linguagem musical em si seja um pouco mais ácida. O segundo andamento da sonata, um insistente Scherzo, contém um Trio central invulgarmente belo, e o terceiro andamento Adagio também está repleto de sinceridade, apesar de um elevado nível de cromatismo que lembra Mahler e, novamente, Richard Strauss. O final em forma de variação fornece o único fermento numa obra que é altamente séria: há pedaços de leveza aqui e ali que ajudam a aliviar o peso persistente da sonata, e a conclusão suave traz consigo uma sensação de calma que é de outra forma, em grande parte ausente de uma obra de poder considerável. O disco termina, como um bis, com um trecho da terceira e mais conhecida ópera de Korngold, Die tote Stadt, uma obra psicologicamente sombria cujo enredo um tanto sinistro não se reflecte em nenhum lugar na doce e calorosa versão para violoncelo e piano de Tanzlied des Pierrot interpretada por Rocha e Santos com considerável delicadeza e charme. No seu conjunto, este CD constitui um testemunho da música anterior de Korngold (que inclui Die tote Stadt, em cuja estreia o compositor tinha 23 anos) e uma excelente introdução, para ouvintes que conhecem Korngold apenas como compositor de cinema, a algumas das suas contribuições substanciais à música de câmara do século XX.”

| Aart van der Wal
“Seja ou não um trio ocasional, em qualquer caso a interacção destes três músicos portugueses é de tal calibre que na verdade aceito pelo valor nominal que trabalham juntos há anos. Também fica claro que eles se sentem fortemente relacionados com essas três peças. 'Uau', como costumam dizer os nossos vizinhos orientais, capturado numa paleta de cores generosa. Isso dá asas a esta música, que tem muitos momentos indisciplinados. É difícil imaginar que Korngold tinha apenas 13 anos quando compôs o Trio com Piano, mas não pode haver dúvidas a partir das fontes históricas. O mesmo se pode dizer da Sonata para Violino, composta três anos depois, com os agradecimentos de Korngold ao violinista Carl Flesch e ao pianista Artur Rubinstein (a quem Korngold também dedicou a peça), que lhe forneceram valiosos conselhos técnicos. O que não altera o facto de estarmos perante obras decididamente ‘adultas’ que também foram abordadas da mesma forma pelos três músicos portugueses. O que dificilmente poderia ser de outra forma, porque a Sonata para Violino é sem dúvida uma das mais difíceis do género, tanto técnica como interpretativamente. O pulsante Trio com Piano também impressiona pela inquietação sem fim, pelos saltos harmónicos exorbitantes e pela ousadia criativa que expressa. Características que também encontramos em parte na Sonata para Violino e que não são suavizadas nem enfatizadas por esses músicos, então na medida certa. O equilíbrio é um componente importante em cada performance, tanto puramente técnico (interacção) como em termos de dinâmica e expressão. Se há algum destaque no Romantismo Tardio, estas duas obras certamente estão entre elas. As próprias interpretações, umas fluindo das outras, não deixam espaço para qualquer outra visão.A peça final é o arranjo para violoncelo e piano do Tanzlied des Pierrot da ópera Die tote Stadt, que contrasta de forma particularmente bela com as duas obras anteriores: não só nesta transcrição é uma verdadeira peça de salão por excelência, para a qual Fritz Kreisler não teria que ter vergonha. Há mais adaptações da ópera, todas do próprio Korngold. Ele também dominou essa profissão até a ponta dos dedos.Em resumo, há todos os motivos (a bela gravação também é um deles) para conhecer esta música desta forma.”
| Robert Ekselman
“A improvável carreira musical de Ernest Chausson – já tinha iniciado o curso de direito – deixou-nos várias obras-primas da música de câmara durante a sua tragicamente curta vida, das quais o Trio para Piano, Violino e Violoncelo Op.3 é considerado uma delas. Embora a posteridade lhe possa ter concedido imortalidade de reputação e um lugar entre os grandes, talvez não tivéssemos tanta sorte se o destino o tivesse levado adiante na estrada seguindo suas ambições iniciais na lei. A obra é em quatro andamentos e exibe toda a influência do seu professor do Conservatório de Paris, César Franck. Os dois andamentos externos estão em forma de sonata, ambos os lados do scherzo e andamento lento. O violinista/compositor belga Eugène Ysaÿe é lembrado como um dos solistas mais destacados do século XIX/início do século XX. A ligação com Chausson aparece através de seu Poème Elegaique para Violino e Piano Op.12 apresentado nesta crítica, a obra sendo a inspiração por trás do próprio Poème para violino solo de Chausson, que foi estreado pelo violinista em 1886. É uma obra de intensidade sombria; sem surpresas, já que é inspirado em Romeu e Julieta de Shakespeare. Ambos os compositores ultrapassaram os limites do romantismo tardio e encontraram inspiração em compositores como Wagner e Franck, a quem foi dedicado. A rapsódica Méditation-Poème para Violoncelo e Piano Op.16 é escrita em compasso variável. É em igual medida sombrio e introspectivo. Ambos os compositores habitam uma paisagem impressionista de frases turbulentas e crescentes, apoiadas por harmonias caleidoscópicas que mudam rapidamente. O trio português formado por Bruno Monteiro (violino), João Paulo Santos (piano) e Miguel Rocha (violoncelo) apresenta-se de forma impressionante neste desafiante e dinâmico programa.”
| Hugo Papbst
Le Clic da la Classique News

“O violinista Bruno Monteiro revela neste novo programa romântico francês afinidades óbvias com a estética fin de siècle, tanto franckista como pós-wagneriana, própria de Chausson e Ysaÿe. Além disso, a filiação entre os dois compositores é cativante graças a uma iluminação tão fina quanto comprometida. O Trio de Chausson Opus 3 é uma obra importante escrita no Verão de 1881 por um jovem compositor de 26 anos que assim desejava evitar seu fracasso no Prix de Rome; o princípio cíclico é usado com muita habilidade (homenagem ao seu mestre César Franck que validou a forma final de seu aluno); a unidade profunda da peça (forma sonata dos andamentos I e IV) e o seu sabor complexo entre melancolia e êxtase (ambiguidade harmónica) são esclarecidos, explicitados, com uma vibração tridirecional notavelmente articulada.

Entre delicadeza e desenvoltura, Bruno Monteiro produz e cultiva um timbre ao mesmo tempo encantador e determinado graças ao seu violino em perfeita cumplicidade com o violoncelo de Miguel Rocha, enquanto o pianista João Paulo Santos lapida cada nota com o mesmo espírito de precisão, nuance, de profundidade conturbada (volubilidade do teclado em “Vite” que funciona como um scherzo). Cada sequência é contrastada de maneira ideal, apontando para os elementos característicos do Très lent até o Animé final, tanto nervoso quanto contundente (conclusão das notas finais repetidas).

O mesmo risco cativante e desafioso bem-sucedido de então programar duas peças de Ysaÿe, relativamente menos tocadas/menos conhecidas que as suas 6 sonatas para violino solo. Em ambos os casos, os artistas exploram a liberdade formal, bem como o extremo virtuosismo necessário para expressar sua profundidade emocional. Esculpem com elegância e no legítimo espírito fauriano (a partitura é dedicada a Fauré) o sentimento de plenitude cinzelado no Poème élégiaque d'Ysaÿe, Opus 12, para violino/piano; Bruno Monteiro e João Paulo Santos parecem perceber nas mais pequenas dobras e dobras, as manifestações sugestivas de uma melancolia amorosa arraigada, tanto inebriante como tóxica (o timbre grave e muito envolvido do violino). O canto livre e soberbamente matizado dos dois instrumentos expressa impulsos, desejos, ressentimentos, amarguras, esperanças de uma alma afectada mas combativa.

Particularmente característico, rouco e flexível, como se redondo e áspero, o violino de Bruno Monteiro cativa ainda mais porque se distingue claramente pelo seu fraseado flexível e preciso, sonoridade sobretudo que oscila entre a queixa e a oração, mordaz e acariciante, dupla face de uma introspecção comovente, – e determinada, mas ainda em renúncia. A cor é bronze, continuamente sugestiva, em introspecção e intensidade; tanta nuance cinzelada que em nada impede um respiro renovado pela sua liberdade e pelo seu gesto flexível.

Particularmente exposto, o violino de Bruno Monteiro sabe tecer uma seda sonora particularmente flexível, graças ao piano subtil e sedutor de João Paulo Santos; em linhas tensas, com respirações alongadas e infinitas, o violino como que suspenso, tece perspectivas que expandem o tempo e o espaço cinzelando uma canção no limite da harmonia, cada vez mais saturada, de uma embriaguez ígnea cuja articula a chama incandescente, sem descartando dureza ou dificuldades; a pureza do programa, as 1001 nuances inscritas no baixo, do lúgubre ao desesperado, fazem jus à genialidade de Ysaÿe, ele próprio um violinista superlativo, numa peça virtuosa conduzida em filigrana tensa, até aos agudos sussurrados ao fim, estirado na respiração e cada vez mais apaziguado, rumo ao mistério pleno. Técnica dominada e hipersensibilidade expressiva, Ysaÿe revela-se tão ambivalente e introspectivo como Chausson. Que, aliás, depois de ouvir esta obra, compôs o seu próprio Poema para violino. Trazer Ysaÿe e Chausson para o diálogo desta forma prova ser relevante e obviamente muito inspirador para os músicos.

A mesma sensibilidade activa e misteriosa, na Meditation-Poème de 1910 onde o violoncelo encanta, embriaga, murmura, também se exaspera como uma pura errância onírica; a execução do violoncelo respeita uma retórica precisa, clara e tensa. A execução é brilhante, sempre sugestiva, perfeitamente expressiva, sem excessos, nuançada e com flexibilidade de tempo(s), volumosos. Programa romântico francês, nos seus riscos assumidos, e na sua grande finesse, totalmente convincente.”
| María del Ser
“Considerado um dos mais destacados violinistas do seu país, o português Bruno Monteiro tem uma extensa carreira internacional como solista, tanto com orquestra como em conjuntos de câmara. Apresenta aqui uma nova gravação juntamente com o violoncelista Miguel Rocha e o pianista João Paulo Santos, com quem já gravou para esta mesma editora Sonatas para violino e piano do também português Luís de Freitas Branco, de Maurice Ravel e do Brasileiro Heitor Villa-Lobos, resenha já apresentada nestas páginas. Este disco abre com o Trio para piano, violino e violoncelo em Sol menor Op. 3 de Ernest Chausson, estreado em 1882. Os seus quatro andamentos giram em torno da delicadeza e subtileza da música francesa da época, mas com um tom dramático, consequência do interesse do compositor pela ópera a que se junta a ambiguidade harmónica típica de César Franck e Gabriel Fauré. Seguindo, em parte, esta ligação belga, completam-no com o Poema Elegíaco para violino e piano Op. 12 de Eugène Ysaÿe, inspirado em Romeu e Julieta de Shakespeare e de grande novidade e originalidade na forma, como o próprio Monteiro aponta no texto que acompanha o CD. Com uma linguagem muito pessoal que também se encontra na sua Meditação-Poema para violoncelo e piano Op. 16 (página pela qual o compositor não tinha grande estima), destaca-se pelo seu carácter fantasioso, quase improvisado. Uma escuta que se transforma em todo um itinerário pela calidez e exuberância elegante do jogo de cores e atmosferas criadas pelos intérpretes.”
| Jacques Bonnaure
****

"O Trio em sol menor de Chausson não é uma obra de muito fácil acesso, mas a sua frequentação assídua traz grande satisfação: resta-nos ser sensíveis à tensão dramática que o atravessa, aos seus climas variados e à solidez da sua construção. Já houve belas versões, duas antigas do Beaux Arts Trio (Philips) e do Trio Pennetier, Pasquier e Pidoux (Harmonia Mundi), duas mais recentes mas de alto nível do Trio Wanderer (HM) e do Trio Slipper (Mirare). Aqui, é uma equipa portuguesa que assume este amplo placar em que Chausson transcende os fofos pecados da escola franckista para revelar uma personalidade poderosa. Dedicado a Fauré, o Poème Élégiaque de Eugene Ysaÿe (1858-1931) impressionou tanto Chausson que inspirou seu famoso Poème para Violino e Orquestra. É uma peça de carácter sério e lírico, romântico, mas de escrita mais clássica que o Trio de Chausson, já magnificamente gravado por Alina Ibragimova e por Cédric Tiberghien (Hyperion). A Meditação-Poème para violoncelo e piano é da mesma água, com uma linguagem mais avançada. Estas são duas grandes descobertas oferecidas por intérpretes preocupados e competentes."
| Ray Picot
“Trata-se de uma colectânea de sonatas para violino muito bem contrastada e inusitada, que reúne músicas da pena de Luis de Freitas Branco, Maurice Ravel e Heitor Villa-Lobos. Não conheço nenhuma outra gravação com esta combinação, que achei muito refrescante, como fiz com as interpretações do violinista e produtor Bruno Monteiro e do pianista João Paulo Santos. Como explica Monteiro nas suas notas informativas, a dupla tem tocado esta música em concertos várias vezes e partilham uma familiaridade e compreensão fáceis que comunicam claramente através de leituras excepcionais deste repertório. Eles também actualizam essa música por meio de uma abordagem dinâmica e flexível.

A enquadrar a mais conhecida Sonata de Ravel está a 1ª Sonata juvenil de Freitas Branco, que tem um verdadeiro encanto com um final mais pesado, e a mais conhecida 2ª Sonata de Villa-Lobos. A última peça foi o cartão-de-visita do compositor em Paris e causou uma impressão positiva entre os músicos e o público. Típico do compositor, existem várias edições desta peça com diferentes marcações de tempo, o que pouco importa quando é tão bem executada. A obra-prima de Ravel dispensa apresentações e é tocada com muito brilho pela dupla. (…) A acústica é muito natural e dá muito espaço a esses excelentes músicos. Calorosamente recomendado.”
| Ana Rocha
****
“É de saudar o mais recente álbum do violinista Bruno Monteiro (Porto, 1977), dividido em dois “capítulos”, o primeiro dedicado a uma peça de Ernest Chausson e o segundo com duas obras do compositor e violinista belga Eugene Ysaÿe. São 66 minutos preenchidos por três peças poderosas pela originalidade da construção, pelo vigor, amplidão e riqueza dos temas, nesta ocasião explorados pelo violinista ladeado pelo pianista João Paulo Santos e pelo violoncelista Miguel Rocha. Trata-se obras de compositores muito ausentes do panorama sonoro e que agora ressurgem na gravação, três pepitas a merecer a saída das prateleiras onde acumularam poeira. De uma pintura oitocentista assinada pelo holandês Frits Jansen e intitulada “Tarde de Verão” foi retirada a imagem para ilustrara capa com uma mulher elegante de olhar sonhador languidamente reclinada num relvado, numa refrescante paisagem estival que serve de metáfora à música luminosa e requintada da partitura de Chausson e aos duetos interpretados no “Poema Elegíaco” dedicado por Ysaÿe a Fauré e na “Meditação-Poema”, de 1910, assinada pelo violinista belga que a dedicou ao compositor e violoncelista francês Fernand Polain. Em 1899, um traumatismo craniano causado por uma aparatosa queda de bicicleta veio interromper subitamente a carreira criativa de Chausson aos 44 anos de idade. O Trio em Sol menor (opus 3) que abre o programa é uma obra de juventude, apresentando-se com uma atmosfera de muita alegria com élans românticos e pinceladas de simbolismo. Por vezes, é enfático o sentido dos contrastes entre os três solistas, levados pela vivacidade rítmica e pela tensão paroxística com muitas nuances da composição. A arquitectura e densidade sonora dos poemas de Ysaÿe são servidos com brio.”
| John J. Puccio
JJP’s Favorite Classical Recordings of 2022

Violin Sonatas
Music by Freitas Branco, Ravel, Villa-Lobos. Bruno Monteiro, violin; Joao Paulo Santos, Piano. Et’cetera Records KTC 1750.
Para ler a crítica, por favor digite:
https://classicalcandor.blogspot.com/2022/04/violin-sonatas-cd-review.html
 
| CD do dia
CD destacado na estação de Rádio France

https://www.radiofrance.fr/francemusique/podcasts/en-pistes/joyeux-anniversaire-daniel-barenboim-3396620
| João Marcos Coelho
CD DA SEMANA Trio e duos de Ysaÿe e Chausson. Por três notáveis músicos portugueses, no álbum recém-lançado do selo Etcetera

"É impressionante a vitalidade do violinista Bruno Monteiro e do pianista João Paulo Santos. Ambos portugueses, seu duo há quase duas décadas vem gravando parte substancial do repertório camerístico mais expressivo do último século e meio. Bruno Monteiro nasceu na cidade do Porto. Estudou em Nova York com Patinka Kopec, Isidore Cohen (do Trio Beaux Arts) e integrantes do American String Quartet da Manhattan School of Music. Completou sua formação com Shmuel Ashkenazi, do Vermeer Quartet. O experiente pianista João Paulo Santos, lisboeta de 57 anos, estudou com o grande Aldo Ciccolini em Paris na década de 80.

Apenas nos últimos dez anos, Bruno e João Paulo fizeram mais de uma dezena de gravações. Uma discografia consistente, evidenciando um gosto particular pela música do século 20. Eles registraram, por exemplo, a integral para violino e piano do compositor português Fernando Lopes-Graça (que morreu em 1994 aos 86 anos, depois de uma vida de resistência ao regime salazarista e uma qualidade de criação musical invejável); um duplo contendo a integral para violino e piano do compositor polonês Karol Szymanowski (morto em 1937, aos 55 anos). E também Stravinsky, entre muitos outros.

O duo acaba de lançar o álbum “Ysaÿe: music for violin, cello and piano” pelo selo Etcetera. O violoncelista convidado é Miguel Rocha. Nasceu no Porto, e começou os estudos musicais no Conservatório da cidade com Isabel Delerue. Em 1983 estudou em Paris, Praga, Masstricht e em Basel com Boris Pergamenchikov. Foi solista da Sinfonietta de Lausanne, na Suíça. Em 2001 retornou a Portugal. Dá aulas na Escola Superior de Castelo Branco, próximo a Belgais, onde Maria João Pires concebeu e concretizou seu utópico projeto musical por alguns anos e teve como assistente o brasileiro Caio Pagano. Gravou para vários selos, da música barroca à contemporânea, com ênfase na música portuguesa.

No CD desta semana, este trio toca o ambicioso trio em sol menor, opus 3 de Ernest Chausson (1855-1899), que estudou com Massenet e também com César Franck – o segundo foi influência determinante em sua obra. Chausson exercia uma feroz autocrítica sobre suas obras, que são poucas. Mas todas são muito expressivas. Talvez mais determinante ainda foi a influência de Wagner, cuja música conheceu e curtiu muito entre 1880 e 1889. Naquela década foi praticamente todos os anos a Bayreuth. E na década seguinte, sua última de vida, compôs a ópera “O Rei Artur”.

A outra metade do álbum é preenchida com duas peças de Eugene Ysaÿe, um dos maiores virtuoses do violino no final de século 19: o “Poema Elegíaco” para violino e piano; e “Meditação-poema”, para violoncelo e piano."
| James Palmer
*****
 “Este é um belo exemplar de soberba música de câmara do período da Belle Epoque, e não se pode imaginá-lo melhor tocado ou gravado. Se começar pela qualidade do som, é apenas porque não é fácil obter um equilíbrio correto, genuinamente musical e gravado entre os três instrumentos, mas o resultado aqui beira o padrão de demonstração. (…) Bruno Monteiro e os seus companheiros têm o estilo deste período literalmente na ponta dos dedos, e toda a apresentação é admirável.”
| Maria Augusta Gonçalves
“ (…) Interpretações belíssimas, que se estabelecem desse já como escolhas de primeira linha param este repertório. (…) Exposição memorável de Bruno Monteiro, piano perfeito de João Paulo Santos, ora pelo violoncelo extraordinário de Miguel Rocha, até à sequência final, atingindo a apuro supremo no termo da obra.

Gravado há um ano, na Igreja da Cartuxa, em Caxias, com o engenheiro de som José Fortes, este álbum constitui um tesouro na discografia de Chausson e Ysaÿe, assim como da música em França, na viragem do século XX, no alvor da modernidade que se seguiria. Tudo por causa da ampla visão dos músicos, sobre cada uma das obras e o seu contexto, e do domínio técnico de excepção que demonstram a cada instante.”
| Dominy Clements
Se gosta de uma performance de coração na manga, (...) de um trio de piano 'não cantado', então esta é uma para colocar e apenas aumentar o volume.”

“O Trio de Ernest Chausson em Sol menor Op. 3 pode ser ouvido como um acto de desafio por parte de um compositor que acabara de ser rejeitado pelo Prémio de Roma. Composto no Verão de 1881, foi estreado a 8 de Abril de 1882 na Société Nationale de Musique de Paris, mas depois de uma recepção morna ficou inédito até 1919, algo que pode nos parecer agora notável dada a qualidade da música.

Esse sentido de desafio criativo é mais aparente na envergadura romântica do substancial primeiro andamento. A influência de Franck é aparente em toda a peça e, embora esta grande abertura seja mais ou menos baseada na forma de sonata clássica, os seus temas têm aquelas tendências cíclicas associadas a Franck. Isto é seguido por um Vivace que serve como um andamento de passagem, levando a um belíssimo Assez lent. O equilíbrio da proporção é mantido no Animé final, que responde à abertura com uma estrutura de forma sonata comparável e compacidade e intensidade temática ainda maior, com harmonias ousadas e a construção de clímax consideráveis, apesar da linha bastante animada de 'jornada para casa' no seu ímpeto.

Eugène Ysaÿe ficou mais conhecido como violinista por ter sido compositor em vida, tendo estudado com Wieniawski em Bruxelas, e mais tarde em Paris com Vieuxtemps. O Poème Élégiaque foi dedicado a Fauré e tem um drama de tirar o fôlego que impressionou Chausson o suficiente para escrever o seu próprio e famoso Poème. A Meditation-Poème para violoncelo e piano foi escrita para o violoncelista Fernand Pollain, e é uma peça para confundir os condutores de ar de nós que tentamos seguir o ritmo em casa. A sua métrica irregular cria um efeito de inquietação, o efeito lírico contínuo carregando o seu próprio arco dramático.

Esta é uma bela gravação. Não existem muitas gravações do Trio Op.3 de Chausson por aí, mas existem algumas alternativas. Vale a pena considerar o Vienna Piano Trio no MDG, embora eu certamente prefira a presente gravação à do Meadowmount Trio no Naxos, que é boa o suficiente, mas bastante suave em comparação.

Se gosta de uma performance de coração na manga, (...) de um trio de piano 'não cantado', então esta é uma para colocar e apenas aumentar o volume.”
| Riccardo Viagrande
Este CD lançado pelo selo Etcetera Records abre uma pequena, mas delicada janela sobre a música de câmara francesa da segunda metade do século XIX e início do século XX. O programa abre com o Trio para piano, violino e violoncelo op. 3 que, composto por Ernest Chausson em 1881 e apresentado pela primeira vez em 8 de Abril de 1882 na Société Nationale de Musique em Paris, é uma obra em quatro andamentos com uma estrutura cíclica em que o compositor mostra um excelente domínio das técnicas e das formas composicionais apesar de em algumas passagens haver um lirismo talvez um pouco retórico, embora intenso. O programa é completado por duas obras de Eugène Ysaÿe: o Poème Élégiaque para violino e piano Op.12, inspirado na tragédia Romeu e Julieta de Shakespeare, e o Méditation-Poème para violoncelo e piano Op.16 que, composto em 1910, é uma página de carácter rapsódico.

 

Estas peças são executadas com excelência por Bruno Monteiro (violino), Miguel Rocha (violoncelo), João Paulo Santos (piano). No Trio de Chausson os três artistas encontram uma harmonia perfeita que lhes permite dar a impressão de ouvir um único instrumento com diferentes timbres. Em particular, João Paulo Santos, ao piano, acompanha sem nunca os sobrecarregar, Bruno Monteiro e Miguel Rocha, que, ambos dotados de uma técnica sólida, mas também de uma forma expressiva, executam estas peças com grande atenção ao fraseado e à dinâmica. Particularmente bela é a performance do Poème de Monteiro, assim como a performance da Méditation-Poème de Miguel Rocha de valor absoluto.

| Josep Bosch
No selo belga Etcetera Records, fundado por David Rossiter e Michel Arcizet, qualquer detalhe é revelador. No novo disco de Bruno Monteiro, o intérprete, acompanhado por dois músicos de excelentes qualidades musicais – o violoncelista Miguel Rocha e o pianista João Paulo Santos – interpreta o Trio para piano, violino e violoncelo em sol menor, op. 3, do compositor francês Ernest Chausson (1855-1899), o Poema Elegíaco para violino e piano, op. 12, e o maravilhoso poema Meditação para violoncelo e piano, op. 16, do compositor e maestro belga Eugène Ysaÿe.

 

‍Monteiro, com Rocha e Santos, colocam o ouvinte diante de uma multiplicidade de sonoridades, nas quais é possível reconhecer, para melhor compreensão do momento histórico, a música de dois compositores de uma sensibilidade poética e uma pauta idiomática muito rigorosa.

‍O Trio para piano, violino e violoncelo em sol menor, recebido com frieza na estreia, é uma obra em quatro andamentos (aliás, fruto do conselho de César Franck) e encontramos os temas cíclicos do violino - a lírismo de Monteiro é uma viagem deslumbrante - além de uma profunda ambiguidade harmónica e força rítmica, que sustenta os quatro andamentos.

‍A poesia sonora de Ysaÿe, reflectida no Poema Elegíaco - dedicado a Fauré - e no Poema-Meditação, é inerente a essas duas peças de câmara puramente românticas. O autor busca a escuridão através da scordatura; ele parece ter sido inspirado por Romeu e Julieta de Shakespeare e pela música de Chausson.

‍De natureza rapsódica, Ysaÿe, que formou seu próprio quarteto em 1894, compôs o poema-Meditação com uma notação singular (em vez da convencional) para indicar mudanças de métrica. Rocha e Santos, violoncelo e piano, exibem uma energia de intensidade dramática, sombria e sóbria.

Uma gravação de alto nível artístico e musical.

| Andrew Lorenz
A Sonata nº1 para Violino e Piano foi escrita por Luís de Freitas Branco (1890-1955) em 1908, quando o compositor tinha apenas 17 anos e estudava no Conservatório Nacional de Lisboa. Ele tornar-se-ia num dos grandes compositores portugueses da era romântica. A obra ganhou o primeiro prémio num concurso de composição na capital portuguesa e não merece o esquecimento que tem recebido. Esta sonata muito fina é em quatro andamentos e bastante voltada para o futuro no seu conteúdo melódico e harmónico. O trabalho em conjunto de Monteiro e Santos é excelente e o timbre do violino é atraente. A Sonata No.2 (1927) de Ravel (1875-1937) sai-se ainda melhor na performance, especialmente no movimento Blues. Ocasionalmente o tímbre do violino lembra o de Mischa Elman e isso pode ser ouvido na Sonata nº 2 para Violino e Piano Fantasia de Heitor Villa-Lobos (1887-1959). Ele compôs quatro sonatas para violino e esta segunda, composta por três andamentos, foi composta em 1914 e exibe o estilo fantasioso como sugerido no título.
| Veerle Deknopper
CHAUSSON – UM RETRATO PINTADO NO ÍNTIMO

Bruno Monteiro sabe lidar com as coisas. Sempre que o violinista português lança um novo álbum, a dinâmica na sua execução fala muito. Enérgico, orgulhoso e sincero, algo para o qual você deseja acordar e que influencia positivamente o seu humor durante o dia. Desta vez conseguiu surpreender-nos com música de Ernest Chausson e Eugène Ysaÿe. Um companheiro permanente da música é o pianista João Paulo Santos e desta vez também o violoncelista Miguel Rocha. Um selo belga – Et'cetera – e também um compositor belga. Lindo!

 

Ernst Chausson (1855-1899) cresceu numa amorosa família parisiense, onde a música não desempenhava o papel principal. Ainda assim, um professor deu-lhe o amor pelas Belas Artes e ele logo não conseguiu escolher entre música ou a literatura. No final das contas, foi a música que ganhou quando ele começou a estudar piano aos quinze anos, apesar de também ser muito talentoso como pintor. Ele pode ter começado a estudar direito, mas acabou no Conservatório de Paris. Compôs obras para piano e música de câmara, obras orquestrais e ópera. A ligação com o virtuoso violinista belga Ysaÿe? Ysaÿe estreou seu Poème para violino e orquestra em 1896.

Chausson era conhecido como uma personalidade tímida, que tinha um grande amor pela beleza e pela natureza. Ele gostava de estar rodeado por artistas de todos os tipos de áreas, como, por exemplo, Monet e Duparc.

O seu trio para piano, violino e violoncelo em sol menos opus 3 abre este CD e pode seguramente ser considerado uma das mais belas peças do período do final do século XIX. Isto apesar do trabalho ter sido recebido friamente pela Société Nationale de Musique. Só foi publicado postumamente em 1919.

O agradável é que você pode ouvir todas essas dinâmicas, como se estivesse mergulhando numa pintura. Tons de cor são ouvidos e até um pouco de pontilhismo é permitido em um fundo sonhador. Como se sentisse a energia daquele período cultural.

Ysaÿe começou sua carreira muito jovem. Estreou-se publicamente aos sete anos de idade e estudou no Conservatório de Bruxelas com Wieniawski e mais tarde em Paris com Henri Vieuxtemps. Era conhecido por seu belo vibrato, os seus tiques românticos e sons quentes. Além de suas peças mais famosas, também escreveu dois poemas musicais que você pode ouvir aqui. O bastante sombrio Poème Élégiaque foi dedicado a Gabriel Fauré. Foi exactamente isso que desafiou Chausson a escrever o seu próprio Poème . A Méditaton-Poème foi escrita em 1910, mas não publicada até 1921. O violinista-compositor sempre quis ter certeza de que apenas o melhor seria publicado. A obra foi dedicada ao violoncelista Fernand Pollain e tem caráter rapsódico.

Este álbum aborda uma música que pode não ser conhecida pelas massas, mas que vale muito a pena colocar no mapa e ser degustada e apreciada.

| Jonathan Woolf
Um programa de estufa franco-belga astutamente planeado e belamente executado

Este é um disco astutamente planeado que se baseia em ligações e nuances entre Chausson e o seu contemporâneo um pouco mais jovem Ysaÿe – que notoriamente estreou o Poème – ambos devotos de Franck. Foi Franck quem orientou o jovem Chausson, e certamente há fortes marcas do procedimento cíclico do homem mais velho e da atmosfera de estufa no Trio de 33 minutos de Chausson.

 

Esta é uma obra, há décadas ignorada, que tem recebido cada vez mais gravações. Bruno Monteiro (violino), Miguel Rocha (violoncelo) e o pianista João Paulo Santos formam um trio formidável e casam objectivos estruturais de longo prazo com momentos de expressão picante para gerar a necessária luz e sombra dramática numa obra tão jovem e intensa como esta. É perceptível que eles evitam tempos excessivos, como se pode encontrar no Trio Solisti na Bridge ou em elementos da gravação do Fidelio Trio na Resonus, onde tanto o andamento inicial quanto o lento são pressionados com bastante força – pelo menos em relação ao desempenho da equipa da Etcetera. Em contraste, o trio português transmite a fluidez dos picos e vales dramáticos do primeiro andamento através de trocas saudosas e seguras e de uma firmeza escultural que compensa a escuta repetida. O Scherzo do andamento lento ganha pelo fino controlo do momento e do humor, com Bruno Monteiro flutuando o seu som com admirável refinamento, Miguel Rocha igualando-o na sofisticação da produção tonal, ancorada na excelência consistente do pianista João Paulo Santos. A flutuação na densidade expressiva do andamento lento é lindamente realizada, e a elasticidade das linhas melódicas do Finale são transmitidas num tempo fino, com toque de poder e ardor, principalmente do pianista que tem muito para tocar.

As duas obras seleccionadas de Ysaÿe actuam como bons adicionamentos em si mesmas sobre o Trio de Chausson, maior e mais emotivamente extrovertido. Ambas, de facto, foram posteriormente orquestradas para solista e orquestra, na forma em que foram frequentemente encontradas em disco. No Poème Élégiaque, a corda Sol do violinista é afinada em Fá, o que lhe confere uma qualidade sombria e melancólica. Não apenas enfatiza as qualidades tristes da música, mas também soa positivamente como uma viola d’arco em alguns lugares. Foi o seu primeiro poema sinfónico e evoca a plangência Lekeuriana, Wagneriana, da escola belga do fim do seculo, à qual Monteiro responde com um discurso instrumental cheio de fervor. Tanto ele quanto Santos mostram-se hábeis no potencial expressivo da música, iluminando o clima quando necessário ou escurecendo e aprofundando a atmosfera crepuscular numa leitura notavelmente equilibrada. Uma versão concorrente, embora muito diferente – Vierne, Franck e Lili Boulanger – está na Hyperion, finamente interpretada por Alina Ibragimova e Cédric Tiberghien. Para a versão orquestrada, tem a caixa Fuga Libera (FUG758), onde é tocada por Tedi Papavrami (review) ou o CPO 777 051-2 (review), para citar apenas dois exemplos.

A Méditation-Poème também pode ser encontrada na caixa Fuga Libera, onde é interpretada por Gary Hoffman. Mostra o domínio do rapsódico de Ysaÿe, mas também o seu empregar do cromatismo, de cores maduras, que enriquecem a música em vez de sufocá-la ou estrangulá-la. Demasiado astuto o compositor-intérprete para isso, Ysaÿe dá ao violoncelista algumas linhas eloquentes para tecer, às quais Miguel Rocha responde com ardor, esplendidamente acompanhado por João Paulo Santos.

Este programa dá inúmeras oportunidades de fortalecimento individual e colectivo e vem com notas de programa do violinista e uma excelente gravação supervisionada por José Fortes. A estufa está em boas mãos neste lançamento.

| Steven Kennedy
Gravação: ****/**** Performance: ****/****

“(…) Tudo isto se torna ainda mais evidente com a performance aqui. O andamento de abertura é bem-sucedido, mas os andamentos centrais evidenciam bem a interacção do ensemble no scherzo. Há muita escrita lírica aqui também que é lindamente interpretada por Monteiro e Rocha. O fraseio e a articulação são combinados igualmente bem. As interjeições harmónicas apaixonadas do piano adicionam a energia adequada e o impulso para a frente.(…)

 

Monteiro apresenta uma performance muito apaixonada (Ysaye) com um timbre rico, especialmente nas secções dos registos mais baixos. As exigências técnicas da peça também tornam isso atraente. O arco do trabalho também é aqui bem captado.(…)

O Poema-Meditação para violoncelo e piano, Op.16, será outra descoberta deliciosa para quem não conhece a música de Ysaye e faz uma comparação interessante com outras obras anteriores. Mais uma vez, a paleta harmónica é mais marcante aqui com os seus flertes com uma espécie de mistura de som romântico-impressionista.

Para aqueles que gostam de explorar música de câmara rara, vale a pena procurar este lançamento especialmente pelos mais raros Ysaye. Uma interessante dupla que funciona bem para apresentar aos ouvintes dois importantes compositores desta época da música franco-belga.”

| (Alemanha)
O compositor Ernest Chausson estudou com Massenet e Franck e é considerado um importante elo entre a tradição romântica tardia de carácter wagneriano e o Impressionismo. Composto em 1881 em Montbovon, Suíça, o seu Trio com Piano revela as qualidades líricas de Chausson como compositor. É influenciado pela linguagem tonal de César Franck; o quinteto com piano de Franck de 1878/79 pode ter sido um modelo concreto. Mesmo assim, Chausson era independente o suficiente para criar uma obra que pode ser considerada um dos mais elegantes e belos trios com piano do final do Século XIX. Os músicos Bruno Monteiro (violino), João Paulo Santos (piano) e Miguel Rocha (violoncelo) estão entre os principais músicos de câmara de Portugal. Eles interpretam a obra de Chausson com brilhantismo e paixão sem a sentimentalizarem. Os dois Poemas de Ysaÿe para violino ou violoncelo e piano são um belo bónus.
| John Puccio
Alguns de vocês podem conhecer o trabalho do violinista Bruno Monteiro dos seus discos, outros nas suas muitas aparições públicas, e mais alguns das minhas várias recensões dos seus CDs anteriores. Para aqueles que ainda não estão familiarizados com ele, deixei-me lembrá-lo. O semanário Expresso descreve-o como “um dos mais conceituados músicos portugueses da actualidade”. Ele é reconhecido internacionalmente como um eminente violinista.” A Fanfare diz que ele tem um “som de ouro polido” e Strad comenta sobre ele ter “um vibrato generoso” produzindo cores radiantes. A Music Web International refere-se às suas interpretações como possuidoras de uma “vitalidade e uma imaginação que olham inequivocamente para o futuro” e que atingem um “equilíbrio quase ideal entre o expressivo e o intelectual”. A Gramophone elogia sua “segurança e eloquência infalíveis”, e a Strings Magazine observa que ele é “um jovem músico de câmara de extraordinária sensibilidade”. Por tanto sim, ele é muito, muito bom.

 

A juntarem-se ao Sr. Monteiro no presente álbum estão o pianista João Paulo Santos e o violoncelista Miguel Rocha. Juntos, eles fazem música muito, muito boa.

O programa começa com o Trio para Piano, Violino e Violoncelo em Sol menor, Op. 3 do compositor francês Ernest Chausson (1855-1899). Ele escreveu a peça no início da sua curta carreira, ainda com vinte e poucos anos e logo após estudar música com Jules Massenet e César Franck. Chausson não produziu uma abundância de música durante sua breve vida – trinta e nove obras publicadas ao todo – mas todas eram imaginativas, originais e encantadoras. Embora seja provavelmente mais conhecido pela Sinfonia em Si bemol, pelo poema sinfónico Viviane e pelo Poème para violino e orquestra, o seu Trio é certamente outra peça a ter em conta. De facto, é considerado por muitos ouvintes como uma das melhores obras de câmara de pequena escala de Chausson.

O Trio abre com uma introdução lírica e suavemente rítmica antes de passar para um tema mais animado. Os três músicos mantém aqui uma forte química, o violino assumindo a liderança, com o acompanhamento de piano e violoncelo alternando e entrelaçando em variações cíclicas ou padrões de espirais. Os intérpretes são uniformemente vibrantes na sua interpretação, com o violino de Monteiro sendo um esteio impressionantemente sólido por toda parte. O segundo andamento também começa suavemente, então pega numa cabeça de vapor alegre enquanto os instrumentos se perseguem um ao outro ao redor da partitura. É tudo muito delicioso, na verdade, e leva ao terceiro andamento lento. Aqui, é o piano que leva a floresta, com o violino e o violoncelo juntando-se então num chamado melancólico. É um interlúdio adorável e poético que lembra a música de alguns conhecidos de Chausson - Massenet, Franck e Fauré em seus tons graciosos e fluidos. Também exibe os talentos de Monteiro, Santos e Rocha e sua capacidade de se fundirem suavemente em um. Em seguida, o Trio termina com um final alegremente animado e divertidamente espontâneo que encerra todo o trabalho em grande estilo, os músicos prontos para receber suas merecidas reverências.

Acompanhando o Trio estão duas peças curtas de um dos contemporâneos de Chausson, o violinista, maestro e compositor belga Eugene Ysaye (1858-1931). Os fãs chamavam Ysaye de “rei do violino” e, de facto, Chausson considerava-o o melhor intérprete que já ouvira da sua obra. No presente álbum temos o Poeme Elegiaque para Violino e Piano, Op. 12 (posteriormente orquestrado, mas aqui feito na sua forma original com Monteiro e Santos) e a –Meditação-Poeme para Violoncelo e Piano, Op. 16, com Rocha e Santos. Ambas são peças doces e agradáveis, a Meditação um pouco mais melancólica que a Elegia, e ambas tocadas com um equilíbrio fino e delicado.

Os produtores Bruno Monteiro e Dirk De Greef e o engenheiro José Fortes gravaram a música na Igreja da Cartuxa, Caxias, Portugal em Setembro de 2021. Como acontece com a maioria das gravações de pequenos ensembles, esta é relativamente próxima, fornecendo detalhes bons e claros. No entanto, há uma leve ressonância da sala para adicionar calor às sessões. Como poderíamos esperar no Trio, o violino é o som dominante, mas não avassalador.

| Colin Clarke
Cinco Estrelas: Um disco cheio de delícias e surpresas, de nuances súbtis, de revelações. Um disco soberbo a todos os níveis

Um acoplamento ideal aqui, dois compositores capazes das alturas da beleza. Gostei muito do disco de Lekeu destes instrumentistas na Fanfare 43:1, em 2019, e esta é uma sequência apta, tanto no repertório quanto no padrão de desempenho.Datado de 1881/2, o Trio em Sol menor de Chausson, Op. 5 inflama com uma intensidade incandescente. É uma alegria ouvi-lo, até pela capacidade de Bruno Monteiro tocar tão afinado. O violoncelista Miguel Rocha é um parceiro eloquente, enquanto a força de João Paulo Santos é transmitir essa intensidade sem nunca recorrer ao virtuosismo (a parte do piano soa terrivelmente difícil). As notas de programa (do próprio Monteiro) tem razão ao mencionar a sombra de Franck sobre esta música, e não apenas em termos de natureza cíclica da peça; e ainda assim Chausson tem sua própria voz mágica. Ouvimos essa voz em forma de canção nos momentos contrastantes do segundo andamento Scherzo. Fascinante ouvir esta performance, tão disciplinada e ao mesmo tempo tão perfeita para o vocabulário de Chausson. João Paulo Santos tem a possibilidade de brilhar nas longas linhas do violoncelo deste andamento, e brilha, entregando legato sem esforço. Como uma música sem palavras para violoncelo e violino, este andamento tem poucos rivais. É notável situar este trabalho: Chausson tinha apenas 26 anos na época, tendo frequentado aulas de Franck e Massenet, e ainda assim pinta em uma tela tão vasta, e Monteiro, Rocha e Santos apreciam cada minuto. Não há nenhuma sensação de pressa no andamento lento “Assez lent”. Em contraste, o final é marcado como “Animé” e certamente viaja com um tom notavelmente gaulês. A acústica levemente seca da gravação permite que os ritmos pontuados realmente saltem, enquanto o tocar de Santos com as declarações mais grandiosas é perfeitamente dimensionado. Verdadeira música de câmara, por completo.

 

Enquanto o acoplamento no excelente desempenho do Trio Wanderer também funciona bem (com o Trio de Ravel, Fanfare 23;4), a mudança para a Bélgica e Eugène Ysaÿe é espetacularmente pensada e oportuna (na medida em que um número significativo de lançamentos de Ysaÿe parece ultimamente, como a incrível "aventura" Ysaÿe de Sherban Lupu com o Concerto em Sol Menor, mais algumas peças curtas - Fanfare 45:3 - além de alguns notáveis concertos ao vivo em Londres). Se houver um florescimento de interesse pela música de Ysaÿe, é definitivamente bem-vindo. O Poème Élégiaque é gloriosamente melodioso, e que prazer é ouvir o registro grave gutural de Monteiro (a corda Sol está afinada em Fá nesta peça, e todo o registro grave soa incrivelmente intenso e pungente, de modo que quando Ysaÿe se move para o meio ou registro alto, literalmente parece que é outro instrumento a responder). A peça flui sem esforço, e enquanto o violino domina (e Monteiro é tão preciso e expressivo quanto no Trio de Chausson), não se deve perder as sutilezas que Santos traz para a parte do piano. À medida que a peça se move, avançamos para o território diabolicamente difícil que se associa naturalmente a Ysaÿe, e Monteiro está absolutamente à altura de qualquer desafio, seja em termos de registo ou de paragem. Para uma peça com tal título, esta obra é extraordinariamente abrangente emocionalmente, e Monteiro e Santos abraçam o mundo do compositor com suprema segurança. Na Hyperion, Alina Ibragimova e Cédric Tiberghien oferecem uma excelente alternativa (juntando-a com as Sonatas para Violino de Franck e Vierne e o Nocturne de Lili Boulanger), e não há dúvida da suprema qualidade de gravação da Hyperion; mas Monteiro tem uma intensidade particular que é constrangedora. Foi esta mesma peça que inspirou Chausson a escrever seu próprio, agora muito mais famoso, Poème para violino e orquestra, op. 25.

A Méditation-Poème que se segue é um pouco mais complicada, e Rocha é magnífico, tocando com a maior dignidade e sofisticação, enquanto Santos aprecia as suas oportunidades no centro das atenções aqui. A forma como Ysaÿe nos devolve a um lugar de tranquilidade é tão hábil, e com Monteiro e Rocha no comando, o ouvinte encontra um lugar de ruminação profunda, levemente perfumada. Rocha toca com o vibrato certo, expressivo sem exagerar no pudim; as delicadas escalas ascendentes próximas ao fecho também são soberbamente negociadas.

Um disco cheio de delícias e surpresas, de nuances súbtis, de revelações. Definitivamente um para a shortlist dos Discos do Ano. Um disco soberbo em todos os níveis.

| Robert Hugill
Finamente poético: O Trio com Piano de juventude de Ernest Chausson ao lado de obras do seu contemporâneo, Eugene Ysaÿe 
****

(…) O Trio de Chausson usa um tema cíclico à maneira do seu amigo e professor, Franck. Isto é iniciado sobre uma figura no piano balançando no início do primeiro andamento. Este andamento é substancial (mais de dez minutos), mas começa de uma maneira notavelmente elegíaca antes de se tornar mais rápido e turbulento. Como muito mais tarde no século XIX compor para trio com piano, a obra requer manuseio sensível no piano e isso Santos faz muito bem. Por toda parte, há a sensação de dar e receber entre os três e o piano nunca parece acabado. Ajuda que tanto Monteiro quanto Rocha sejam capazes de trazer os seus próprios momentos de paixão de uma maneira elegante, mas cada um também pode ser discreto. Esta é uma performance que se move entre a simpatia silenciosa e a paixão intensa. O andamento lento tem uma transparência adorável na abertura, com uma introdução que parece bem pensativa antes de entrarmos na animada secção principal. Aqui o humor irónico e os elementos poéticos distanciam-nos um pouco de Franck. Para o início do andamento lento, o piano tem um longo solo, reiterando o tema cíclico e à medida que os outros instrumentos se juntam há uma poesia silenciosamente intensa que lembra Fauré, embora a estrutura seja mais Franck. Um exemplo da síntese que Chausson trouxe para a sua música. Com o final, encerramos a estrutura cíclica com um andamento de grande escala que tem uma energia alegre ao seu ímpeto rítmico.

 

Ao longo da performance, apreciei o dar e receber solidário entre os músicos e o sentido de poesia que eles trazem para a música. Apesar de ser uma obra romântica de grande escala, os momentos febris são mantidos sob controlo e podemos desfrutar da poesia que encontramos nas obras menores de Chausson.

O Poeme Elegiaque de Ysaÿe é outra peça de grande escala, um andamento único com duração de quase 15 minutos. Ysaÿe inspirou-se em Romeu e Julieta de Shakespeare e musicalmente em Wagner, mas também em Chausson, Franck e Fauré. A obra vive muito num mundo semelhante ao Chausson. A corda Sol do violino é afinada até Fá, dando um som um pouco mais rouco e mais escuro à peça. Temos um violino poético e fluido sobre um piano pulsante. Esta é uma rapsódia muito livre, e enquanto o piano de Santos é maravilhosamente sensível, o foco está no violino de Monteiro. Há momentos em que a peça parece quase romper os limites, como se Ysaÿe realmente quisesse escrever uma obra para violino e orquestra.

O sentido de rapsódia livre de Ysaÿe também aparece no seu Poema-Mediação, e aqui ele enfatiza as coisas mostrando as mudanças de métrica por meio de um único número escrito acima da partitura, em vez de assinaturas de tempo convencionais. Começa com um estilo poético sombrio e assombroso, uma verdadeira meditação poética. E mesmo quando as coisas aquecem, Rocha e Santos mantem essa sensação de rapsódia livre ao lado da meditação poética.

(…) Gostei imenso deste disco, os três instrumentistas conquistam todos os desafios da escrita instrumental sem sequer fazer uma refeição. Ao longo do tempo, os três permanecem sensíveis à poesia das peças, e o trio em particular tem uma adorável troca íntima entre os três instrumentistas.

| Remy Franck
*****

"Ernest Chausson falhou no Prix de Rome em Maio de 1881. Em Julho foi para a Suíça com a sua família, onde compôs o seu trio com piano. Foi dito que a composição foi uma espécie de acto de desafio em resposta à sua derrota no Prix de Rome.
Esta suposição é plenamente confirmada na interpretação apaixonada e altamente emocional do trio português. O primeiro andamento soa verdadeiramente desafiador e agitado. O Scherzo é muito bem diferenciado pelos três músicos, e soa como se questionasse um pouco do que foi dito no primeiro. Lirismo e vitalidade estão aqui perfeitamente equilibrados.
O próprio Chausson descreveu o Andante como “sonhador”. O professor de Chausson, César Franck, achou o andamento muito extenso, mas Chausson estava confiante o suficiente para não o mudar muito. O quão certo isto foi é mostrado nesta interpretação, que alterna entre melancolia, tristeza, confiança tranquila e efervescência poderosa. No andamento final, também, Monteiro, Rocha e Santos tocam com muita intensidade e contraste, ora vital, ora sensual, mostrando-nos um Chausson mais combativo.
O Poème élégiaque para violino e piano de Ysaÿe é dedicado a Gabriel Fauré. A interpretação da obra rapsódico-romântica é tecnicamente brilhante, e o Duo Monteiro-Santos equilibra paixão e ternura com muita sensibilidade. Nas partes tranquilas, a sua interpretação é tocantemente interiorizada e poética.
A Meditação-Poème também é tocada com grande retórica e tensão. O som do violoncelo de Rocha é absolutamente sedutor, o seu fraseado é pura alegria.
E assim este é um CD tocado por músicos dedicados com excelência técnica e, sobretudo, profundidade e expressão, com uma vasta gama de timbres sonoros, um infalível sentido de nuance e uma inventividade incansável.
O técnico de som José Fortes produziu um som muito natural e perfeitamente equilibrado.”
| Aart van der Wal
(…) O que estas performances demonstram é a grande precisão técnica do ensemble, aliada a uma visão impressionante das características tão diferentes destas três obras. Desperta, assim, a sugestão inconfundível de um som idiomático que inspira e - como poderia ser de outra forma - convida à escuta repetida. Os tempos são bem escolhidos, a execução é alternadamente enérgica e sensual e os contrastes não são exagerados (certamente no Piano Trio de Chausson a tentação é grande!) Tanto Monteiro como Rocha mostram que mesmo com um tom leve os contrastes dinâmicos entram neles próprios. Convida. Também a atmosfera melancólica na Méditation-Poème é atingida. A colaboração entre estes três músicos portugueses é, numa palavra, exemplar.

A gravação feita por José Fortes também faz muito sucesso: o equilíbrio é excelente (sempre difícil em trio com piano), numa mistura perfeitamente dosada de clareza e sonoridade. Parabéns também pelo facto de que tanto o afinador de piano quanto a pessoa que ajudou o pianista a virar a partitura são claramente mencionados. Eu não vejo isso com frequência!

| Stephen Smoliar
(…) Como diz a página web da Etcetera, “este Trio é o primeiro de quatro grandes obras de câmara que Chausson nos deixou”. Ele começou a trabalhar nele no Verão de 1881, depois de saber que a composição que havia apresentado para o Prix de Rome não conquistou nenhum nível dos prémios concedidos.” Para ser justo, uma visita à Amazon.com revelará que não faltam diferentes gravações deste trio. No entanto, tanto quanto posso dizer, esta gravação foi o meu “primeiro contacto” com o Opus 3.

O Trio é seguido por duas composições de Eugène Ysaÿe. O Opus 12 “Poème élégiaque” foi composto para violino e piano. Segue-se o Opus 16 “Méditation”, originalmente composto para violoncelo e orquestra e apresentado neste álbum com violoncelo e piano. Ambas as peças têm mais de dez minutos de duração, tornando-as um pouco longas demais para selecções de encores. No entanto, para aqueles de nós que conhecem Ysaÿe principalmente (se não inteiramente) pelo seu conjunto Opus 27 das seis sonatas para violino solo, estas faixas proporcionam duas jornadas de descoberta altamente envolventes. Elas distinguem este álbum de qualquer uma das gravações anteriores do trio Chausson e valem o valor de um encontro com Ysaÿe de um ponto de vista diferente.

| Jerry Dubins
Cinco Estrelas: Música e performances do mais alto nível

(…) Isto é uma forma de tocar para a qual não existem superlativos para descrever. Se não eleva Chausson ao nível de um dos maiores compositores românticos franceses e o seu Trio com Piano a uma das maiores obras do género de qualquer época e de qualquer nacionalidade, não conheço nenhum poder na Terra que pode exceder o que estes três artistas-músicos indescritivelmente magníficos fizeram aqui para conseguir isto. Está tocando de forma tão bonita, tão sensível, tão em contato com essa música que nenhuma palavra pode explicá-la adequadamente ou fazer a justiça. Só posso dizer, ouça e contemple um milagre. (…).

Bruno Monteiro mostra um belíssimo timbre e destreza técnica na peça para violino, e Miguel Rocha investe na peça para violoncelo com muita cor e caráter, mantendo o equilíbrio nas passagens mais difíceis da partitura.

O pianista João Paulo Santos, que toca em todas as três obras do disco, exibe um trabalho de dedos impressionante e é um parceiro de música de câmara muito ágil e sensível tanto no Trio quanto nas duas peças de Ysaÿe.

Às vezes misteriosa, outras vezes mágica, mas sempre milagrosa, esta performance de Chausson irá transportá-lo para lugares onde nunca esteve e de onde nunca mais vai querer voltar. Merece a mais urgente recomendação.

| Robert Matthew-Walker
*****

Um mais interessante e valioso lançamento. A obra principal é a Sonata de Ravel (a única conhecida até alguns anos atrás), o que, no entanto, não é verdadeiramente uma das suas melhores obras, embora dificilmente pudesse ter sido composta por mais alguém. No entanto, não ofusca totalmente as restantes peças, nomeadamente a Sonata de Freitas Branco (1890-1955). A obra em si data de 1907, quando o compositor ainda era um adolescente muito promissor. É notavelmente avançada para a época – uma espécie de mistura de Ives e Bartók precoce, fermentada com sensualidade ibérica – e um “achado” muito valioso para quem procura um repertório fora do comum – e que não insulta o ouvinte. Certamente não é totalmente ofuscada pelas obras dos dois compositores famosos com que está acoplada neste CD muito bem tocado e gravado. Bruno Monteiro é um artista admirável, um violinista verdadeiramente óptimo, e é soberbamente acompanhado aqui por João Paulo Santos. As notas de programa e a apresentação do livreto são imaculadas: este disco é fortemente recomendado.
| María del Ser
O violinista Bruno Monteiro e o pianista João Paulo Santos mostram o seu compromisso com a música do seu país através da Sonata para violino e piano nº. 1 (1908) do também português Luís de Freitas Branco, formado em Berlim e Paris e em cujo catálogo encontramos ainda quatro Sinfonias e um Concerto para Violino. De clara afinidade francesa, foi escrita aos dezassete anos, durante sua fase de estudante, e provocou reacções mistas por ser considerada moderna, além de ser comparada à do seu admirado Cesar Franck. Segue-se a sobriedade elegante da Sonata n. 2 de Maurice Ravel (1927), a sua última obra de câmara, dedicada a Hélène Jourdan-Morhange e estreada por George Enescu e o próprio compositor ao piano. Em linha com uma evocação poética contínua, esta gravação termina com a Sonata n. 2 “Fantasia”, do brasileiro Heitor Villa-Lobos (1914), publicada em 1993. Como aponta o violinista no texto introdutório que acompanha este disco e no qual se dirige aos ouvintes, é a obra de maior riqueza das quatro que compôs (o última delas, desapareceu). No seu conjunto, representa uma agradável experiência de audição composta por uma escolha de obras e uma abordagem que pode ser assumida como um programa para um recital de violino e piano, em que a grande variedade de nuances e cores e os amplos contornos melódicos permitem aos intérpretes transmitirem o seu gosto pelo repertório escolhido.
| Jacques Bounnaure
*** (*)

(...) A qualidade do timbre do violino, a intensidade vibrante do lirismo e a qualidade do diálogo com João Paulo Santos dão relevo às sonatas.
| Frank Hougee
BRANCO, RAVEL, VILLA-LOBOS Violin Sonatas Bruno Monteiro (violino), João Paulo Santos (piano) Et'cetera Records. 70'

CLASSIFICAÇÃO: 10/10

A pintura expressionista Frau, eine Blumenschale tragend do pintor alemão August Nlacke (1887-1914) na capa é uma excelente ilustração do conteúdo colorido, fresco, poderoso e surpreendente deste CD. Sonatas para violino subpostas do português Luís de Freitas Branco (1890-1955) e do brasileiro Heitor Villa-Lobos (1887-1959) ladeiam a famosa Sonata para violino do francês Maurice Ravel (1875-1937).A primeira sonata para violino de Freitas Branco depende muito da escola francesa, os seus compassos de abertura e forma cíclica lembram até mesmo a de César Franck. No entanto, a obra logo se desdobra em uma peça original cheia de optimismo, paixão, lirismo poético e temperamento. Essas características também se aplicam à Segunda Sonata para Violino de Villa-Lobos, que de suas quatro sonatas para violino provavelmente se encaixa melhor neste programa equilibrado. O violino confiante de Bruno Monteiro está carregado de energia, mudando um som firme e feroz com cadência suave. Às vezes ele ousadamente articula algo contra as notas, o que soa absolutamente doentio aos meus ouvidos, mas é uma expressão de liberdade absoluta, espontaneidade e entrega à música. João Paulo Santos acompanha com uma assinatura igualmente pessoal, completamente igual, refinada e tecnicamente sublime. É claro que tanto a música portuguesa como as outras obras funcionam - como diz no booklet “já se apresentaram muitas vezes em concertos”: trata-se de uma maneira de tocar perfeitamente equilibrada ao mais alto nível. A técnica de gravação mantém violino e piano num equilíbrio exemplar num amplo espectro dinâmico. Esta magistral mistura luso-francesa-brasileira é boa de mais.

| João Marcos Coelho
CD DA SEMANA

Descobrindo a sonata de Freitas Branco

Ao lado das sonatas para violino e piano de Ravel e Villa-Lobos"

Aos 45 anos, o violinista português Bruno Monteiro vem desenvolvendo uma intensa carreira no universo camerístico. Ao lado do pianista João Paulo Santos, forma um duo plenamente amadurecido ao longo de 20 anos de existência e muitas gravações.

O que os caracteriza é a inquietação, sempre em busca de novos repertórios ou então obras que permaneceram encobertas pelo tempo e hoje pouco ou nunca frequentam salas de concertos ou estúdios de gravação. Assim, por exemplo, dedicaram um álbum ao compositor checo Erwin Schulhoff, que morreu em 1942 num campo de concentração, durante a Segunda Guerra Mundial. Outro foi dedicado às peças para esta formação de Igor Stravinsky. Em “20th century expressions”, eles interpretam peças de Szymanowski, Bloch e Korngold.

O duo acaba de lançar um álbum pelo selo Etcetera com três sonatas para violino e piano, em que a mais conhecida é a de Maurice Ravel. Mas as atenções acabam deslocando-se naturalmente para as sonatas assinadas por Villa-Lobos (sua sonata Fantasia, no. 2) e a do compositor português Luis de Freitas Branco.

Branco nasceu em 1890 e morreu em 1955, portanto foi contemporâneo de Villa e Ravel. No texto que assina no encarte do CD desta semana, Monteiro considera “estranho” o fato de as sonatas de Villa e Freitas Branco serem “ainda pouco conhecidas do público melómano, pois refletem o inegável talento de dois compositores maiores, um português e o outro brasileiro, que foram, no seu tempo, mestres da sua arte”.

Nas degustações, portanto, vou me concentrar na sonata de Freitas Branco. Ele a compôs aos 17 anos, em 1908 e ainda estudava no Conservatório Nacional de Lisboa. A sonata ganhou primeiro prêmio de composição em concurso na capital portuguesa e provocou, segundo Monteiro, “polêmica”. E explica: “A sonata em si, em relação ao que era feito em Portugal na altura, constituiu uma verdadeira revolução, pois apresenta tendências construtivas e de linguagem formal pouco comuns”.

Monteiro vai aos detalhes: a originalidade estava no uso de “liberdades modulatórias, dissonâncias que estavam longe de pacíficas aos ouvidos dos mais conservadores intelectuais da altura

| Maria Augusta Gonçalves
(…) Não espanta por isso a sua escolha para o álbum que coincide com 20 anos de parceria dos dois músicos, uma das mais cúmplices e bem-sucedidas neste período, num trabalho de conjunto de excelência que já deu origem a incontáveis recitais e perto de dezena e meia de magníficos discos, todos eles arriscando obras menos presentes no repertório, de compositores mais e menos interpretados (…)

Bruno Monteiro e João Paulo Santos honram, do primeiro ao último instante, cada uma das obras escolhidas. E depois de tantos e diferentes universos abordados ao longo de 20 anos, não podem restar dúvidas de que ambos, em conjunto, entre si, são intérpretes de eleição do repertório para violino e piano.

O texto de Bruno Monteiro que acompanha a edição em disco constitui um precioso apoio à audição.

Na gravação deste álbum, destaque-se ainda o trabalho do engenheiro de som José Fortes.

A edição é da Etcetera, fundada na década de 1970 e, desde o início, uma das mais exigentes discográficas, na construção do seu catálogo.

| Ana Rocha
*****

Com um vasto repertório de Bach a Corigliano e mais de uma dezena de gravações, o violinista Bruno Monteiro (Porto, 1977) acaba de lançar um novo álbum, ocasião em que explora um trio de sonatas de Luís de Freitas Branco, Ravel e Heitor Villa-Lobos. Acompanhado pelo pianista João Paulo Santos num programa interpretado de forma torrencial e com muita panache, Monteiro inicia o empreendimento com a primeira sonata composta por Freitas Branco aos 17 anos de idade. Em recitais e gravações, Monteiro e Santos são cúmplices de longa data e o seu entendimento foi ganhando asas, sendo notório o labor de concertação entre os dois solistas. Muito precoce e durante uma adolescência fecunda em termos de criação, já Freitas Branco tinha escrito canções, a sinfonia dramática "Manfred" e o poema sinfónico "Antero de Quental". Por se libertar de padrões tradicionais, a sua primeira sonata não foi apreciada pelos ouvidos mais conservadores e académicos da época, sendo tentador pensar como o seu espírito inovador importunou um ambiente de muita letargia que quase poderia ser aquele abrangido pela expressão mais tarde criada por Fernando Pessoa para caracterizar uma "Oligarquia das Bestas". Os estudiosos e os ouvintes atentos escutam nesta admirável obra de juventude "uma adição constante de elementos novos que contribuem para uma música infinita, não-repetitiva, em perpétuo devir". Muitos matizes e profundidade expressiva na interpretação das segundas sonatas de Ravel e Villa-Lobos, o músico brasileiro que também enfrentou a indiferença, em 1914, para com a sua peça considerada em Paris como desprovida de novidades explosivas. "Mulher com Vaso de Flores" é a reprodução de uma pintura de August Macke escolhida para a capa desta bela gravação, apta a satisfazer os mais exigentes 'gourmets´ de música de câmara.
| Ben Taffijn
Por aqui já passaram o violinista Bruno Monteiro e o pianista João Paulo Santos, com um CD dedicado às obras para violino e piano de Igor Strawinsky. Lançaram recentemente um novo álbum com o simples mas eficaz título 'Violin Sonatas' A dupla gravou a primeira sonata de De Freitas Branco, a segunda de Ravel e Villa-Lobos.

No encarte que acompanha o CD, Monteiro surpreende-se com a obscuridade das sonatas de De Freitas Branco, um dos mais importantes compositores portugueses, e as do brasileiro Villa-Lobos, mais conhecido, mas não graças a estas sonatas. Aquela sonata de Freitas Branco, por exemplo, não só ganhou um prémio importante, como causou grande comoção em 1908, quando ele tinha apenas dezassete anos. E, de facto, é uma peça transversal que vai contra as convenções de uma sonata para violino e soa notavelmente moderna, certamente antes de 1908. Particularmente especiais são as partes dois e quatro, claramente inspiradas na música folclórica, o agradavelmente alegre 'Allegretto gicosso' e o animado mas atmosférico 'Allegro con fuoco'.

Villa-Lobos escreveu quatro sonatas para violino, das quais apenas as três primeiras estão disponíveis. A segunda que a dupla toca aqui e que o compositor escreveu em 1914 é considerada a mais colorida. Só esse começo, o 'Allegro vivace scherzando', em que ouvimos claramente os ritmos brasileiros, já faz valer a pena esta sonata. O terceiro andamento, 'Molto animato e final', também é especial, principalmente pela parte do violino. O uso de outros movimentos musicais além da música artística tornou-se mais do que o habitual naqueles anos e também podemos encontrá-los na sonata para violino de Ravel concluída em 1927, uma peça muito mais famosa do que as outras duas deste álbum. A segunda parte não se chama 'Blues (Moderato) ‘ à toa e os dois músicos tocam-na com a tristeza necessária e uma boa dose de melancolia.

Monteiro e Santos têm claramente uma afinidade com estas três peças, tocam-nas regularmente em recitais e isso ouve-se claramente. Além disso, os dois acumularam já muitas horas de voo juntos. A interacção apaixonada e suave resulta num belo álbum.

| Philip R Buttal
Música apaixonantemente divertida e original, apresentada com amor em uma leitura poderosa e bem-sucedida de ambos os artistas.

Em junho de 2016, recenseei um atraente CD de Trios para Piano Portugueses, com obras de Costa, Carneyro e Azevedo. Desde então, não tive mais relações com o popular destino de férias situado na costa atlântica da Península Ibérica – bem, excepto pelo ocasional copo de seu mundialmente famoso vinho fortificado.

Este novo lançamento pela editora holandesa/belga ETCETERA de três Sonatas para Violino, apresentou-me agora a outro conterrâneo, o compositor Luís de Freitas Branco, bem como aos dois instrumentistas portugueses que atuam no CD. O violinista Bruno Monteiro tem sido aclamado como um dos principais violinistas do seu país, e seu extenso repertório inclui a grande maioria das Sonatas para Violino do Barroco ao século XX. Frequentemente é acompanhado pelo pianista João Paulo Santos, e é esta parceria que ouvimos no presente CD.

‍Com toda a habilidade artística de um recém-nascido, raramente, ou nunca, comento a capa de um CD, excepto quando o texto parece difícil de ler porque não há contraste suficiente com a cor de fundo. Mas certamente não é o caso aqui, onde a imagem da capa, do pintor alemão August Macke (1887-1914), realmente se destaca da multidão, com a predominância de um verde chamativo. A única pequena incongruência aqui, no entanto, parece ser que, enquanto Macke era um expressionista, a música no CD se inclina decididamente mais na direcção do impressionismo.

O próprio Monteiro escreveu as notas da capa, e elas fornecem uma visão interessante e informativa sobre os compositores aqui gravados e suas obras. Ele começa por dizer que ele e Paulo Santos tocaram as três Sonatas para Violino deste CD muitas vezes em concerto, e classifica as três muito bem, apesar de as duas de Branco e Villa-Lobos respectivamente, ainda serem pouco conhecidas pelos amantes da música em geral. Embora claramente interessado nestes dois compositores – o antigo português e o segundo brasileiro – Monteiro manifesta a esperança de que as “interpretações aqui apresentadas contribuam para uma maior apreciação destas obras”.

Luís de Freitas Branco nasceu em Lisboa numa família aristocrata que durante séculos manteve laços estreitos com a família real portuguesa. Teve uma educação cosmopolita, aprendendo piano e violino ainda criança, e começou a compor em idade precoce. Os seus estudos levaram-no a Berlim e Paris, onde trabalhou com Engelbert Humperdinck entre outros compositores. Mais tarde, regressou a Portugal e tornou-se professor de composição no Conservatório de Música de Lisboa, em 1916, e onde se tornou um dos principais responsáveis pela reestruturação do ensino musical no país. Durante a década de 1930 encontrou cada vez mais dificuldades políticas com as autoridades e foi finalmente forçado a aposentar-se das suas funções oficiais em 1939.

Continuou, no entanto, a compor e a prosseguir a sua investigação sobre a música antiga portuguesa.

Compôs a sua Sonata n.º 1 para Violino e Piano em 1908, quando, aos dezassete anos, era aluno do Conservatório Nacional de Lisboa. Não só ganhou o primeiro prémio num concurso de composição realizado na cidade, como também gerou boas críticas, pois seu conteúdo era considerado quase revolucionário na época, quando comparado com as obras de tom mais conservador de seus contemporâneos. Como nos informa Monteiro, essa recepção foi ainda mais exacerbada pelas comparações feitas entre a primeira sonata de Branco e a obra de César Franck para a mesma combinação, surgida alguns anos antes, em 1886. A sonata de Franck fez uso significativo da forma cíclica – onde um tema ou motivo ocorre em mais de um andamento como dispositivo unificador, com ou sem qualquer tipo de metamorfose temática. Mas de novo não havia nada de sinistro em partilhar a mesma técnica composicional, pois Branco, na altura, era muito próximo de Désiré Pâque, compositor, organista e académico belga que viveu alguns anos em Lisboa, e de quem Branco recebeu aulas e conselhos.

A sonata está em quatro andamentos, e certamente há mais do que uma semelhança passageira entre sua abertura Andantino e o movimento correspondente da sonata de Franck. Achei que o violino parecia especialmente próximo ao microfone, embora isso dificilmente tivesse qualquer efeito prejudicial no som em geral e, é claro, amplificou fisicamente a opinião de Monteiro sobre a natureza já apaixonada da escrita. O final é bastante mágico, já que o andamento chega ao seu fim abafado em um acorde de Ré maior do piano sustentando um lá delicadamente sustentado no violino.

O segundo andamento certamente faz jus à sua marcação Allegretto giocoso, pois é tão cheio de diversão e bom humor por toda parte. A leitura revigorante de Monteiro e Santos vale definitivamente para a jugular, por assim dizer, e o desempenho espirituoso que carrega tudo junta com ele, um pouco como um rio de fluxo rápido - um scherzo-equivalente de dois em um compasso altamente agradável em forma ternária, que termina com um verdadeiro brio.

‍Em termos harmónicos, há quase algo 'tristanesco' nos acordes de piano no início do Adagio molto, mas isso é de curta duração e leva a uma melodia calorosamente romântica ouvida primeiro no violino, sobre um acompanhamento tipo arpejo de o piano, que mais tarde tem seu próprio momento quase impressionista para brilhar um pouco, antes de permitir que o violino conclua o movimento em calma reflexão. Mais uma vez, sinto que, embora a captação aparente do violino tenha, é claro, capturado todas as nuances e subtilezas do toque, às vezes ser muito "perto e pessoal" nem sempre é o melhor ponto de vista. De facto, desde então tenho ouvido outros exemplos de gravações em duo do Senhor Monteiro, onde a execução soou um pouco mais calma no registo mais agudo. No entanto, ainda é um andamento adorável e o coração emocional da sonata como um todo.

‍Bruno Monteiro descreve o final como “o mais complexo e variado em termos de material temático”. Marcado Allegro con fuoco, há ‘fogo’ mais do que suficiente na performance aqui, de sua abertura resoluta, mas eminentemente inquieta. Branco exige mais dos seus músicos, pois a escrita é visivelmente mais virtuosa para ambos os protagonistas, mas igualmente mais apaixonada, pois revisita temas dos movimentos anteriores. Ele retorna à abertura do final, a partir da qual ele cria um final impressionante, praticamente garantido para colocar o público em pé logo após o floreio final.

A sonata do meio do CD – a Sonata nº 2 em sol maior de Ravel – será, sem dúvida, a mais conhecida, mesmo entre os não-violinistas, e os dados biográficos do compositor já estão bem documentados em outros lugares. Basta dizer, no entanto, que o seu período de gestação foi bastante longo, pois foi esboçado pela primeira vez em 1922, mas só começou a ser montada no ano seguinte, até sua conclusão em 1927. A sua primeira apresentação foi dada pelo colega compositor George Enescu no violino e Maurice Ravel no piano.

Como Monteiro diz no comentário, o primeiro movimento (Allegretto) tem uma sensação bastante pastoral, especialmente a linha melismática do piano com a qual abre. Ao contrário das texturas exuberantes do Branco, a escrita de Ravel é muito mais esparsa, mas isso permite ao compositor comparar e contrastar os timbres individuais dos dois instrumentos para um efeito um pouco maior. Estranhamente, porém, enquanto Branco e Monteiro são compatriotas, ainda que o estilo de escrita do primeiro não seja abertamente português como tal, para mim Monteiro aparece de forma mais convincente na tessitura do Ravel até agora.

O andamento seguinte – Blues (Moderato) – tenta imitar os sons característicos do banjo e do saxofone, e também há um pouco mais de dissonância na escrita, embora isso consiga apimentar esse tipo essencialmente 'cake-walk' do andamento. Escusado será dizer que ambos os interpretes enfrentam o desafio aqui da forma mais eficaz.

‍O finale – Perpetuum mobile (Allegro) – é o andamento mais curto, mas um verdadeiro tour de force que Monteiro e Santos claramente gostam de tocar, e que é muito comunicado na performance. Ambos os instrumentos compartilham um maior virtuosismo aqui, e é concebido como um 'duo', não 'duelo', ainda seria justo dizer que o violino tende a emergir como o 'vencedor' geral.

Heitor Villa-Lobos iniciou sua formação musical com seu pai, e rapidamente aprendeu a tocar violão, violoncelo e clarinete. Após a morte de seu pai, Villa-Lobos ganhou a vida para si e sua família tocando em cinemas e teatros no Rio de Janeiro. Embora ele quisesse estudar medicina, o seu amor pela música e pela educação eram desiguais, preferindo passar tempo com músicos de rua locais, onde ele pudesse se familiarizar e tocar o maior número possível de instrumentos musicais. Entre os dezoito e vinte e cinco anos, viajou pelo Brasil e por várias nações afro-caribenhas, assimilando todos os estilos musicais indígenas que encontrou, o que o ajudou a produzir sua primeira composição, seu Piano Trio No 1 em 1911.

Após retornar ao Rio em 1912, Villa-Lobos tentou brevemente retomar seus estudos anteriores, mas o seu amor e paixão pela música logo mudaram seus pensamentos sobre retomar qualquer tipo de educação formal. Nos dez anos seguintes, ele passou a maior parte de seu tempo como violoncelista e compositor freelancer, até que finalmente ganhou aceitação internacional em 1919, quando compôs sua Terceira Sinfonia (A Guerra), que foi apoiada principalmente pelo governo.

Entre 1923 e 1930, Villa-Lobos tornou-se o centro de atracção do mundo musical de Paris, onde, com generoso financiamento e inúmeras encomendas, entregou-se à paixão pela composição, apesar de sua saúde debilitada. Por fim, ele retornou ao Brasil e na década de 1930 envolveu-se totalmente na expansão do ensino público de música, viajando por todo o país, oferecendo os seus serviços como mentor/consultor. Em 1944 visitou os Estados Unidos para orquestrar muitas de suas obras, antes de retornar ao Rio no ano seguinte, onde co-fundou a Academia Brasileira de Música, onde permaneceu até à sua morte em 1959.

O CD termina com a Sonata nº 2 de Villa-Lobos, também chamada Fantasia, cujo manuscrito data de Setembro de 1914. Acredita-se que a estreia tenha ocorrido no final de Novembro, e certamente foi tocada durante a primeira estada parisiense do compositor em Outubro, 1923, e onde foi recebido com alguma indiferença. O Courrier Musical et Théâtral descreveu-o na época como 'nem brilhante, nem má', o que sem dúvida levou o compositor a fazer algumas alterações e adicionar material ao final, a versão alterada acabou sendo publicada em 1933, juntamente com a Terceira Sonata.

A obra abre com um emocionante e enérgico Allegro vivace scherzando, embora você possa ser perdoado por pensar que há algo errado com o disco, quando tudo o que você pode ouvir é o piano. De facto, Villa-Lobos atribui o primeiro tema apenas ao piano, e o violino não aparece antes de decorrido um minuto. Os ritmos sincopados e a linguagem harmónica da abertura confirmam em muito as raízes brasileiras do compositor e, segundo Monteiro, a obra é uma das mais nacionalistas da produção de Villa-Lobos. O lirismo certamente não é ignorado, porém, e combina com uma boa dose de virtuosismo de ambos os músicos, para fazer deste um dos andamentos mais envolventes do CD até agora, e em nenhum lugar mais do que aqui na sua Coda em tonalidade maior.

O andamento lento que se segue – Adagio non troppo, depois Moderato – é a segunda faixa mais longa do CD e, como no exemplo anterior de Branco, novamente fornece a peça central emocional da Sonata de Villa-Lobos. Como Monteiro diz com tanta propriedade, consiste em uma sucessão interminável de melodias, excepto por um episódio curto e agitado na seção intermediária. Ele continua dizendo que, sem dúvida, é muito 'francês' na sua harmonia e estrutura, o que é uma clara referência aos seus frequentes acenos em direcção ao impressionismo musical, cujos dois protagonistas – Debussy e Ravel – ambos saudados da França. Aqui Monteiro está muito no seu 'sweet-spot', onde o seu som quente e encorpado às vezes quase sugere uma riqueza de violoncelo, e onde o uso do portamento é particularmente apropriado.

O finale abre com uma melodia curta e um tanto banal do piano, mas o violino logo assume o controle e, juntos, os dois músicos trabalham até um clímax temporário antes de chegar a uma seção mais calma no meio do andamento. O virtuosismo e a paixão então retornam, enquanto as melodias são passadas atarefadamente entre os dois instrumentos, em tal abundância que o ouvinte mal consegue acompanhar. Uma vez à vista a passarela, por assim dizer, a música constrói-se, com a ajuda do stretto bem cronometrado do compositor, (aceleração), que culmina num arrebatador final, cuja aproximação ambos os músicos mediram com absoluta precisão, e definitivamente dado o seu absoluto no processo.

‍Sem contar este novo lançamento do Duo Monteiro/Santos, contei apenas dois Cas que oferecem a Sonata Branco. Um tanto previsível, a Sonata de Ravel sai-se bem melhor, com mais de trinta e cinco gravações diferentes disponíveis, enquanto as gravações de Villa-Lobos são cerca de quatro vezes mais abundantes que as de Branco. Dado que as outras duas versões da Sonata nº 2 de Branco estão em Cas exclusivamente dedicados à música de câmara do compositor, como também é o caso da Sonata nº 2 de Villa-Lobos, este novo selo de lançamento certamente poderia ser uma alternativa viável para ouvintes especificamente atentos seja pelo Branco ou pelo Villa-Lobos, ou talvez até pelos dois – e você ainda ganha o Ravel como bónus.

‍Resumindo, as obras do CD pareciam-se dividir convenientemente em três. Com base na própria música – e sou um romântico confesso – devo dizer que gostei mais do Branco. Em termos de desempenho real em si, estou mais atraído pelo Ravel. Quanto ao Villa-Lobos, sinto fortemente que este abrange o melhor dos dois mundos, por assim dizer - musical apaixonadamente divertido e original, apresentado com amor em uma leitura poderosa e bem-sucedida de ambos os intérpretes. Além da minha leve preocupação com a microfonação, no início da minha análise, a gravação em geral capturou a atractividade da música, bem como a qualidade e a verve da execução, e é um produto de boa aparência esteticamente.

O violinista Bruno Monteiro e o pianista João Paulo Santos surgem como uma “dupla” empática e habilidosa – dois artistas, mas mais importante, dois bons amigos simplesmente fazendo música juntos – certamente o que a música de câmara deveria ser.

| Rick Andreson
Este programa do violinista Bruno Monteiro e do pianista João Paulo Santos reúne duas obras pouco conhecidas do Romantismo do virar do século de um compositor português e de um brasileiro, juntamente com uma obra mais familiar do mesmo período de Ravel. A sonata de Branco gerou alguma controvérsia quando foi publicada em 1908; o compositor tinha apenas 17 anos na altura, mas a peça ganhou o primeiro prémio num concurso nacional apesar de desconcertar muitos no meio musical português com a sua visão harmónica progressista e estrutura ímpar. A segunda sonata para violino de Villa-Lobos é menos desafiadora do ponto de vista estilístico, mas certamente uma peça virtuosa, enquanto a segunda sonata de Ravel serve como uma espécie de limpeza de paladar calmante entre eles. Monteiro e Santos tocam com empatia e paixão.
| Martin Blaumeiser
7/10

Bruno Monteiro (n. 1977) é hoje um dos principais violinistas portugueses. Foi bolseiro da Fundação Gulbenkian na Manhattan School of Music, mais tarde com Shmuel Ashkenasi em Chicago, e teve master classes com Yehudi Menuhin, entre outros. Há muito tempo se apresenta ao lado do pianista e maestro João Paulo Santos, aluno de Aldo Ciccolini. Em particular, a sua gravação completa da música de Stravinsky para violino e piano recebeu recentemente os maiores elogios internacionais.

Quando falamos da sonata para violino Ravel, sempre nos referimos à sua segunda, que foi escrita entre 1923 e 1927 e rapidamente se tornou mundialmente famosa e popular por causa do blues no meio movimento. Os portugueses conseguem dar um desempenho técnico e musicalmente sólido (…) o blues é absolutamente fascinante; e aqui também é permitido a Monteiro saborear os seus portamenti de forma estilisticamente adequada (…)

O brasileiro Heitor Villa-Lobos (1887-1959) escreveu quatro sonatas para violino, a última das quais provavelmente perdida. A segunda, Sonata fantasia (1914), consiste em três andamentos completos e é uma das primeiras composições em que Villa-Lobos incorporou elementos da música folclórica indígena (?). O destaque é o segundo andamento variado e sincero, que pega em humores impressionistas. A interpretação de Monteiro e Santos da obra, particularmente elaborada e compensadora em termos de ambientação pianística, revela-se altamente envolvida emocionalmente; o grande arco permanece cheio de tensão (…)”

Gravações comparativas: [Freitas Branco]: Alessio Bidoli, Bruno Canino (Sony, UPC: 194399959923, 2021); [Villa Lobos]: Emmanuele Baldini, Pablo Rossi (Naxos 8.574310, 2020).

| Núria Serra
O violinista português Bruno Monteiro apresenta-nos o compositor e crítico musical lisboeta Luís de Freitas Branco (1890-1955), figura de destaque na cultura portuguesa do século XX. De forma alguma o seu estilo eclético, tonal, politonal e atonal o torna menos interessante. Algumas de suas obras mostram tanto a inspiração do romantismo tardio quanto do impressionismo.

O virtuoso pianista João Paulo Santos acompanha Monteiro num repertório que inclui três sonatas magistrais para violino e piano, repertório que os dois músicos têm apresentado em vários concertos.Nascido numa família aristocrata, Freitas Branco compôs a Sonata nº. 1 para violino e piano em 1908, quando tinha apenas dezassete anos. A peça é escrita em quatro andamentos cíclicos, com temas dissonantes indo e vindo entre os quatro andamentos.

Por outro lado, Maurice Ravel estreou a Sonata no. 2 para violino e piano em sol maior em 1927 - com ele no piano e George Enescu como solista - e dedicou-o à sua amiga íntima, a violinista Hélène Jourdan-Morhange, que infelizmente não pôde estrear a peça devido a problemas de saúde. Nesta sonata, a parte do piano é o centro das atenções - Ravel queria individualizar os dois instrumentos - e Santos se expressa com sons muito peneirados. A linguagem de Monteiro é cativante, respeitando as evocações do compositor francês.

Do compositor brasileiro Heitor Villa-Lobos, os dois artistas portugueses interpretam a Sonata no. 2 para violino e piano, chamada Fantasia, composta em 1914. Vale destacar sua abrangência expressiva, os ritmos sincopados brasileiros e a construção técnica, que preserva a liberdade estrutural da fantasia. A sofisticação harmónica acompanha as melodias incomparáveis com que Monteiro nos move através de uma voz pura de sons claros; uma estética suave que contrasta com o impressionante stretto do último andamento.

| Lluís Trullén
Monteiro e Santos, dois artistas portugueses ao serviço de Ravel, Villa-Lobos e De Freitas Branco

O violinista português Bruno Monteiro e o pianista João Paulo Santos são os intérpretes desta gravação feita em Lisboa no final de Dezembro de 2021 e que apresenta um repertório com música de Luis Freitas Branco, Maurice Ravel e o compositor brasileiro de Excelência Heitor Villa- Lobos.

Luís de Freitas Branco (1890-1955), contemporâneo de Villa-Lobos a tempo inteiro, escreveu a sua primeira sonata para violino aos dezassete anos, quando era aluno do Conservatório Nacional de Lisboa. Um jovem artista que apresenta uma obra em que os intervalos de sétima e nona, dissonâncias e modulações livres acompanham melodias ricas em nuances líricas. Bruno Monteiro e João Paulo Santos são dois extraordinários interlocutores desta partitura escrita em quatro andamentos e que responde no “Andantino inicial” a uma estrutura de sonata bitematica com um segundo tema de carácter modulador e que oferece uma vasta gama de cores pelos artistas. Um "Scherzo" muito colorido dá lugar a uma melodia apaixonada do terceiro andamento - muito rica em cromatismos que Monteiro capta na perfeição - para abrir as portas ao último último andamento, agitado, vigoroso, apaixonado e virtuoso.

Se interpretativamente não há senão uma obra que raramente pode ser ouvida nas nossas latitudes, na Sonata n. 2 de Ravel a versão destaca-se pelo seu carácter sugestivo, já pela forma como expressam o tema pastoral como a personalidade que Monteiro imprime nos staccati do segundo tema. O segundo andamento leva-nos aos ares do blues, com um piano que cumpre com sucesso o seu papel de instrumento rítmico e de percussão, e o virtuosismo do terceiro andamento, um perpetuum mobile com grandes arpejos, testa o virtuosismo de ambos os instrumentistas.

Como conclusão do programa, a Sonata no. 2 de Villa-Lobos, uma verdadeira fantasia estruturada em três andamentos cheios de imaginação e habilidade de escrita. O primeiro radiante, com síncopes e ritmos opostos, confronta um segundo tema lírico lindamente exposto por Monteiro. Em câmara lenta, ricas em harmonias que emergem deliciosamente do piano, acariciam melodias extremamente líricas e expressivas. A cor reaparece com todo o seu caráter na dança final, um andamento em que ambos os intérpretes exibem todo o ritmo e coesão musical já evidenciados em todas as obras.

| John J. Puccio
Comecemos por relembrar os participantes, Bruno Monteiro, violino, e João Paulo Santos, piano. De acordo com a sua biografia, Monteiro é "decrito pelo jornal Publico como um dos principais violinistas de Portugal" e pelo semanário Expresso como "um dos mais conceituados músicos portugueses da actualidade". Ele é reconhecido internacionalmente como um eminente violinista, a quem a Fanfare descreve como tendo um “som dourado polido” e Strad diz ter “um vibrato generoso” produzindo cores radiantes. Olhando inequivocamente para o futuro” e que alcança um “equilíbrio quase ideal entre o expressivo e o intelectual”. A Gramophone elogia sua “segurança e eloquência infalíveis” e a Strings Magazine observa que ele é “um jovem músico de câmara de sensibilidade extraordinária”.

O acompanhante de Monteiro, o pianista João Paulo Santos, é diplomado pelo Conservatório Nacional de Lisboa, concluindo os seus estudos de piano em Paris com Aldo Ciccolini. Nos últimos quarenta anos trabalhou na Ópera de Lisboa, primeiro como Maestro Chefe do Coro e mais recentemente como Director de Estudos Musicais e Cénicos. Ele também se destacou como maestro de ópera, pianista de concerto e pesquisador. Juntos, Monteiro e Santos formam um duo excepcional e fazem uma música excelente.

No presente álbum, oferecem três sonatas para violino e piano. A primeira, de Luis De Freitas Branco (1890-1955), talvez o menos conhecido dos compositores representados no programa. De Freitas foi um compositor, professor e musicólogo português que teve um papel importante na evolução da música portuguesa na primeira metade do século XX. Entre as suas obras mais importantes estão quatro sinfonias, um concerto para violino e inúmeras peças mais curtas, incluindo a selecção que temos aqui, a Sonata nº 1 para violino e piano, escrita em 1908, quando o compositor tinha apenas dezassete anos e estudante do conservatório em Lisboa. Ele criou um pouco de agitação no meio musical por causa das suas tendências um tanto revolucionárias (ou seja, modernas). Digamos que sua forma cíclica e dissonâncias ocasionais não fossem tão agradáveis aos ouvidos quanto a maioria de seus predecessores românticos.

O andamento inicial é um Andantino, um pouco mais rápido que um Andante, que por si só pode ser bastante lento. Seja como for, o Andantino é o que mais se aproxima da sonata de uma veia puramente romântica, pelo menos na forma como Monteiro e Santos o tocam. É doce e lírico e demonstra amplamente o estilo sensível de ambos os músicos. O segundo movimento ilumina as coisas consideravelmente: uma brincadeira leve e divertida. O compositor marca o terceiro movimento Adagio molto, muito lento, e os dois instrumentistas dão-lhe um grau extra de delicadeza. É muito bonito, arrebatador, na verdade. No final, um Allegro con fuoco, as coisas tomam um rumo decididamente moderno, embora Monteiro e Santos modulam os conflitos para mantê-lo em sintonia com o sabor meloso dos andamentos anteriores.

Em seguida, temos a Sonata nº 2 para violino e piano em sol maior, concluída em 1927 pelo compositor francês Maurice Ravel (1875-1937). Monteiro e Santos consideram-na importante porque duas das sonatas de Bela Bartok a influenciaram e porque foi a última obra de câmara que Ravel escreveria. Quando estreou, apresentava George Enescu no violino e o próprio Ravel no piano. Soa típico Ravel, cheio de impressionismo sonhador, que Monteiro está especialmente interessado em comunicar. No entanto, o violinista nunca deixa que se torne desmaiado ou sentimental. O segundo andamento é intitulado “Blues”, obviamente modelado após as expressões idiomáticas do jazz americano que se tornaram tão populares na época. Monteiro e Santos conseguem com segurança fácil. Parece haver pouco além de seu alcance. O terceiro e último movimento é um “Perpetuum mobile”, um allegro que encerra os procedimentos em uma espécie de turbilhão. Mais uma vez, os músicos são perfeitos ao lidar com o clima e o sabor da peça.

A selecção final é a Sonata nº 2 para Violino e Piano Fantasia do compositor brasileiro Heitor Villa-Lobos (1887-1959). Aparentemente teve uma recepção morna nas suas primeiras apresentações, mas ganhou apoio entusiástico alguns anos depois, após algumas revisões e sua publicação em 1933. Como grande parte da música de Villa-Lobos, é rica, vibrante e encantadora por toda parte, e Monteiro e Santos dão-lhe o devido toque. A forma de tocar deles é espirituosa, mas refinada, vivaz, sensível, e sempre colorida. Esta peça encerra mais um álbum encantador de um par de músicos talentosos.

Os produtores Bruno Monteiro e Dirk De Greef e o engenheiro José gravaram a música na Sala de Concertos do ISEG, Lisboa, Portugal em Dezembro de 2021. Não se podia pedir melhor som. Tanto o violino quanto o piano estão tão realistas quanto estar na sala com eles. Definição nítida, clareza excepcional, mas suave e natural, o som é de primeira classe em todos os aspectos.

| Aart van der Wal
Pode-se inferir das performances neste CD que os dois músicos já executaram estas três sonatas para violino e piano no palco de concerto muitas vezes antes? Não me atrevo a dizer assim, mas o que sei com certeza depois de ouvir é que ambos estão completamente sintonizados um com o outro e que – além da técnica fabulosa – a liberdade interpretativa que demonstram incendeia essa música. E entendendo que nem o conteúdo nem a forma dessas sonatas, cada uma obra-prima em si, serão afectadas por isso. Isso pode ser chamado de uma conquista de primeira ordem.

Curiosamente, estas três peças maravilhosas recebem pouca ou nenhuma atenção no mundo da música cotidiana, porque apenas a Sonata para Violino de Ravel está regularmente na programação de muitos duos. No que me diz respeito, essa imagem sombria pode ser estendida sem reservas à discografia, porque também nesse domínio a colheita é decididamente escassa. Será que o ditado 'desconhecido torna não amado' é verdade? O que se desconhece não é para ser amado em nenhum caso, mas o fato de as sonatas para violino do português Luís de Freitas Branco (190-1955) e do brasileiro Heitor Villa-Lobos (1887-1959) serem peças de repertório 'normais' está fora de questão para mim, então aproveite a oportunidade com este novo álbum!

O violinista Bruno Monteiro prima por sons apaixonados e ricamente variados, num discurso em que dominam linhas estritamente claras, que são por ele desdobradas alternadamente com energia, suavidade e lirismo. O seu domínio técnico é perfeito, o panorama extremamente evocativo. As frases soam espontâneas, a natureza intuitiva de sua execução traz uma multicolorida encantadora, além de aventura. Em suma, estamos lidando aqui com um violinista de topo.

Mas há muito mais para desfrutar, porque a execução extremamente sensível de Monteiro pode ser encontrada também no seu parceiro musical, o pianista João Paulo Santos, que combina poesia, temperamento e finesse com a mesma naturalidade e fluidez e, como Monteiro, garante um verdadeiro carimbo pessoal nesta música. Ele não associa o cantabile tocando com fondant, o som também mantém seu caráter conciso nas passagens líricas, enquanto nos fortes o som permanece nobre, cheio de muitas nuances e combinações de cores particularmente bem trabalhadas. Assim, a sua abordagem a estas partituras é tão idiomática quanto a de Monteiro e seu sentido de estrutura também garante direcção e propósito.

O facto de os dois músicos portugueses se dedicarem de todo o coração à música do seu compatriota Luís de Freitas Branco é, por si só, muito louvável. Nesse sentido, podemos aprender muito com tal engajamento, que é musicalmente tão convincente que coloca a obra deste compositor no sol mais bonito e quente que se possa imaginar. Músicos holandeses até falham irremediavelmente quando se trata de sua conexão com compositores holandeses; e certamente não é desde ontem. E então eu nem penso inicialmente em compositores de um 'ano' bastante recente, como Peter Schat, Jan van Vlijmen, Kees van Baaren, Rudolf Escher ou Hans Henkemans, mas ainda um pouco mais distante como Matthijs Vermeulen, Willem Pijper e Hendrik Andriessen. Não só ela, fuga estreita - excepto isso. Felizmente - completamente inesperada - também há boas notícias a dar: o lançamento de obras para piano de Louis Andriessen, Leo Smit, Willem Pijper, Jan Wisse, Hans Henkemans, Theo Loevendie e Joey Roukens pela dupla de piano Lucas e Arthur está prevista para o final deste mês.

Monteiro também deu a excelente explicação e José Fortes assinou uma gravação que não revela nenhum detalhe, mas também prima pela sonoridade. No que me diz respeito, o técnico de piano Fernando Rosado também pode compartilhar plenamente dessa alegria absoluta do som.

| Veerle Deknopper
ROMÂNTICO COM CORDAS, TESTADO PARA LATINOS, APAIXONADAMENTE COMBINADO

Cada músico tem as suas peças favoritas, peças que não devem faltar em nenhum concerto e com as quais está indissociavelmente ligado. Assim é com o violinista Bruno Monteiro e o pianista João Paulo Santos. Seria, portanto, uma pena não capturar esta história pessoal em uma bela gravação. As suas próprias raízes são centrais para este conceito. É a música com a qual se ancora no chão para conquistar o mundo simultaneamente.

Compositores mais famosos como Luis de Freitas Branco e Heitor Villa-Lobos estão ligados a Maurice Ravel, que muitas vezes se inspirou no som latino da sua geração.

 

Sharp

Freitas Branco (1890-1955) tinha apenas dezassete anos e estudava no Conservatório de Lisboa quando escreveu a sua primeira sonata para piano e violino. A nova linguagem musical que a peça difundiu atraiu de imediato o grande público, até rapidamente ganhou prémios. É uma obra cíclica em quatro partes, como lhe apresentou César Franck. Provavelmente entrou em contacto com a música de Franck graças ao compositor belga Désiré Pâque, que o ensinou em Lisboa. É uma obra com arestas ásperas, cantos e recantos scherzo afiados e passagens melódicas apaixonantes.

 

O expressivo

Ravel (1875-1937) levou muito mais tempo para compor sua segunda sonata para violino e piano. Os primeiros contornos foram desenhados em 1922, não sendo considerada concluída pelo compositor até 1927. Dedicou-o à sua boa amiga Hélène Jourdan-Morhange, que não compareceu à estreia devido a problemas de saúde. Os artistas eram o próprio Ravel no piano e George Enescu no violino. Diz-se que para esta sonata em sol maior, Ravel encontrou os mosteds com Bartók, pelo seu típico caráter expressivo. É uma peça que tem um efeito construtivo. Pequenas nuances e staccatos garantem que se mova cada vez mais para um terceiro movimento pronunciado. Segue-se então um belo movimento conciliatório, doce e caloroso.

 

O apaixonado

Villa-Lobos, compositor brasileiro por excelência, escreveu nada menos que quatro sonatas para os dois instrumentos preferidos de nossos intérpretes. No entanto, a última sonata foi perdida. A segunda, a Fantasia,seria a mais rica das quatro – composta em três partes. É por isso que ela se encaixa melhor no espírito deste álbum. A obra foi escrita no início de 1914 e deveria estrear no mesmo outono. A recepção do público em geral não foi imediatamente convincente, mas também não desaprovou. Villa-Lobos fez alguns ajustes e republicou a obra em 1933, juntamente com sua terceira sonata. O resultado é cheio de vida e tradições. Ritmos latinos e lirismo irão impressioná-lo imediatamente, juntamente com algumas referências ao romantismo francês. A linguagem da paixão com toques na linguagem do amor. A apoteose fala por si, com um grande stretto.

Este álbum é perfeito para a época do ano. Os primeiros raios de sol enchem os nossos corações, queremo-nos mexer e sentir borboletas. Gostaríamos de compartilhar esse sentimento também. E o que poderia ser melhor do que a música certa na hora certa.

| Remy Franck
Imagens emocionantes de Bruno Monteiro

****

Luis de Freitas Branco (1890-1955) estudou em Berlim e Paris, entre outros com Paqué e Humperdinck. Ele é mais conhecido pelas gravações orquestrais que Alvaro Cassuto dirigiu para a Naxos.

Tal como nas suas sinfonias, o compositor português também mostra afinidade com a música francesa na sua música de câmara. Como o Scherzo Fantastique, a sua primeira sonata, ambas compostas aos dezassete anos, lembra César Franck, que admirava. Mas o violinista Bruno Monteiro destaca a independência de Freitas Branco.Ele encontra muita paixão na sonata, mais dançante também (por exemplo, no 2º andamento fortemente acentuado), e toca toda a composição com muita intensidade lírica.

Também na sonata para violino de Ravel, Monteiro e o seu parceiro altamente confiável mostram-se intérpretes imaginativos.

Villa-Lobos compôs a sua Sonata para Violino nº 2 em 1914, e apresenta uma parte de piano muito elaborada que João Paulo Santos toca com excelente retórica. Bruno Monteiro toca com grande requinte e eloquência fina. A sua técnica está à altura dos muitos desafios e a sua maneira de tocar soa livre e espontânea.

| Stephen Smoliar
Monteiro aventura-se em repertório menos familiar

De acordo com meus registos, acompanho as gravações feitas pelo violinista Bruno Monteiro e pelo pianista João Paulo Santos desde que escrevi sobre o álbum da Brilliant Classics com a música completa para violino e piano composta por Karol Szymanowski em abril de 2015. Desde então Monteiro tem-me levado a domínios do repertório sobre os quais eu sabia pouco ou nada. O seu último álbum, lançado pela Etcetera Records, equivale a um “sanduíche” de “carne familiar” cercado por duas “fatias” do desconhecido.

Este é o segundo álbum que ele gravou para a Etcetera Records depois de se mudar da Brilliant Classics. Como observei quando escrevi sobre o seu primeiro lançamento na Etcetera com a música para violino e piano de Igor Stravinsky, isso é um pouco desvantajoso para os interessados nas gravações de Monteiro. De acordo com o Google, estes álbuns estão disponíveis na Web apenas através do site Etcetera. Felizmente, uma página da Etcetera na Web existe para comprar o último álbum de Monteiro aparece numa pesquisa no Google. No entanto, a Etcetera está sediada na Bélgica, o que significa que o pagamento é em euros; e, dado que as condições de pandemia ainda prevalecem, não está claro o quão eficiente será a entrega.

Isto é lamentável, já que o álbum é uma deliciosa jornada de descoberta. A “carne familiar” da “sanduíche” é a segunda sonata para violino de Maurice Ravel na tonalidade de sol maior, uma composição que continua a receber muito menos atenção do que merece. Segue-se outra “segunda sonata”, esta composta por Heitor Villa-Lobos em 1914. (O compositor na verdade chamou a essa composição de “sonate-fantaisie”). Do compositor Luís de Freitas Branco, a primeira das suas duas sonatas para violino, composta em 1907.

A sonata de Villa-Lobos provavelmente será uma viagem de descoberta tanto quanto a sonata de Freitas Branco. Casara-se recentemente com a pianista Lucília Guimarães; e, como ele próprio não aprendeu a tocar piano, provavelmente foi influenciado tanto pela sua técnica quanto pelo seu estilo. Dito isto, é improvável que a música lembre a maioria dos ouvintes das obras mais familiares do catálogo de Villa-Lobos, tornando a composição uma jornada envolvente de descoberta.

A sonata Freitas Branco, por outro lado, é mais difícil de classificar. Estudou música em Berlim e Paris; e o seu professor mais conhecido (pelo menos de acordo com sua página da Wikipedia) foi Engelbert Humperdinck. O meu primeiro encontro com os primeiros compassos dessa música fez-me pensar se ele conhecia a sonata para violino em lá maior de César Frank. No entanto, Freitas Branco traça definitivamente o seu próprio caminho respeitando o enquadramento geral de uma sonata a quarto andamentos; e a performance de Monteiro deixou-me curioso sobre que outras peças estão à espreita no catálogo deste compositor português.

| Jan de Kruijff
Luís Maria da Costa de Freitas Branco (1890 – 1955) foi um dos mais hábeis e influentes compositores portugueses do século XX. Na sua Sonata para Violino nº 2 de 1928 ele mostra fortes influências neoclássicas, mas também muito cadenciadas e não é à toa que o seu actual compatriota faz um apelo caloroso por ele aqui e mostra que estamos lidando com uma música muito animada em que o melhor momento é no andantino. Meia-noite será anunciada na final. Também não falta melancolia.

A Sonata para Violino em Sol de Ravel de 1928 recebe a intensidade necessária neste som enérgico, mas os efeitos paródicos do movimento lento não escapam à atenção dos dois, e o mesmo se aplica ao pizzicati. Isso dá à música alguma emoção.

A Sonata Fantasia nº 2 de Villa-Lobos é uma obra muito original e pessoal, mas relativamente desconhecida do brasileiro de 1914.

Este acabou por ser um recital interessante com aquelas sonatas que raramente ou nunca se ouvem nos palcos aqui, mas que agora podemos desfrutar plenamente em CD graças às interpretações muito bem acabadas e espontâneas de Bruno Monteiro e João Paulo Santos.

| Robert Hugill
O violinista português Bruno Monteiro reúne três grandes sonatas para violino do início do século XX, cada uma Romântico-tardia, cada uma diferente em estilo mas criando um recital altamente satisfatório

‍****

Este disco de dois músicos portugueses, o violinista Bruno Monteiro e o pianista João Paulo Santos pela editora Etcetera, apresenta três grandes sonatas para violino da primeira metade do século XX, do compositor português Luís de Freitas Branco, do compositor brasileiro Heitor Villa-Lobos e o compositor francês Maurice Ravel. Uma sonata quase desconhecida, outra não tão conhecida como deveria ser e outra bastante familiar, mas as três fazem um programa altamente satisfatório e trazem elementos interessantes uma da outra.

Nascido em Portugal de família aristocrática, Luís de Freitas Branco foi um dos maiores compositores portugueses do início do século XX e a sua produção inclui quatro sinfonias e um concerto para violino. A sua Sonata nº 1 para Violino e Piano foi escrita em 1908, quando tinha apenas 17 anos e ainda era aluno do Conservatório Nacional. Passou a ganhar um concurso em Lisboa, mas também a gerar alguma polémica em parte pela linguagem harmónica do compositor. Embora soe tipicamente romântico tardio para nós, era significativamente diferente do estilo musical relativamente conservador predominante em Portugal na época.

A obra também gerou comparações com a sonata de Franck em parte porque a obra de Freitas Branco usa as mesmas ideias de forma cíclica que Franck. E ouvindo a obra podem-se ouvir ligações temáticas distantes. No entanto, a abertura Andantino também traz dicas do blues lento na sonata de Ravel. Monteiro toca com uma linda linha adocicada e com um fascinante uso do portamento neste andamento. O alegre scherzo tem um elenco folclórico no seu material, enquanto no lento e pensativo Adagio molto Freitas Branco nos dá algumas harmonias soberbamente ricas. O final longo começa vigorosamente com uma linha de violino altamente cromática, mas à medida que este andamento se desenvolve, recebemos sugestões do material anterior, dando-nos um andamento complexo com uma clara soma da forma cíclica.

A Sonata nº 2 para violino e piano de Maurice Ravel foi sua última obra de câmara. Demorou um pouco, Ravel estava a escrever esporadicamente de 1922 a 1927. Foi escrita para a sua amiga, Hélène Jourdan-Morhange, mas a doença impediu-a de tocá-la e a estreia foi dada por George Enescu com o compositor ao piano.

O primeiro andamento Allegretto é o maior e mais complexo dos três andamentos. Há uma elegância requintada na escrita de Ravel que os dois intérpretes trazem e, para todo o sentimento pastoral geral, há alguns momentos interessantes na música também. O segundo andamento é talvez o mais conhecido, marcado Blues (Moderato); para todas as harmonias de blues e efeitos de banjo, esta ainda é muito a performance de Ravel e Monteiro mantém a música firme na sala de concerto clássica. No final de Perpetuum mobile final, os dois artistas deslumbram, mas também trazem a sensação de que Ravel estava de alguma forma canalizando Stravinsky, mas igualmente podemos ouvir frases tipicamente ravelianas.

Heitor Villa-Lobos escreveu quatro sonatas para violino, embora a última tenha desaparecido. A sua Sonata nº 2 para violino e piano data de 1914 (embora não fosse publicada até 1933). Villa-Lobos chamou-a de Fantasia, embora a sua estrutura de três andamentos seja bastante clássica. Na época, Villa-Lobos ainda não havia visitado Paris, não havia descoberto Stravinsky e ganhava a vida principalmente como violoncelista em orquestras e cafés. Como tal, o seu manuseio da estrutura da sonata é enormemente confiante.

O andamento de abertura começa com uma longa exposição de piano, antes da entrada do violino. Há uma certa influência folclórica no material melódico e nos ritmos que Villa-Lobos utiliza, mas todos contidos num contexto altamente estruturado. Este é um andamento complexo com tensão que se desenvolve no final, surpreendentemente súbito. O andamento lento é mais puramente lírico com Monteiro deliciando-se com a série de belas melodias que Villa-Lobos produz. Para o Finale, o piano novamente assume a liderança e, apesar de toda a natureza de destaque de algumas das composições, fica claro que a sua é uma sonata de duo, e os dois trazem humores altamente variados a este andamento.

Este é um repertório desafiador, Monteiro toca durante toda a gravação com uma linda linha de som doce, mas sem falta de virtuosismo quando necessário. Ele e Paulo Santos claramente adoram este repertório e os dois fazem dele um recital altamente satisfatório.

| Colin Clarke
Cinco Estrelas: uma explosão de alegria, contagiante e espumosa; uma imaginação baseada no jazz da mais alta ordem

Fascinante ter a oportunidade de ouvir uma obra de câmara do compositor português Luís de Freitas Branco (1890-1955) após a recepção calorosa que a Fanfare deu às suas sinfonias na Naxos (Fanfare 32:4, 33:1 e 34:2). O compositor estudou com Englebert Humperdinck em Berlim e Grovlez em Paris. Em 1916, tornou-se Professor do Conservatório de Lisboa, liderando a masterclasse de composição a partir de 1930. Foi um compositor que se envolveu na política, opondo-se à perseguição dos músicos em França e na Alemanha, postura que o levou ao afastamento dos cargos de docente a partir de 1939 a 1947. Irmão do maestro Pedro de Freitas Branco, existem também gravações da música de Luís na editora Portugalsom Strauss com várias orquestras húngaras.

Curiosamente, esta gravação coincide com uma gravação das sonatas para violino completas mais o trio com piano de Freitas Branco na Sony com Alessio Bidoli no violino, Bruno Canino no piano e com Alain Meunier no violoncelo: lançamento previsto para 25 de março, infelizmente não disponível para fins de comparação aqui, mas se acha que gosta da primeira sonata, essa certamente seria a próxima paragem lógica. Existe, no entanto, uma gravação da Naxos das duas primeiras sonatas para violino lançadas em 2011 por Carlos Damas e Anna Tomasilk. A Sonata para Violino n.º 1 foi escrita em 1908 (tendo o compositor na altura apenas 17 anos e estudante no Conservatório Nacional de Lisboa). É uma obra que tem sido, com alguma justificação, comparada à Sonata para Violino de Franck, na medida em que partilha não só o uso da forma cíclica, mas também um cromatismo perfumado, certamente na abertura Andantino.

É bom receber de volta Bruno Monteiro e João Paulo Santos, que tanto impressionaram no disco de Lekeu (Brilliant Classics). Santos mostra plenamente os gestos românticos do primeiro andamento, sem sobrecarregar o seu violinista, ambos os músicos deliciando-se com a sensação de espaço que Freitas Branco cria. O segundo andamento, Allegretto giocoso, é tão giocoso quanto se poderia desejar. Este é um Scherzo (embora em métrica dupla) com uma passagem de ponte simplesmente maravilhosa de volta à seção A1. Há algo quase gaulês na natureza despreocupada da música; e todo o crédito a Monteiro e Santos por manterem esse andamento para garantir o máximo contraste com as longas e altas linhas cantabile do Adagio molto (um lirismo ecoou em passagens contrastantes no final). A obra está soberbamente construída e é ainda mais bem-sucedida graças à actuação poderosa e ponderada de Monteiro e Santos. A performance de Naxos de Dumas e Tomasik é igualmente boa: afectuosa no primeiro andamento (uma boa gravação, capturando o som adorável de Damas), mas talvez não capturando tão bem a vivacidade do Scherzo. As honras são distribuídas uniformemente no final, embora Monteiro e Santos captem consideravelmente melhor o lirismo velado do Adagio molto. Em suma, o presente lançamento vence, mas tenha em mente que o da Naxos também contém a segunda sonata para violino e o prelúdio para violino e piano.

O Ravel obviamente entra num campo muito mais concorrido, já que Monteiro e Santos oferecem uma performance de muita luz e sombra, Monteiro e Santos apresentam bem as texturas nuas do Allegretto de abertura, com algumas contribuições de piano marcadamente características mais tarde no andamento. Raramente os acordes em pizzicato na abertura do “Blues” soam tão bem, e é aqui que, ao girar na linha blues, Monteiro se destaca antes que o “Perpetuum mobile” inicie seu curso inexorável. Um bom desempenho.Por fim, a Sonata nº 2 para Violino e Piano de Villa-Lobos, “Fantasia”. Foi composta em 1914, mas não publicada até 1933. Traz imediatamente a marca do compositor, não apenas dos ritmos brasileiros, mas também em sua sofisticação harmónica. O Adagio non troppo central é um sonho de uma canção sem palavras para violino; o final, “Molto animato e final”, desenrola-se de forma natural e bela.

Se for necessário um disco das três Sonatas para Violino de Villa-Lobos, provavelmente é melhor escolher o da Naxos (Emmanuele Baldini e Pablo Rossi) sobre G. Njagul Tumangelov e Bojdar Noev, mas mesmo aí acho a gravação de Naxos um pouco abafada em re -conhecimento. Mas, afinal, é o programa deste disco da Etcetera que o torna fascinante.

Um programa muito agradável, bem entregue e gravado: todos os compositores recebem interpretações de muito mérito.

| Michel Dutrieue
Igor Stravinsky, Música para Violino e Piano” de Bruno Monteiro (violino) e João Paulo Santos (piano), da editora Etcetera. Grandioso! (CD Recomendado)

Aclamado pelo jornal “Publico” como um dos mais importantes violinistas em Portugal e pelo semanário “Expresso” como um dos mais conceituados músicos portugueses da actualidade, Bruno Monteiro é agora também reconhecido internacionalmente como um dos principais violinistas da sua geração. Possui igualmente uma excelente dupla com João Paulo Santos.

Ao colocar o menos conhecido Igor Stravinsky em destaque, o programa deste CD oferece um excelente serviço ao repertório. O balé “Pulcinella”, orquestrado para uma orquestra de câmara moderna com soprano, tenor e barítono, marcou o início do período neoclássico de Stravinsky. Stravinsky baseou a sua composição em toda a música do século XVIII de Domenico Gallo, Unico Wilhelm van Wassenaer, Carlo Ignazio Monza e Alessandro Parisotti, anteriormente atribuída a Pergolesi. As pontuações foram encontradas por Diaghilev em bibliotecas em Nápoles e Londres.

O balé estreou em maio de 1920 na Ópera de Paris, dirigido por Ernest Ansermet. A dançarina Léonide Massine escreveu o libreto e a coreografia, e Pablo Picasso desenhou os figurinos e cenários. O balé foi encomendado por Sergei Diaghilev. Stravinsky baseou 3 de suas outras obras no seu balé: “Suite d'après des thèmes, fragments et morceaux de Giambattista Pergolesi” para violino e piano (em colaboração com Paul Kochanski) (1925), “Suite italienne” para violoncelo e piano (em colaboração com Gregor Pyatigorski) (1932/1933), e aqui a gravada “Suite italienne” para violino e piano (em colaboração com Samuel Dushkin) (1933). Posteriormente, Jascha Heifetz e Piatigorsky fizeram outro arranjo para violino e violoncelo, que também chamaram de “Suite Italienne”.

O balé “Le Baiser de la fée” (“O Beijo da Fada”) um ato e quatro cenas, foi composto em 1928 e revisto em 1950 para George Balanchine e o New York City Ballet. As 4 cenas são Prólogo, Une fête au village, Au moulin: Pas de deux - Adagio - Variação - Coda - Scène e Épílogo: Berceuse des demeures éternelles. Baseada no conto “Isjomfruen” (“The Ice-Maiden”) de Hans Christian Andersen, a obra foi uma homenagem a Tchaikofsky no 35º aniversário da morte do compositor. Stravinsky desenvolveu várias melodias das primeiras peças para piano e canções de Tchaikovsky na sua partitura. O balé, encomendado por Ida Rubinstein em 1927, foi coreografado por Bronislava Nijinska e estreou em Paris em 1928.

O Divertimento de “Le Baiser de la fée” foi inicialmente uma suite de concerto para orquestra, baseada na música do ballet. Stravinsky editou-o em colaboração com Samuel Dushkin em 1934 e revisou-o em 1949. Em 1932, Samuel Dushkin e o compositor criaram a versão aqui gravada para violino e piano, com o mesmo título. Outra passagem do balé foi arranjada para violino e piano por Dushkin com o título “Balada”. No entanto, este último não recebeu o consentimento do compositor até 1947, após a violinista francesa Jeanne Gautier (1898-1974), esposa de Joaquín Nin (1879-1949), tocar o arranjo. O Duo Concertant para violino e piano é dedicado a Samuel Dushkin. Juntos, eles estrearam-no para a Rádio de Berlim em Outubro de 1932 e gravaram o Duo em Abril de 1933.

Bruno Monteiro deu o seu primeiro recital aos 13 anos e os seus primeiros concertos com orquestra, no Teatro Nacional de São Carlos, em Lisboa, aos 14 anos. Desde então tem feito concertos em todos os grandes centros de Portugal, com um repertório de compositores de Bach a Corigliano, incluindo importantes compositores portugueses. Apresentou-se internacionalmente em Espanha, França, Itália, Holanda, Alemanha, Reino Unido, Áustria, Romênia, Bulgária, Ucrânia, Israel, Dinamarca, Filipinas, Malásia, Coreia do Sul e Estados Unidos. Monteiro já se apresentou em locais de prestígio como o Palácio Cibeles e a Casa de America em Madrid, o Musikverein em Viena, o Centro Cultural de Bucareste, o Bulgaria Hall de Sofia, a Filarmonia Hall de Kiev, o Felicja Blumenthal International Music Festival em Tel Aviv, o Kennedy Center de Washington e o Carnegie Hall de Nova Iorque. Desde 2002 apresenta-se em recital com João Paulo Santos.

A Fanfare Magazine elogia o som de ouro polido de Monteiro, a Strad afirma que seu generoso vibrato produz cores radiantes e a Gramophone Magazine fala de sua certeza e eloquência infalível. Justamente. Junto com seu parceiro, João Paulo Santos, esta é uma edição muito especial das obras de Igor Stravinsky para violino e piano. Além disso, esta nova gravação é a colecção mais autêntica já lançada. É a abordagem inteligente e totalmente musical deste talentoso violinista e do seu admirável parceiro que impressiona.

Tecnicamente impecável, a forma de tocar do violinista é imaginativa e ritmicamente precisa, de modo que as diferentes afinações foram trabalhadas com muita nitidez. A gravação é excelente com a distância certa entre violino e piano. A música de Stravinsky irradia nestas performances de Monteiro e Santos. Certamente há virtuosismo, mas também uma sensação de intimidade e suavidade de som. Devido às performances técnica e expressivamente excelentes e uma boa gravação de som, este lançamento da Etcetera é um CD muito bom e altamente recomendado. Notas informativas do próprio Bruno Monteiro, no folheto que a acompanha, completam esta publicação.

| Ivan Moody
Esta é uma bela passagem pela produção de Stravinsky para violino e piano de dois dos mais ilustres músicos de câmara de Portugal. É particularmente bem-vinda porque evita fogos-de-artifício por si próprios. O virtuosismo está lá, com certeza, mas o que aqui valorizo em particular é uma sensação de intimidade, de suavidade de som, que é tanto mais surpreendente porque foi gravada na Igreja da Cartuxa em Caxias (nos arredores de Lisboa), um espaço pouco intimista.

Há uma sensação de falta de pressa nessas interpretações que nos faz considerá-las sob uma luz diferente. Mesmo nos andamentos mais ostensivamente vivazes, como a Tarantella ou o Scherzo da Suíte italienne, há uma concentração na profundidade do som, ao invés de um interesse apenas em faíscas musicais voando, e o equilíbrio fino entre violino e piano também contribui muito para isso. É preciso, no entanto, apontar alguns destaques técnicos, como os belos harmónicos de Bruno Monteiro na Sinfonia e a luz, o toque fluente no Scherzo do Divertimento a partir do Beijo da Fada ou, por parte de João Paulo Santos, a destreza das notas repetidas em forma de címbalo na 'Cantilène' e a imitação do órgão de barril agitado no 'Eglogue I' do Duo Concertant.

Seguindo um relato lindamente sombreado das Três Peças de O Pássaro de Fogo (em particular o Scherzo cintilante), terminamos com a 'Danse Russe' de Petrushka, que aumenta a tensão inexorável do conto de fadas ao máximo, quase como se retomasse todo o cenário em uma peça. Uma gravação muito boa.

| Robert Matthew-Walker
*****

Este excelente disco é fortemente recomendado. Vários violinistas ao longo dos anos pretendiam gravar a música de Stravinsky para violino e piano, mas quase invariavelmente se atenuaram com "a maior parte", e enquanto um ou dois arranjos (quer de Stravinsky pelos seus colegas próximos - especialmente Samuel Dushkin) pode ser adicionada à colecção, esta nova gravação permanece como a colecção mais completa e autentica que jamais foi produzida. Está esplendidamente gravada; as performances têm aquela combinação especial de intimidade de musical de câmara com virtuosismo, quando necessário, aliado ao carácter mais "público", voltado para o exterior, que desde cedo e relativamente cedo (quase todo este repertório data de c. 1910-35) pelo génio russo implica. É a abordagem inteligente e profundamente musical deste talentoso violinista e do seu admirável parceiro que impressiona. Tecnicamente impecável e interpretativamente adroid, esta é uma das Gravações do Ano, na minha opinião.
| Jordi Caturla González
*** S (Som Extraordinário)

A escassa obra de Stravinsky para violino e piano é o resultado da colaboração do compositor russo com Samuel Dushkin, o violinista polaco para quem escreveu o seu Concerto e protagonista dos arranjos dos balés de Pulcinella (Suíte Italiana) e o Beijo da Fada (Divertimento), bem como a única obra escrita para estes instrumentos, o Duo Concertant. O disco que Monteiro e Santos nos oferecem inclui essas obras, além de outras transcrições de The Firebird e Petrushka. A dupla estende-se e empreende um Divertimento com muita graça e requinte, enquanto no Duo o concertista Monteiro combina o seu toque pungente e adstringente (Cantilene) com o lirismo que extrai da Egloge. As deliciosas miniaturas dos últimos balés citados fecham um conjunto irregular, globalmente corretas. A qualidade do som é excelente.
| Giuseppe Pennisi
Stravinsky suave e sensível 'Os dois instrumentistas são uma dupla excelente: Bruno Monteiro no violino e João Paulo Santos no piano.

Igor Stravinsky foi um compositor prolífico em todos os tipos de géneros musicais, mas a sua música de câmara não é geralmente bem conhecida. A sua produção de música de câmara pertence a dois períodos diferentes da sua vida e carreira. Primeiro, quando ele se mudou para a Suíça durante a Primeira Guerra Mundial e, especialmente após a guerra, quando se transferiu para Biarritz, onde desenvolveu uma colaboração bastante estreita com o violinista Samuel Dushkin (1891-1976). Muitos biógrafos afirmam que é improvável que Stravinsky tivesse escrito um concerto para cordas, não fosse o editor que o apresentou a Samuel Dushkin. Em segundo lugar, quando nos Estados Unidos após a Segunda Guerra Mundial, ele teve um breve encanto com o serialismo e compôs o Septeto experimental em 1953.

Conforme observado pelo musicólogo Richard Whitehouse, a principal razão para o interesse de Stravinsky nessa combinação de violino e piano estava fora de considerações pragmáticas e até comerciais. Embora ainda houvesse comissões no período após a Primeira Guerra Mundial, a necessidade de sustentar a sua família e a inacessibilidade da sua propriedade russa levaram a tornar-se um músico comercial activo. Ele também teve uma carreira secundária como pianista bem remunerado. Dushkin provou ser um colaborador adaptável e voluntário. Ele e Stravinsky trabalharam intensamente no Concerto para Violino, que estreou em Berlim em Outubro de 1931. O sucesso deste trabalho incentivou o compositor a buscar uma parceria de longo prazo, principalmente quando os seus compromissos de concerto como pianista solo eram limitados e as suas aparições orquestrais diminuíam devido à depressão económica. O resultado foi um programa com o qual Stravinsky e Dushkin percorreram a Inglaterra e a França em 1934, a América em 1935 e outros países até à emigração do compositor para os Estados Unidos em 1939.

Este CD abrange quase todas as obras para violino e piano que escreveu durante sua colaboração com Dushkin, a saber, Suíte Italienne para violino e piano, Divertimento para violino e piano The Fairy's Kiss, Duo Concertant para violino e piano, Three Pieces para violino e piano de Firebird e a Danse Russe para violino e piano de Petrushka. Portanto, não é uma antologia ou uma selecção, mas uma gravação completa de um período muito especial da vida artística de Stravinsky.

Naquele tempo, ele estava em transição do que geralmente é chamado de período russo para o que geralmente é chamado de período neoclássico. Nestas obras para violino e piano, o ouvinte cuidadoso pode ouvir influências dos dois períodos. Por exemplo, as três primeiras peças devem muito ao seu interesse e amor por Pergolesi, enquanto as duas últimas composições são cheias de cores e sabores russos, também porque são baseadas em obras do seu período russo anterior.

Os dois instrumentistas são uma dupla excelente: Bruno Monteiro no violino e João Paulo Santos no piano. Ambos são portugueses e têm grandes carreiras internacionais. Santos também é um maestro conhecido e está intimamente associado à Ópera de Lisboa.

Originalmente composta em 1925 e dado o título um tanto fantasioso de Suite d'Après des Thèmes, fragmentos e morceaux de Giambattista Pergolesi, a Suite Italienne abre com uma introdução. O seu equilíbrio melódico e harmonias picantes dão o tom para o que está por vir.

Em seguida, vem uma Serenata. A sua qualidade essencialmente vocal traduz-se naturalmente para o violino, enquanto a enérgica Tarantella apresenta uma interacção notavelmente incisiva entre os dois instrumentos. O coração da Suíte vem com a Gavotte. O seu tema é um elo entre as eras barrocas e moderna.

O Scherzino não dá ênfase significativa ao fraseado e entonação. Os dois andamentos finais desenrolam-se continuamente: o Minuetto constrói desde o seu início casto até um clímax eloquente. O Final parte em um ritmo enérgico e exala humor envolvente a caminho de uma conclusão efervescente.

Como a Suite Italienne, o Duo Concertant é o único outro trabalho original de Stravinsky com a sua parceria com Dushkin. O Cantilene com que abre é notável por uma integração particularmente estreita dos instrumentos, atraindo muito ímpeto do contraste entre suas linhas do violino sem costura e acordes do piano destacados, antes do fecho silencioso, embora incerto.

Seguem-se dois andamentos intitulados Eglogue. O primeiro deles é um estudo de harmonias e ritmos pungentes, enquanto o segundo apresenta frases para o violino suavemente onduladas e respostas pensativas do piano. A Gigue tem a sensação de uma visão oblíqua da medida de dança da Tarantella, com as frequentes mudanças de ênfase rítmica no violino.

Depois disso, o Dithyrambe final sente-se mais discreto na sua interioridade. Por tudo o que atinge o clímax da obra.

As outras peças são arranjos substanciais feitos com Dushkin. O Divertimento é retirado do balé de Tchaikovsky, Le baiser de la fée (O beijo da fada). O Adágio (Pas-de-deux) é encantador.

As três peças para violino e piano de Firebird e a Danse Russe para violino e piano de Petrushka são paráfrases dos dois balés - agradáveis, mas não comparáveis ao original.

Em suma, este é um Stravinsky gentil e terno na sua parceria com Dushkin.

| John J. Puccio
À medida que o tempo passa, as pessoas tendem a esquecer cada vez mais os detalhes da vida de uma celebridade e a lembrarem-se apenas dos destaques. Assim pode ser com Igor Stravinsky, que a maioria das pessoas conhece apenas pelos seus três primeiros balés revolucionários, The Firebird (1910), Petrushka (1911) e The Rite of Spring (1913). Mas o homem viveu muito tempo (1882-1971), viveu na Europa e na América e passou por várias fases musicais na sua vida, desde a vanguarda ao neoclassicismo até os anos finais.

Os itens apresentados no presente álbum são do período neoclássico de Stravinsky, por volta de 1920-1950, aproximadamente. Os números musicais específicos são a Suíte Italienne para violino e piano (1925), o Divertimento para violino e piano The Fairy's Kiss (1932), o Duo Concertant para violino e piano (1932), as três peças para violino e piano do Firebird e a Danse Russe para violino e piano de Petrushka (1933). De fato, de acordo com uma nota de livreto, o programa incluído aqui é o mesmo que o compositor e o violinista Samuel Duskin apresentaram como um único concerto muitas vezes na Europa nos anos 30.

O violinista é Bruno Monteiro, cujo trabalho eu revi antes. Segundo a biografia de Monteiro, o violinista português é considerado pelo diário Publico como" um dos principais violinistas de Portugal "e pelo semanário Expresso como" um dos músicos portugueses com maior visibilidade". Bruno Monteiro é reconhecido internacionalmente como um destacado violinista da sua geração. A Fanfare descreve-o como tendo um "som de ouro polido" e a Strad afirma que o seu "generoso vibrato produz cores radiantes". A MusicWeb International refere-se a interpretações que têm uma 'vitalidade e uma imaginação que estão inequivocamente voltadas para o futuro' e que atingem um 'equilíbrio quase perfeito entre o expressivo e o intelectual'. A Gramophone elogia a sua 'segurança e eloquência infalíveis', e a Strings Magazine conclui que ele é 'um jovem músico de câmara de extraordinária sensibilidade'. "

O colaborador de longa data de Monteiro é o pianista João Paulo Santos, formado no Conservatório Nacional de Lisboa e discípulo em Paris de Aldo Ciccolini. Nos últimos quarenta e poucos anos, Santos trabalhou com o Teatro Nacional de S. Carlos, a Ópera de Lisboa, primeiro como Maestro do Coro e, mais recentemente, como Director de Estudos Musicais e de Cena. Também se destacou como maestro de ópera, pianista de concerto e pesquisador de compositores portugueses menos conhecidos e esquecidos.

Juntos, Monteiro e Santos formam um duo formidável. Agora, quanto à música, se não é um aficionado de Stravinsky, poder-se-á surpreender. Estas selecções estão entre o período neoclássico, como mencionei, começando com a Suíte Italienne. Faz parte da Suíte Pulcinella do compositor, alguns anos antes. Como sempre, Monteiro usa o seu violino como segunda voz, o instrumento cantando radiantemente, e o acompanhamento não afectado de Santos destaca perfeitamente a mensagem lírica do violino.

O restante do programa segue o exemplo. A forma de tocar e a música são elegantes e refinadas, conforme convém ao período. O Divertimento The Fairy's Kiss é geralmente mais leve, mais arejado e mais alegre do que a maioria das outras peças do disco. No entanto, os ritmos da música continuam a impulsioná-la para a frente, e Monteiro aproveita ao máximo os seus contrastes continuamente flutuantes. (Em vários momentos, pensei estar a ouvir o comboio a vapor de Honegger ou o gato valioso de Leroy Anderson.) A música é divertida, e Monteiro e Santos parecem divertir-se com ela. Até o Adagio tem os seus momentos alegres.

O Duo Concertant parece-me a música mais séria da agenda. Além disso, é talvez a mais "moderna" dessas peças neoclássicas nas suas variáveis às vezes estranhas e assustadoras. A música de The Firebird dificilmente precisa de explicação, mas, como é tocada aqui, assume um aspecto mais melancólico do que o habitual. Monteiro, na nota do livreto, chama-as de qualidade "etérea" ou "mágica". Seja como for, é fascinante. A Danse Russe, retirada de Petrushka, que conclui que o programa é enérgica sem ser barulhenta e completa os procedimentos com um belo toque.

O produtor Bruno Monteiro e o engenheiro de som José Fortes gravaram a música na Igreja da Cartuxa, Caxias, Portugal em Novembro de 2019. O som do violino solo é claro e ressonante, bastante realista. O acompanhamento de piano é igualmente bom. Ainda assim, é um dos melhores sons de violino e piano que encontrará em qualquer gravação, então está tudo bem.

| Remy Franck
Música de câmara de Stravinsky tocada com imaginação

*****

O violinista português Bruno Monteiro e o pianista João Paulo Santos recorrem a um repertório pouco tocado, a música de câmara de Igor Stravinsky. E, no entanto, neste programa, também estamos muito próximos da música de balé do compositor.

A Suite Italienne usa principalmente temas do balé Pulcinella, que por sua vez remonta a Pergolesi, assim como Le Baiser de la Fée se refere a Tchaikovsky.

Ao mesmo tempo, as obras fazem referência a Samuel Dushkin, um violinista que encomendara um concerto para violino a Stravinsky, que o compositor relutava em aceitar porque não se sentia realmente à vontade com o género. No entanto, durante o almoço, juntos, os dois chegaram a um acordo. Stravinsky escreveu não apenas o seu Concerto para Violino para Dushkin, mas também o Duo Concertant. E Dushkin ajudou-o na transcrição da música dos balés, porque, após o sucesso do Concerto, Stravinsky queria fazer uma tournée com seu amigo Samuel com música para violino e piano. A tournée consistiu em concertos em Königsberg, Ostrava, Hamburgo, Paris, Budapeste, Milão, Turim, Roma e outras cidades.

Na música de balé transcrita, Bruno Monteiro mostra que a música está realmente longe do original orquestral e provavelmente mais próxima do que Stravinsky pode ter em mente ao compor no piano. A actuação do violinista é imensamente imaginativa e ritmicamente precisa, de modo que o humor é trabalhado com muita clareza. Especialmente quando se trata de ironia ou burlesco, o desempenho é muito característico e picante. O toque nítido e ágil do violinista é uma combinação perfeita para este repertório, assim como sua precisão rítmica torna coerente a sequência de contrastes.

O Duo Concertant é de fato uma sonata de cinco andamentos altamente original, da qual Stravinsky disse que tentou criar "uma obra lírica de condensação musical". No entanto, há muitas interacções nítidas nesta obra-prima, que Monteiro toca expressivamente. Após a performance arrebatadora, Monteiro deixa o lento Dithyrambe florescer intensamente em toda a sua austera beleza.

Com performances tecnicamente e expressivamente extraordinárias e um bom som de gravação, esta produção da Etcetera é altamente recomendável.

| Maria Augusta Gonçalves
Os violinos de Stravinsky

(…) É neste universo que se move o novo disco do violinista Bruno Monteiro e do pianista João Paulo Santos, um universo necessariamente desafiante, pela natureza intrínseca das obras e pelo trabalho conjunto de ambos os músicos, que soma já perto de duas décadas, cerca de uma dúzia de álbuns e um repertório vasto, tão único e diverso, que vai de Schulhoff, Szymanowski, Korngold ou Lopes-Graça, a Schumann, Grieg ou César Franck. (...)

O compositor congrega o impossível: o rigor austero, que impede o intérprete de proceder a qualquer 'jogo' com o tempo, e o lirismo que a própria estrutura do primeiro e do último andamento exigem. Monteiro e Santos são exímios na conjugação dos temperamentos que o compositor parece delimitar, abrindo caminho à compreensão de uma obra exigente, que cresce em dificuldade técnica, sobretudo na Giga, e que termina numa reflexão profunda, que remete para o Concerto para violino.

A Suite Italiana, a partir de "Pulcinella", que abre o percurso, tem diferentes transcrições de Stravinsky e do próprio Dushkin. Monteiro e Santos optam por "erguer" uma versão do violinista, de 1934, juntando-lhe um 'Scherzino', a favor da clareza do discurso e da apreensão da obra, no plano tímbrico e rítmico. Destaque-se, em particular, a Tarantella do terceiro andamento, com os seus efeitos percussivos, em que o piano de Santos e o violino de Monteiro inteligentemente sublinham o idioma exigente, próprio de Stravinsky. (...)

Monteiro e Santos superam igualmente as duras provas das três peças de "O Pássaro de Fogo", num caminho que se faz de introspecção e meditação, até ao Scherzo, onde o virtuosismo, afinal, é ponto de honra.

Por fim, como no 'encore' de um recital, surge a "Dança Russa" de "Petrushka", a sequência que determinou a composição do bailado para Diaghilev, transcrita como demonstração do que violino e piano são capazes, em conjunto, no seu melhor. Os dois intérpretes honram a determinação.

Bruno Monteiro e João Paulo Santos não oferecem só um percurso pelas obras essenciais de Stravinsky para violino e piano. Permitem perceber também como esse caminho se fez de compreensão das capacidades dos instrumentos e de como as transcrições foram essenciais no processo. Na prática, não deixam esquecer como Stravinsky assimilou todos os estilos com que lidou, e construiu uma obra imensa que continua capaz de se superar a si mesma.

| Stephen Barber
Interpretações suaves e delicadas da maioria das obras para violino e piano de Stravinsky

(…) Para todas estas obras, o violinista português Bruno Monteiro traz sua abordagem pensativa e bastante introspectiva, bem apoiada pelo seu compatriota e colega de música de câmara de longa data, João Paulo Santos. Recebem um som acústico de música de câmara que se adapta bem às suas interpretações. (...) O recital de Hyperion de Anthony Marwood com Thomas Adès - aqui mostrando-se um pianista malvado - inclui todas estas obras e uma ou duas outras coisas, mas substitui a Suíte italienne pelo conjunto anterior e mais raro da Pulcinella, que Stravinsky fez para Kochanski. Isso significa que ele transborda para um segundo disco, mas os dois têm o mesmo preço e são embalados como um. No entanto, se preferir esta versão posterior e indiscutivelmente melhor da Pulcinella e tiver prazer em renunciar aos itens extras, esta versão está muito bem.
| Stefan Pieper
Qualidade artística: 10; Som: 9; Geral: 9;

Na música de câmara de Stravinsky para pequenas orquestras, como a sua Suite Italienne ou o seu Divertimento, adoramos o manuseio leve da dicção clássica, o humor explícito de uma perspectiva cosmopolita e moderna. Por mais que Stravinsky desenvolvesse ainda mais as cores da orquestra, ele também gostava de agrupar o material de composição em versões menores - e suas versões raramente ouvidas para violino e piano vêm em grande parte de sua própria caneta.

Brincalhão e com tecnologia incrível

Se quer enfrentar todo o espírito sensual de Stravinsky com um instrumento solo, precisa de manobrabilidade, precisa de dominar uma gama deslumbrante de expressões - o violinista Bruno Monteiro definitivamente não deixa nada a desejar e pode contar com o pianista João Paulo Santos como parceiro soberano!

Corajosos, entusiasmados em tocar e abençoados com uma tecnologia estupenda, ambos mergulham na aventura. Isso consiste em nada menos que agrupar a variedade de cores orquestrais na dupla de violino e piano. Onde ocupações maiores chamam a variedade de cores de todos os instrumentos envolvidos, Bruno Monteiro sozinho evoca uma paleta não menos luminosa de estilos de linha em mudança, acentos dedicados, pressão de mudança nas cordas, flagolets ou o oposto. Às vezes isso parece quase radical, mas sempre serve ao objecto de maneira plausível. O carácter da música pode ser experimentado novamente, mas permanece fiel a si mesmo.

Impressões sonoras em negrito

Com uma linha ampla, Monteiro coloca a introdução à Suite Italienne no canto e também desenvolve estilo e variedade de dança suficiente nos seguintes andamentos. Impressões sonoras ousadas, pesquisando aventuras harmónicas, uma interacção mais sútil de luz e sombra anunciam uma nova era no subsequente Divertimento The Fairy Kiss. Ainda mais expressão e coragem para a dissonância respiram o espírito de um novo presente e futuro incerto no Duo Concertant.

Não é à toa que as três peças da Firebird Suite formam um concentrado igualmente multifacetado. Efeitos de flagolet sem vibrato, impulsos percussivos duros e habilidades motoras repetitivas - tudo isso é o que Monteiro chama de cordas, enquanto as escalas do piano mantém tudo a funcionar como uma máquina de movimento perpétuo. Limpe o palco para o grande final, a "Danse Russe" de Petruschka! Aqui, também, o violino é chato, áspero e nunca suavizado e em discurso suave com seu parceiro no piano. Nesse momento, pode-se pensar que Stravinsky compôs tudo isto apenas para estes dois experientes músicos de câmara de Portugal.

| Ben Taffijn
Na década de 1930, Igor Stravinsky escreveu várias obras para violino e piano, em colaboração com o violinista Samuel Dushkin. Às vezes, era uma peça nova, mas muito mais frequente envolvia adaptações de (partes de) ou peças que Stravinsky havia composto anteriormente para uma formação diferente. O violinista Bruno Monteiro e o pianista João Paulo Santos gravaram recentemente muitas dessas peças para a Et'cetera.

A obra mais antiga é a 'Suite Italienne', de seis andamentos, para a qual Stravinsky usou partes de seu ballet 'Pulcinella'. Em 1925, ele escreveu a primeira versão para o violinista Paul Kochanski; em 1932 a segunda - agora para violoncelo e piano e em 1933 a versão que encontramos neste álbum. A propósito, esta é a versão que é mais tocada. A base da peça está na Commedia dell'arte e na música atribuída a Giovanni Pergolesi há um século. Foi Sergei Djagilev quem pediu uma adaptação a Stravinsky. A música é obviamente dançável, com um aceno para o Renascimento, mas de acordo com a história também há claramente um tom triste. Uma atmosfera que Monteiro e Santos sabem como atingir.

O 'Divertimento', também de 1932, onde Stravinsky se baseou na música de balé para 'Le baiser de la fée' ou em inglês 'The Fairy Kiss' de 1928, combinado com peças do 'Humoresque, opus 10' e ‘Nocturne, opus 19 ', ambos de Pyotr Ilyich Tchaikovsky. Mais forte que a suíte Italienne, em parte porque Stravinsky não estava apegado ao padrão renascentista aqui, esta peça tem um tom claramente dramático. Além disso, o ritmo forte destaca-se, por exemplo, nas 'Danses Suisses'. Stravinsky também adaptou partes para as suas violetas 'L'Oiseau de Feu' e 'Petroesjka' para violino e piano. A mais impressionante é o tranquilo 'Prélude et Ronde des princess', a primeira parte da suíte de três partes em que ele toca. Baseado em L'Oiseau de Feu.Juntamente com Stravinsky, Dushkin também estreou o 'Duo Concertant' em 23 de Outubro de 1932. a única peça nesta série que Stravinsky não se baseou no trabalho existente. Na "Cantilene", os dois instrumentos seguem claramente o seu próprio caminho, para se complementarem lindamente no "Epílogo I". Novamente, um ritmo poderoso, que é um desafio particular para o violinista, que Monteiro sabe exactamente como lidar. Também especial é o 'Gigue', vagamente baseado em Bach.

| João Marcos Coelho
CD da Semana

(…) O violinista Bruno Monteiro e o pianista João Paulo Santos formam um dos mais qualificados duos que Portugal produziu nas últimas décadas. De 2000 para cá, eles têm percorrido o vasto repertório clássico, romântico e moderno.Sua mais recente aventura – que esta neste álbum lançado na Holanda há cerca de dois meses – reproduz o que seria um desses recitais do duo Stravinsky-Dushkin. Se você ouvir a Introdução da Suíte Italiana ficará imediatamente capturado pela beleza e acessibilidade desta música que é puro biscoito fino concebido para as massas.
| Carme Miró
Esta gravação é a crónica do violinista português Bruno Monteiro que, através das partituras de Igor Stravinsky, redescobriu um paraíso sonoro. Acompanhado pelo pianista nascido em Lisboa João Paulo Santos, Monteiro analisa a música do compositor russo com uma selecção de obras para violino e piano. Muitos delas são transcrições dos grandes balés escritos e estreados nas primeiras décadas do século passado. Começando com The Italian Suite, das quais existem três partituras com diferenças significativas, baseadas em temas, fragmentos e peças de Giambattista Pergolesi, datadas de 1925. A suíte contém, com excepção do breve Scherzino, uma transcrição de cinco dos onze andamentos da suíte orquestral extraída de Pulcinella, de 1922. A versão feita neste álbum contém seis andamentos em uma ordem diferente da original, com a adição de um Scherzino. Esta versão ainda é a mais interpretada pela sua variedade de andamentos diferentes, que se destacam pela limpeza da linha melódica. Bruno Monteiro expressa brilhantemente essa pureza estilística enriquecida por um maravilhoso impulso rítmico.

O Beijo da Fada, escrito na primavera de 1932, é uma homenagem a Tchaikovsky. De facto, para este trabalho, Stravinsky compôs o seu Divertimento, tendo como tema o ballet Tchaikovsky's Sleeping Beauty . Nesse sentido, Stravinsky deu o contrário: a suíte orquestral de 1934 (suite do The Fairy's Kiss) é essencialmente uma orquestração do Divertimento. Bruno Monteiro e João Paulo Santos incutem carácter neste trabalho e conferem-lhe um poder quase enigmático. De fato, eles dão grande profundidade ao tão distinto Stravinsky, que nada mais era do que um grande fascínio pela dança.

O Duo Concertante é um trabalho que contrasta com os outros dois pela austeridade com que o compositor constrói os cinco andamentos. Destacamos o Dithyrambe que, como é sabido, era um hino grego antigo cantado e dançado em homenagem a Dionísio. O compositor recria um mundo bucólico de sons muito agradáveis.

A seguir, estão as Três Peças do Firebird, KC 10, que são pequenas miniaturas, transcritas para violino e piano a partir da música do mencionado ballet.

A Danse Russe também é uma peça virtuosa, transcrita em 1933 do ballet Petrushka (1911), com revisões de Dushkin.

Os dois músicos criaram brilhantemente uma performance musical que gera um círculo virtuoso entre orquestração e transcrição.

| Jerry Dubins
Cinco estrelas: Um recital das obras de Stravinsky para violino e piano para saborear

Em pelo menos cinco anteriores ocasiões, tive o prazer de fazer recensão aos lançamentos de Bruno Monteiro e João Paulo Santos. Também não estou sozinho entre os colaboradores da Fanfare por ter recebido um fluxo confiável e constante de álbuns da dupla, apresentando os músicos em repertório quase vertiginoso, variando dos compositores franceses Saint-Saëns, Chausson e Franco-Belga Lekeu; ao compositor português, Fernando Lopes-Graça; ao contingente alemão de Richard Strauss e os Schumanns, Robert e Clara; ao Checo, Erwin Schulhoff e o polaco, Karol Szymanowski.

(…) Qualquer violinista que escolha tocar estas obras, deve provar ser tão capaz de fazê-lo quanto Bruno Monteiro.

(…) As performances de Monteiro e Santos são a maneira de ouvi-las.

| Colin Clarke
Cinco estrelas: A música de Stravinsky brilha eternamente nestas performances muitas vezes reveladoras de Monteiro e Santos

Desempenhos de grande segurança. (…) Os desafios para o violinista, em particular neste arranjo (Suite Italiana), são múltiplos, mas as cordas dobradas são particularmente complicadas. Ao longo de tudo, Monteiro e Santos permanecem fiéis a um aspecto vital desta peça e, de facto, a Stravinsky em geral: ritmo. Monteiro e Santos encontram verdadeira graça na Gavotte e um verdadeiro sentimento de prazer pelas variações. A versão tocada desta peça tem seis andamentos, executados numa ordem diferente da original, e insere um Scherzino em staccato (não aquele da suíte original). O staccato seco de Monteiro é delicioso. O Menuetto vai bem até o final, que aqui é delicadamente divertido. Admito um tenho uma predileção por Kavakos e Péter Nagy na ECM, onde este e o Duo juntam-se com Bach, mas Monteiro e Santos têm uma integridade própria;

(…) O Divertimento, um arranjo de Dushkin em colaboração com o compositor de música do Le baiser de la Fée, recebe uma performance altamente empenhada, honrando totalmente os contrastes que são uma parte vital desta música de Stravinsky devido à sua propensão à justaposição de blocos. Poderíamos enfrentar Mullova, Repin e Judith Ingolfsson (a última das quais com Sonatas de Fauré com Vladimir Stoupel que eu gostei muito, Fanfare 40: 5). O que caracteriza as melhores performances é a sensação de ritmos sólidos, quase nunca apressados; e Monteiro e Santos são os únicos nisso. Eles encontram inteligência e leveza balística nas texturas muitas vezes sobressalentes de Stravinsky. Mas também encontram profundidade nesta peça muito especial. O caminho de Monteiro com o gesto repetido é excepcional, geralmente glacial da maneira objetiva de Stravinsky.

(…) O Duo Concertant nos leva a um mundo muito diferente. Num nível, ouvimos um Stravinsky "mais puro", ainda mais destilado; por outro, ouvimos a clara influência de Bach. O "Dithyramb" final tem uma pureza e profundidade sobrenaturais. A gravação de Wolfgang Schneiderhan com Carl Seeman desta peça tem um sentido real de retidão, mas Monteiro e Santos correspondem com força interpretativa nota por nota.

(…) Quão puro é o registro estratosférico de Monteiro (e quão bela é a contribuição de Santos) no final da "Ronde des princesses".

(…) A "Danse russe" de Petrushka é quase oferecido na forma de um encore. Ambos os músicos lidam com a enorme ascensão ao retorno do tema de abertura de maneira brilhante e, novamente, esse sentido de desconstrução faz maravilhas ao reformular a peça para o ouvinte. E, novamente, esse domínio rítmico de ambos é incrivelmente persuasivo.

(…) A gravação é excelente, lindamente presente e com a distância certa entre violino e piano.

| Michael Wilkinson
Um programa fascinante e altamente agradável 

“Às vezes, parece que o lugar de Stravinsky no panteão dos compositores do século XX caiu desde a sua morte, quase meio século atrás. As apresentações de concertos dos três grandes balés ainda são comuns, assim como algumas das óperas, mas a sua música de câmara parece ter um lugar menos seguro no repertório. Este CD é valioso, não menos importante, para corrigir parte desse desequilíbrio, mas também pelas excelentes interpretações de algumas obras encantadoras.

Stravinsky escreveu bastante música para violino e piano, principalmente por causa de sua estreita relação de trabalho com o violinista Samuel Dushkin. A sua colaboração, especialmente íntima por um período de oito anos, nas décadas de 1920 e 1930, cobriu o período da carreira de Stravinsky descrito - muito para seu aborrecimento - como neoclássico, quando ele se interessou tanto por formas e compositores mais antigos, incluindo, nomeadamente Pergolesi em Pulcinella. Para muitos ouvintes, a música desse período tem uma acessibilidade nem sempre encontrada no serialismo da década de 1950, embora o 'choque do novo' dos três grandes balés de Diaghilev muitas vezes ocultasse as continuidades de compositores anteriores.

A encantadora Suíte italienne, em seis andamentos, baseia-se principalmente nos temas de Pulcinella, com excepção do breve Scherzino. As forças reduzidas chamam a nossa atenção para a linha melódica, bem como para os elementos clássicos. A Suíte é notável tanto por sua variedade quanto por uma unidade rítmica distinta que, no entanto, capta parte do carácter da época de Pergolesi.

O Divertimento para violino e piano The Fairy's Kiss, de 1932, é um trabalho mais substancial. Hoje, o título original do balé de 1928, é mais comumente substituído pelo original Le Baiser de la fée. A suíte ouvida aqui, como o balé, é uma homenagem prolongada a Tchaikovsky, mas também se baseia em trabalhos adicionais, incluindo a Humoresque de 3 Morceux (Op.9) e o Nocturno de 6 Pieces (Op.19). Curiosamente, a Suite para Orquestra de 1934 é essencialmente uma orquestração do Divertimento, em vez de se limitar aos temas do balé original.

O Duo Concertant não se baseia directamente em um ballet anterior, mas os cinco andamentos que demonstram o fascínio de Stravinsky pelas formas de dança anteriores. A influência de Bach é forte. Embora tudo seja contido, mesmo austero, há um forte sentido de canção. O andamento final, Dithyrambe, é notável, e eu voltei a ele várias vezes. No geral, achei esta a obra mais significativa do disco, pela sua profundidade.

As duas peças finais são essencialmente peças virtuosas, o que teria encantado o público da altura. O programa deste lançamento é o programa visitado por Stravinsky e Dushkin, durante vários anos - e funciona muito bem. Os portugueses Bruno Monteiro e João Paulo Santos, não exclusivamente músicos de câmara, trabalham juntos há muitos anos, e seu relacionamento é evidente na sua confiante antecipação e mistura de sons. A forma de tocar de Monteiro é tão precisa quanto Stravinsky gostaria, e o seu som tem uma astúcia e adstringência inteiramente apropriadas para este repertório. Existem gravações alternativas das obras, nomeadamente de Lydia Mordkovich em Chandos (CHAN9756). Especialmente interessante é uma gravação do Duo Concertant, de Stravinsky e Dushkin, com um som extraordinariamente bom, da T.E Lawrence's Record Collection em Cloud's Hill, disponível para download na Trunk Music. O som de Dushkin é - mesmo gravação de quase noventa anos - notavelmente mais suave que Monteiro e faz um contraste fascinante.

Os valores de produção são altos, com boas notas de programa de Bruno Monteiro e uma gravação muito clara."

| João Santos
****

“Em 1971, tinha ido o homem a enterrar, era no mercado colocada uma antologia designada “Stravinsky Joue Stravinsky”, em parte consagrada à obra para violino e piano que o compositor havia gravado com Samuel Dushkin. Nada de especial a distinguia, que não a súbita confirmação de quão pouquíssimo idiomática efe- tivamente era, pois, alérgico à implícita expressividade do instrumento, Stra- vinsky tinha resistido com hostilidade à escrita para violino. Contudo, a partir de 1932, motivado pelo seu editor alemão, e sempre com Dushkin a seu lado, imagina- va-se já a disputar o quinhão reservado aos grandes virtuosos, através de recitais cujo programa o presente disco evoca e que se diria ter como expoentes “Duo Concertante”, “Divertimento (O Beijo da Fada)” e “Suíte Italiana (Pulcinella)”. Con- forme esperado, para a época, o estilo, esse, era o daquelas escusadas autópsias ao barroco tão ao gosto dos salões da chiquérrima Winnaretta Singer, onde jamais se discutia o facto de um quarto da população estar desempregada. Ainda assim, em retrospetiva, dá-se nestas cur- tas peças por uma inegável e crucial ten- são que as torna dignas de nota: mesmo a mais escrupulosa obediência ao cânone pode revelar-se um fator de disrupção do presente, parecem dizer. Aliás, basta justapor esta espécie de indomesticável desconforto a que o violinista devora- doramente se entrega e a delicadeza e a distinção em tudo o que o pianista coreograficamente toca para se tirar um retrato à Grande Depressão. As arestas do seu tempo a golpear a superfície lisa da história, só uma vez, que me lembre, tiveram um violinista a trocar o arco pela plaina (Itzhak Perlman, em 1976) — desde então, é preferível honrar as hesitações e as irritações na partitura, que é, excetu- ando “Pas de deux” ou “Dithyrambe”, o que aqui produz a entoação algo farpada de Monteiro. Nas “Bucólicas”, de Virgílio, a que o “Duo Concertante” alude, lê-se isto: “Sei de poemas, e poeta/ Me cha- mam os pastores; não o creio/ Até agora nada do que faço/ É digno de Varius nem de Cinna/ Entre canoros cisnes pato sou.” Por mais que nos tentem convencer do contrário, é uma bela descrição do violino na obra de Stravinsky."
| Veerle Deknopper
O STRAVINSKY PURO - TESTAMENTO DE UM PÁSSARO DE FOGO 

“Igor Stravinsky (1882-1971) nasceu perto da metrópole cultural russa de São Petersburgo e veio de um meio musical. Era uma criança em casa dos avós como Nicolai Rimsky-Korsakov quando estudou piano com o seu filho aos nove anos de idade. O facto de ter começado a fazer música com uma idade tão jovem, combinado com a idade avançada que lhe foi permitido atingir, influenciou fortemente o seu estilo. Experimentou muitas correntes, tanto musicais quanto politicas, que foram expressas na sua música. A sua vida era tão rica em impressões que a sua música também as seguiu. Mas ainda assim, pode ser um ballet de conto de fadas, uma dança folclórica ou uma peça de vanguarda. O selo de Stravinsky está sempre presente, Et'cetera.

A Suite Italienne foi escrita em 1920, quando Stravinsky tinha 28 anos. O jovem compositor já havia escrito toda uma série de músicas e balés de inspiração poética quando escreveu esta suíte. Ele sentiu necessidade de outra inspiração. Encontrou-a no início da música. Isso também é muito bem ouvido durante o programa. Uma clara influência de Pergolesi. Especialmente durante o segundo dos seis andamentos - Serenata - pode-se experimentar a faceta passiva reconhecível dessa influência. Andamentos três e quatro (Tarantella e Gavotta con due Varizioni) são mais inspirados na dança. No entanto, um Stravinsky muito diferente do que se está habituado a experimentar ao ver/ ouvir num de seus ballets.

O fato de Monteiro e Santos terem optado por um cenário audivelmente austero leva a música de Stravinsky de volta à origem, à essência. Ouve-se pura beleza instrumental, juntamente com toda a fantasia por trás da história. Essa ideia foi fundada na colaboração e amizade entre Stravinsky e o violinista Samuel Dushkin (1891-1976), um aluno de Fritz Kreisler e outros. As composições deste álbum enfatizam as suas pesquisas conjuntas pelo som. Parece um pouco bolha do tempo, uma representação de como pianista e violinista serenos abordam a partitura e a criação de sons juntos, sem o aspecto teatral que ocorrerá depois nos palcos. Novo Mundo e morre nos Estados Unidos com uma idade abençoada‍.

Ao visualizar o curriculum vitae dos dois músicos performativos deste álbum, é possível estabelecer o mesmo caminho artístico, uma jornada pela música clássica antiga, para experimentar e identificar.

Imagine passar por uma janela aberta este domingo de manhã e verá dois músicos trabalhando e que lhe mostram pura e sem adulteração o que está acontecendo nas suas imaginações e isso faz sonhar. Encontrará isso neste álbum.

Um extra interessante é que a capa é uma obra da artista Wassily Kandinsky (Moscovo 1866-Neuilly-sur-Seine 1944) Developpement e Brun de 1933 que reflecte o carácter do álbum. Cores quentes que dão pequenas dicas à arte do velho mundo, exibidas em elegantes padrões modernos, cercadas pela luz."

| Aart van der Wal
“Certamente para os adeptos de Stravinsky, este CD contém material familiar, mas para aqueles que estão familiarizados com os grandes ballets, este álbum pode ainda ser uma revelação. Como um familiar mais próximo com a música conhecida, mas com uma aparência diferente, para violino e piano, como a Suíte Italienne, os cinco andamentos que o compositor compôs em 1925 a partir da suíte Pulcinella, com 11 partes, baseada na música de Pergolesi. O Divertimento de 1932 baseado no ballet Le baiser de la ´Fée de 1928. As Três Peças de L'Oiseau de Feu são adaptações de três partes do ballet, enquanto a Danse Russe pode, é claro, ser encontrada em Petrushka. Somente o Duo Concertant em cinco andamentos de 1931/32 permanece sozinho como modelo e se assemelha a uma sonata para violino e piano.Como os balés na sua forma original para orquestra, elas são, sem excepção, peças muito atmosféricas que foram reunidas aqui em performances de altíssima qualidade musical. Bruno Monteiro e João Paulo Santos respiram essa combinação especial de espontaneidade, precisão rítmica e expressividade poética, mas, acima de tudo, esta música é objectiva, exactamente como Stravinsky pretendia. Estilizando e abstraindo, esses são os elementos principais que também se destacam nestas interpretações. É também uma forma de objectivação que o próprio compositor gostava de usar como guia para o seu trabalho. Por exemplo, uma vez ele observou que a massa do artista exige que ele revele seu eu interior e que, de acordo com a mesma massa, é só então que existe a 'arte nobre'. Segundo Stravinsky, isso é denotado por carácter e temperamento, mas tem a morte de um irmão: por nenhum preço ele queria fazer parte, muito menos que suas criações pudessem ser cúmplices nele. Também a esse respeito, portanto, nenhum joelho dobrado para o público. Fazer música sem problemas, é exactamente o que a dupla Monteiro-Santos claramente busca nestas peças: menos é mais, o que essas cinco obras - como poderia ser de outra forma - se lhes encaixam como uma luva. A gravação particularmente bonita sela este recital de muito sucesso. Monteiro forneceu uma explicação clara e concisa do livreto."
| Stephen Smoliar
“O violinista português Bruno Monteiro continua a expandir o seu repertório em direcções imprevistas. Quem acompanha as suas gravações há algum tempo sabe que ele explorou anteriormente os catálogos de Karol Szymanowski, Erwin Schulhoff e, mais recentemente, de Guillaume Lekeu. O seu mais recente álbum vira-se para selecções mais familiares, a maioria das quais não se encontra nos seus cenários habituais. O álbum consiste inteiramente em música para violino e piano de Igor Stravinsky; e, tal como em gravações anteriores, Monteiro é acompanhado pelo pianista João Paulo Santos. A partir desta data, o CD está actualmente disponível apenas directamente através da sua editora Etcetera Records. Foi criada uma página Web para compra; mas, como a Etcetera está sediada na Bélgica, o preço é em euros. Nas condições actuais, poderá ser difícil estimar quanto tempo será o prazo de entrega.
Na brochura que acompanha o CD, Monteiro observa que grande parte do conteúdo do álbum resultou de uma colaboração de oito anos entre Stravinsky e o violinista Samuel Dushkin.
Quem estiver familiarizado com o repertório do ballet provavelmente recordará os episódios por detrás dos excertos de "The Firebird" e "Petrushka". Pode-se perder a rica orquestração, mas Stravinsky certamente soube destilar a essência da sua própria música. Monteiro capta consistentemente essa essência de formas que apelarão tanto aos concertistas como aos amantes do ballet.
Em "Pulcinella", porém, vemos uma das primeiras mudanças da tradição russa para o que veio a ser chamado de "neoclassicismo". Sob a influência de Diaghilev, Stravinsky pensou estar a criar uma partitura baseada na música de Giovanni Battista Pergolesi. Pergolesi era um compositor muito popular na sua época, mas morreu de tuberculose aos 26 anos de idade. Num esforço para não perder a sua "vaca de dinheiro", a sua editora contratou outros músicos para criar mais adições ao catálogo de Pergolesi; e estas decepções não foram desvendadas até à investigação musicológica no século XX. Independentemente das fontes reais, porém, Stravinsky dotou as tradições italianas do século XVIII de um conjunto de torções do século XX; e essas torções podem ser facilmente apreciadas no relato de Monteiro sobre elas.
A partitura de "Le baiser de la fée", lança a retrospecção para uma luz completamente diferente. Neste caso, Stravinsky extraiu o seu material de Pyotr Ilyich Tchaikovsky, e tenho de confessar que esta partitura em particular do ballet nunca se registou comigo até eu me ter familiarizado com a maioria dessas fontes. Agora esta é uma das minhas composições favoritas de Stravinsky, e gosto tanto de reconhecer as "raízes" de Tchaikovsky na versão de música de câmara de Stravinsky como de as apreciar ao ver o ballet. Suspeito que seria justo dizer que esta foi a parte do álbum que evocou algumas das minhas mais queridas memórias."
| Jan de Kruijff
“Em 1930, o editor de Stravinsky, Willy Streck, apresentou o compositor ao violinista Samuel Dushkin (1891 - 1976), o que resultou em várias composições valiosas. Além do Concerto para Violino, os cinco trabalhos incluídos aqui (e mais alguns).
Como são tocadas aqui, as seis partes de Pulcinella do sul da Itália soam muito divertidas e barrocas, o Divertimento move-se entre a luz da lua e a dança russa robusta com traços românticos sombrios, o Duo torna-se um vitral concertado com cinco partes de cores - não por causa do bom desempenho! – acostuma-se a vincular as três partes de The Firebird ao original da orquestra e a 'Danse Russe' de Petrushka está cheia de velocidade pelos dois artistas.
A dupla faz muito mais do que um todo viável deste recital e, portanto, é bastante bem-sucedida, especialmente porque não mostram um Stravinsky como um sapo frio e tocam com uma intensidade radiante e quente estas obras e escolhem um toque geralmente leve, como Lydia Mordkovitch, por exemplo e Julian Milford (Chandos CHAN 9756). As obras completas para violino e piano foram lindamente gravadas em dois CDs em 1987 por Isabelle van Keulen e Olli Mustonen (Newton 880206-2)."
| Asier Vallejo Ugarte
“Apenas vinte e quatro anos viveu o belga Guillaume Lekeu, entre 1870 e 1894, durante os quais teve tempo para admirar a música de Wagner (diz-se que desmaiou ao ouvir Tristão e Isolda em Bayreuth) e recebeu lições de Franck e D'Indy. O rasto dos três pode ser visto nestas duas obras amplas, ambiciosas, afectuosas e impetuosas, compostas numa tonalidade romântica e atravessadas por uma melancolia que dá uma força especial aos momentos dramáticos. A mesma determinação que ele teria para as compor é demonstrada por estes três intérpretes portugueses, Bruno Monteiro, Miguel Rocha e João Paulo Santos, pouco conhecidos entre nós, mas com carreiras importantes. Juntos eles oferecem um grande retracto de Lekeu, de um jovem que, tanto quanto ele conta através da sua música, tinha muita vida para dar ao mundo. A Sonata para violino teve um padrinho extraordinário, Ysaÿe, que a estreou em Bruxelas, em 1893. É uma obra que mostra bons pontos de contacto entre as sonoridades dos dois instrumentos, violino e piano, além de unir à sua estrutura cíclica (no meio da linha Franckiana) um lirismo que reafirma, amadurecendo-a, purificando-a e refinando-a, a história interior do Trio, que fala na primeira pessoa de pensamentos íntimos, de uma visão calorosa e sonhadora da sua própria existência. As notas do disco sublinham a influência de Beethoven, expressa desde o início na tonalidade emblemática do dó menor, que foi elevada a uma categoria expressiva ao longo do século XIX, mas também na força e carácter de alguns dos seus temas, que, no entanto, Lekeu não desenvolve com a habilidade, domínio e destreza dos grandes clássicos, como se em muitos momentos da peça a carga emocional estivesse à frente da técnica, a necessidade de expressão à frente da escrita musical pura."
| Stephen Smoliar
Catching Up on Bruno Monteiro´s Recordings

“Leitores com memória relativamente longa podem lembrar-se do interesse que tive quando a Brilliant Classics passou de fornecer antologias de “reimpressão” para produzir gravações originais. Um dos primeiros lançamentos foi um álbum que consistia na música completa para violino e piano de Karol Szymanowski. Este foi lançado em Maio de 2015, quando escrevia para o Examiner.com. Os artistas desse álbum eram portugueses, o violinista Bruno Monteiro e o pianista João Paulo Santos. Quando o segundo álbum foi lançado, o Examiner.com tinha fechado; e pude escrever sobre eles neste site. Esse segundo álbum foi outro lançamento de "obras completas", desta vez cobrindo as composições de Erwin Schulhoff para violino e piano.

“Apanhei” agora esta dupla outra vez com álbum que lançaram em maio passado. Este não é um programa de "obras completas". Em vez disso, eles apresentam duas composições de Guillaume Lekeu, compositor belga do final do século XIX que morreu aos 24 anos de idade, mas deixou para trás cerca de cinquenta obras concluídas.

Quando este álbum foi lançado, Lekeu não me era estranho. Ironicamente, eu ouvi sobre ele quando a violinista Alina Ibragimova e o pianista Cédric Tiberghien fizeram o seu álbum das obras completas para violino e piano compostas por Maurice Ravel para a Hyperion Records. Como esse conteúdo não era suficiente para encher um único CD, forneceram uma espécie de “abertura” na forma da sonata para violino em Sol maior de Lekeu, composta entre 1892 e 1893. (Lekeu morreria no dia seguinte ao seu 24º aniversário em Janeiro de1894, tendo contraído febre tifóide a partir de um gelado contaminado.) Desde a morte de Lekeu, que antecedeu a primeira sonata de Ravel para violino e piano, a sua sonata precedeu todo o programa de Ravel no lançamento da Hyperion.

Por isso, aproveitei a oportunidade para ouvir um álbum dedicado inteiramente à música de Lekeu. A primeira metade do recente lançamento do Brilliant consiste em um relato daquela sonata em Sol maior por Monteiro e Santos. Isto é seguido por uma composição um pouco anterior, o trio com piano em dó menor composto entre 1889 e 1891. Para esta apresentação, a Monteiro e Santos junta-se o violoncelista Miguel Rocha. A título de contexto cronológico, Lekeu visitou Bayreuth para ver performances de óperas de Richard Wagner em agosto de 1889; e após o seu retorno, começou aulas particulares de contraponto e fuga com César Franck, que mais tarde morreria enquanto Lekeu estava a compor o seu trio.

Há aqueles que associam Lekeu e a sua sonata em Sol maior à sonata do compositor fictício Vinteuil, que aparece significativamente em In Search of Lost Time, de Marcel Proust. No entanto, Proust começou a trabalhar nesse projecto em 1909 e estava familiarizado o suficiente com apresentações de concertos que qualquer número de candidatos ao Vinteuil havia sido proposto. Pela minha parte, eu não tinha ouvido falar de Lekeu quando me propus a ler Proust, por isso fiquei contente em pensar em outros compositores do final do século XIX! (Lembro-me de ouvir música de câmara de Camille Saint-Saëns enquanto lia Proust.)

Tomado como um todo, este é definitivamente um álbum a descobrir. Como tenho tendência a ir buscar o significado na cronologia, provavelmente teria preferido que o trio precedesse a sonata, em vez de segui-la. Por outro lado, o trio é uma obra mais longa, e acho que encontrei uma variedade de maneiras pelas quais Lekeu escolheu ir além das abordagens tradicionais de estrutura. A sonata, por outro lado, foi o resultado de uma comissão de Eugène Ysaÿe; e tende a ser a mais acessível das duas peças do CD. Consequentemente, pode ter havido alguma lógica por trás da decisão dos intérpretes de recorrer à sonata para "apresentar" Lekeu aos ouvintes que encontram a sua música pela primeira vez.

No entanto, independentemente de motivos e contextos, cada uma destas duas selecções contribui para uma experiência auditiva completamente absorvente por si só."
| Henry S.
Intenso e Impressionate

*****‍

“Não fosse o modelo que Mozart estabeleceu como compositor 'prodígio', seria difícil imaginar que um adolescente pudesse criar músicas de grande intensidade e complexidade. No entanto, esse é o legado que Guillaume Lekeu deixou no final do século XIX. Apenas 24 anos quando ele morreu, em 1894, Lekeu compôs uma série impressionante de obras de música de câmara, e 2 delas são exibidas nesta nova gravação da Brilliant Classics. Apresentando um trio de excelentes músicos portugueses, o programa deslumbra com passagens poderosamente extrovertidas, enquanto projecta uma atmosfera de seriedade, até tristeza.É uma música maravilhosa, e definitivamente recomendo o disco para todos os devotos de música de câmara."

| Hans Quant
“Que data sinistra: 1870-1894, 24 anos! Aqui não há violência de guerra, mas complicações em uma infestação de tifo que acabaria prematuramente com a vida do compositor belga Guillaume Lekeu. Ele admirava Wagner, teria desmaiado de emoção com uma performance de Tristan und Isolde. Seus estudos com César Franck e Vincent d'Indy têm influência audível nas suas obras. A Sonata para violino e piano em Sol maior, de 1892, mostra um mestre precoce que pode escrever música em larga escala para uma pequena formação. A primeira parte é um mundo em si, rico em humores, engenhoso no seu desenvolvimento harmónico, uma grande composição romântica. A parte lenta é uma canção melancólica, a terceira parte "très animé", enérgica, com um forte clímax no final. O Trio com piano em dó menor é de um pouco antes, de 1890, mais clássico. A busca laboriosa da parte lenta é seguida por um feroz Scherzo, mas um sentimento de impotência colore todo o trabalho. Os artistas tocam com total dedicação. Anteriormente recomendado, na sonata para violino, Tasmin Little e Martin Roscoe (Chandos) ou Ibragimova e Tibergien (Hyperion)."
| Juan Carlos Moreno
***** S (Som Extraordinário)

“(…) Através de um som impecável, os artistas deste álbum conseguem traduzir tudo o que há aqui de vida, drama, paixão, flutuando do mais íntimo som para o mais exasperado de uma maneira fluida e musical, sem excessos ou altos e baixos. Recomendação plena."
| Aart van der Wal
"A força desta música reside acima de tudo no seu caráter expressivo estritamente próprio e não tolera o que infelizmente muitos músicos (até alguns famosos) fazem: a tendência a somente 'tocar'. A verdadeira arte é sempre rastejar sob a pele da música e com ela o compositor e ficar longe de artefatos, de artificialidades que violam o conceito expressivo e estrutural. Isso pode ser esperado dos intérpretes portugueses? Porque eles não estão muito longe da música de Lekeu em um sentido idiomático? Isso pode parecer à primeira vista. É precisamente essa natureza transfronteiriça da música de Lekeu que oferece espaço mais do que suficiente para interpretações que - assim como a própria música - excedem em muito o seu próprio caráter nacional. Isso também acontece aqui: este trio português perfeitamente junto evita a desmotivação, mas sim alcança o efeito ideal ao deixar a música falar 'simplesmente', sem frescuras, sem acentuação agogica, mas, portanto, ainda mais comovente e impressionante. Música que é tão avassaladora de muito perto quanto de longe.

O facto de este triunvirato português ter atribuído o seu nome a esta bela música, mas em parte ainda pouco conhecida, dá uma sensação calorosa que se encaixa perfeitamente com o sol ibérico e com a paisagem lírica pronunciada, banhada pelo sol, mas por vezes também irregular no distante. A gravação permite ouvir os mínimos detalhes. O nome do afinador do piano. Paulo Pimentel, é mais do que justificado: ele forneceu um Steinway perfeitamente afinado. O violinista foi responsável por toda a produção, o que faz uma contribuição muito valiosa para que esperançosamente renasça Lekeu. Agora é a hora."

| Michael Beek
****

Uma sonata e um trio emocionalmente pesados mostram-nos um compositor que amadureceu para além de seus poucos anos de vida. Gravação íntima de interpretações apaixonadas só aumenta o impacto.
| Maria Augusta Gonçalves
O melhor de Lekeu

"(...) o violinista Bruno Monteiro e o pianista João Paulo Santos escolheram-no para continuar uma discografia que já possui uma dúzia de títulos notáveis, mais dedicados a compositores menos óbvios e imediatos, no repertório: Schulhoff, Szymanowski, Korngold. Olhando para a escolha, não parece um acaso. Reforça o testemunho do romantismo de Schumann, Chausson, Grieg, Saint-Saëns ou Franck e analisa a escolha de expressões do século XX, como Ernest Bloch, Armando José Fernandes ou Fernando Lopes-Graça. Mas o que revela acima de tudo é uma excelente interpretação de duas obras mais ou menos raras - a Sonata para violino e piano em Sol Maior e o Trio para violino, violoncelo e piano em Sol menor - em uma bela gravação, a ser colocada entre as primeiras escolhas da música de câmara do compositor. (…)

A produção de câmara, entre as Sonatas para violino e violoncelo, o trio e o Quarteto com piano em Sol menor, e a produção orquestral, com estudos sinfónicos e o Adágio para orquestra, mais alguns fragmentos de obras inacabadas, permitiram há cerca de 20 anos, a edição em CD da Ricercar que reuniu músicos como os pianistas Luc Devos, Catherine Mertens e Daniel Blumenthal, os violinistas Philippe Hirshhorn, Philippe Koch e Anne Leonardo, os violoncelistas Luc Dewez e Marie Hallynck, o organista Bernard Foccroulle, cantores como a soprano Greta de Reyghere e tenor Guy De Mey.

Esta foi a primeira e única integral publicada até a data do trabalho de Lekeu. Até então - e depois - as gravações eram sempre dominadas pela Sonata para Violino, acompanhadas de uma ou mais peças do compositor ou composições de seu mestre César Franck. É o caso da premiadíssima versão de Gerard Poulet e Noel Lee (Arion), do encontro de Augustin Dumay e Jean Philippe Collard, que cruzam Debussy e Ravel (Erato), ou a referência de décadas de Arthur Grumiaux e Dinorah Varsi (Philips), o Spiller Trio (Artes), com o Trio com Piano, e a célebre gravação de Alina Ibragimova e Cédric Tiberghien (Hypérion), com obras completas para violino e piano, são dois álbuns dedicados inteiramente ao compositor belga, que se destacam na discografia existente. O novo álbum de Bruno Monteiro e João Paulo Santos, com o violoncelista Miguel Rocha, obviamente junta-se ao grupo dos eleitos.

Violinista e pianista, que têm anos de cumplicidade, com todos os programas executados em concerto, ao vivo, antes de qualquer gravação, são perfeitos na Sonata em Sol maior, concluída em 1892, talvez a mais exigente para ambos os instrumentos e a mais madura e conseguida de Lekeu. Aqui há clareza, limpeza e equilíbrio no diálogo entre violino e piano. Monteiro imediatamente seduz no tema de abertura, traçando uma longa e fascinante linha melódica que leva ao coração da obra, com um piano subindo em primeiro plano. A viagem culmina com uma reexposição forte e vigorosa que requer o máximo de ambos os intérpretes. (…)

Mais uma vez, a expressão de Lekeu parece desenhada para o melhor de Bruno Monteiro e João Paulo Santos, que encontram em Miguel Rocha um parceiro no mesmo nível de exigência. A emoção predomina e tudo é superado pelo fulgor. A interpretação dos músicos é extremamente inteligente para acentuar esse lado mais apaixonado da obra, tirando partido do que pode ser a sua própria "imaturidade". Acabam assim por revelar uma visão de conjunto mais rica que enobrece o Trio esquecido de Lekeu. É generoso. Mas também é outro factor de excelência que caracteriza o álbum."

| Hugo Papbst
"Lekeu como muitos dos génios precoces foi ceifado aos 24 anos (morreu em Angers a 21 de Janeiro de 1894) com febre tifóide, deixando-nos órfãos de um talento raro e já apaixonado cuja textura rica, o gosto do cromatismo, um pensamento obviamente Wagneriano (neste fiel ao gosto de seus mentores D'Indy e Franck) permanece a eterna promessa de uma maturidade para sempre recusada. No entanto, as duas partituras aqui discutidas indicam claramente a realização óbvia de uma escrita realizada, densa e intensa, apesar da pouca idade do compositor romântico francês. Ele também ganhou o 2º Prémio de Roma em 1891 (pela sua cantata de Andromeda para reouvir com urgência). A sensação de cor, o fluxo harmónico de modulações e passagens ininterruptas moldam um material particularmente opulento e activo, até à saturação. Ouvindo-os, o "Rimbaud" da música francesa não usurpou o seu apelido, nem a relevância dessa reaproximação poética.
Frequentemente apresentado como a sua obra-prima, a Sonata para piano e violino em sol maior, composta no Verão de 1892, foi estreada com sucesso em Bruxelas em Março de 1893 pelo famoso violinista Eugène Ysaÿe (que era o especial dedicatário da Sonata). É preciso muita energia e compromisso, mas também delicadeza para assumir esse lirismo permanente cuja superactividade pode obscurecer o significado e a clareza da arquitectura. Porque influenciado também por Beethoven, Lekeu tem uma paixão pela forma, desenvolvimento, impulsionada por uma ambição musical e um instinto perfeccionista, em todos os aspectos notável. Tudo está perfeitamente ligado nesta Sonata com 2 vozes cuja acuidade expressiva brilha num lirismo melódico transbordo, um sentido de estrutura também melhor equilibrado, canalizado e construído no primeiro andamento "Trés modéré" bastante sedutor e leve; os pontos centrais "Trés lent" apontam para as nuances de um violino bastante introspectivo; antes do final (Trés animé), abertamente apaixonado ou desenfreado mas sempre fresco e primaveril.
Mais cativante para o nosso gosto, o Trio com piano tem o charme de uma sinceridade radiante, embora ainda indeciso até mesmo desajeitado na sua escrita. É um pouco mais antigo (composto em 1890), onde a influência da estrutura beethoveniana é mais claramente empregada na sua construção mais explícita, embora o primeiro e últimos andamentos estejam repletos de ideias densas e mistas e reminiscências harmónicas que sustentam as críticas. Lamentando muitos desenvolvimentos. Ambicioso, o placar emprega 4 andamentos particularmente "faladores" ou... Dramáticos, dizem os mais benevolentes. Alma apaixonada e uma intrincada força, Lekeu sabe como implantar uma imaginação íntima ilimitada como atestado pelo primeiro andamento em que dois episódios muito contrastantes (lent e Allegro enérgico) interagem, expressando uma série de sentimentos como prolix nuançados: dor primeiro, com devaneio sombrio, da renúncia furtiva à depressão mais difusa: tudo aqui pelo filtro de uma sensibilidade perita e hiperactiva, denuncia e experimenta o fracasso e a repetição das feridas íntimas. O Trés lent, então o Scherzo, altamente sincopado, finalmente o final, que também é lento, talvez longo demais, embora harmonicamente empolgante, acredita no forte génio do jovem romântico; os três intérpretes tornam o surgimento de padrões em ecos ou oposição; o que também refina o violino enquanto controla a intensidade do Bruno Monteiro. Permanece a Sonata para Violoncelo / Piano (1888), o Quarteto com Piano (1893), para capturar o génio de um Lekeu juvenil e excitante. Para futuros registros? A seguir."
| Jean-Luc Caron
“Em defesa destas obras essenciais de Lekeu, três músicos portugueses colocam a sua arte, claramente grande e nobre ao serviço da música tocando-a de forma cativante, impecável, entusiasta, apaixonada e provocante.”
| Robert Matthew-Walker
*****

“A breve e trágica vida do compositor belga Guillaume Lekeu (1870-1894) interrompeu uma carreira que deu todas as indicações de um talento verdadeiramente importante. Por causa da sua morte prematura, as obras deste que sobreviveram são muito poucas em número, mas todas mostram dons composicionais de qualidades únicas. Estamos, de facto, gratos a Bruno Monteiro, a força motriz por detrás deste importante lançamento por este excelente novo CD das duas principais obras de câmara deste autor, em que é magnificamente assistido por João Paulo Santos e Miguel Rocha”. Bravo!”
| João Santos
****

"Em 1913, com o lançamento do primeiro volume de “Em Busca do Tempo Perdido”, imagina-se a frustração dos empregados de balcão nas mais prestigiadas casas de partituras de Paris: “A ‘Sonata de Venteuil’? Desconheço.” Bom, senão isso, qualquer coisa assim do género, pois, na verdade, consciente, quiçá, de que uma dieta à base de madalenas teria um efeito limitado no hipocampo dos seus leitores, Marcel Proust tinha-a efectivamente inventado. Pior, na altura, só Fritz Kreisler, que fazia passar originais seus por peças perdidas de Couperin, Tartini ou Boccherini – ou, 80 anos mais tarde, Zbigniew Preisner e Krzysztof Kieslowski, que, em reacção à música de “A Dupla Vida de Véronique”, puseram plateias do mundo inteiro a esquadrinhar lojas de discos à cata de um tal Van Den Budenmayer. O impulso será mais ou menos o mesmo – afinal, quantas vezes não damos na arte por uma plenitude de significados ou por uma completude de variáveis naquilo em que vicariamente largamos o peso dos nossos receios e convicções? Em Proust era assim, e essa sonata imaginária permitia a seguinte reflexão: “Pereceremos, mas faremos reféns dessas divinas cativas [frases musicais]. E com elas a morte será menos amarga, menos inglória, menos provável, talvez.”
Isto, claro, por tornar espiritualmente real aquilo que nenhuma faculdade intelectual poderá admitir: a eternidade. Muito precocemente, aos vinte e poucos, nada mais que essa total aversão ao efémero intimava Guillaume Lekeu (1870-1894) quando compôs estas figuras de retórica cuja inegável expressividade deriva de procedimentos algo fantasiosos e cuja unidade temática, diz agora Bruno Monteiro, cria uma “espécie de estrutura psicológica constante”. Por isso, há quem insinue que Proust nele se inspirou ao descrever uma obra que “oculta o mistério da sua incubação” mas que possibilita a quem a escuta reconhecer “secreta, sussurrante e fragmentariamente” a música que mais ama. Lekeu não teve tempo para ler Proust, mas leu Mallarmé, que sugeriu que há “estados de alma” que apenas atingimos ao “decifrar totalmente um objecto” – isto é, quando a nossa mediação não coarcta o impacto das suas ambiguidades. Lembra este belíssimo disco que foi exactamente isso que Lekeu tentou fazer à música de câmara."
| Pierre Jean Tribot
“A música de Guillaume Lekeu luta para dominar no repertório, incluindo no dos artistas do mundo francófono. Neste contexto, saudamos a corajosa iniciativa desta equipa portuguesa liderada pelo violinista Bruno Monteiro, músico formado entre o seu país de origem e os Estados Unidos. Adoramos sua bela sensibilidade na Sonata para violino e piano, trabalho definitivamente marcado pela interpretação de Philippe Hirschhorn e Jean-Claude Vanden Eyden (Ricercar). O Trio para piano, violino e violoncelo é um complemento apropriado, especialmente porque é tocado aqui com toda a expressão requerida. Estamos muito satisfeitos em ver artistas portugueses contribuírem para a reputação internacional deste compositor belga.”
| John Puccio
“Monteiro interpreta apropriadamente a obra da maneira mais simpática, o seu violino soa com alma e desejo, o acompanhamento do piano é forte, mas nunca interfere na interpretação esplendidamente sincera e emocional de Monteiro. Enquanto o terceiro andamento é claramente mais animado que os outros, particularmente na primeira parte, o compositor sai num redemoinho de notas, por assim dizer, mas a música mantém o mesmo humor de tristeza temperada que vemos por toda parte. E Monteiro tem o cuidado de manter esse tom até o fim. Monteiro e Santos mostram sua apreciação com um desempenho delicadamente forjado. Monteiro e os seus amigos tocam-no (Trio) com uma graça fluida, sofisticação e brilho, nunca sentimentalizando as harmonias de pelúcia. O produtor Bruno Monteiro e o engenheiro José Fortes gravaram a música na Igreja da Cartuxa, em Caxias, Portugal, em Junho e Julho de 2018. O violino tem um som doce e decoroso, e seu microfonamento coloca-o longe o suficiente para se beneficiar da acústica ambiente. O som global dos três instrumentistas é quente e suave, com uma presença natural, os vários instrumentos juntos em excelente equilíbrio.”
| Uwe Krusch
“Eles tocam com um fervor e energia tão esmagadores que se pode ficar tonto. Isso é extremamente impressionante e estimulante...”
| Stuart Sillitoe
Um disco que vou gostando ainda mais à medida que ouço, e um que tem a minha recomendação, se estiver à procura de um CD que apresente exclusivamente a música de Guillaume Lekeu

"Tive sempre uma predilecção pela gravação de 2014 de Tasmin Little e Martin Roscoe da Sonata para Violino (CHAN 10812), e mesmo quando comparada com a altamente elogiada gravação de Alina Ibragimova e Cédric Tiberghien (CDA67820), esta continua a ser a minha favorita. Bruno Monteiro e João Paulo Santos têm portanto um acto difícil de acompanhar neste desempenho agradável. Os tempos destes, ligeiramente mais lentos, enfatizam a paixão sustentada da Sonata, mas é a performance mais apaixonada de Little e Roscoe que para mim ainda está acima. No entanto, Bruno Monteiro e João Paulo Santos causam uma boa impressão e não ficam muito atrás.O Trio é menos conhecido, com apenas algumas gravações disponíveis. A minha introdução à obra foi a performance do Trio Spiller em 1999 na editora Arts (47567-2), talvez um pouco longo demais, com o compositor superdesenvolvendo o material temático. Mesmo assim, há algumas passagens atraentes, especialmente no segundo andamento Lent, onde mais uma vez a natureza apaixonante do compositor brilha, especialmente nesta nova gravação em que Monteiro, Rocha e Santos exploram o elemento emocional mais além do que o Trio Spiller com seu ritmo ligeiramente mais lento. Na verdade, esta nova gravação tem a vantagem de ter mais entrega emotiva, além de beneficiar de um som melhor do que o Trio Spiller na gravação da Arts.
Esta é uma agradável gravação que, embora não seja a minha primeira escolha na Sonata, mostra uma performance dedicada, algo que é transportado para o Trio, numa interpretação que prefiro à do Trio Spiller. O som é muito bom. As notas de programa do booklet, da autoria de Bruno Monteiro, são breves mas informativas e úteis. Um disco que vou gostando ainda mais à medida que ouço, e um que tem a minha recomendação, se estiver à procura de um CD que apresente exclusivamente a música de Guillaume Lekeu."
| Stephen Barber
“Monteiro tem o som rico e puro que o violino de Lekeu exige, e Santos tem toda a técnica do mundo, que certamente precisa para as elaboradas partes de piano de Lekeu. O som do violoncelista, Rocha, é semelhante ao de Monteiro, e ele se encaixa bem no trio. Não tenho reclamações sobre a qualidade da gravação. Há notas de capa em inglês e português e uma atraente foto de capa; Uma produção com estilo.”
| Jerry Dubins
***** Música sublimemente bela, requintadamente executada e gravada

“É bastante requintado, de tirar o fôlego, especialmente nesta leitura de Monteiro e Santos. Por mais que eu admire a performance de Frédéric Bednarz e Natsuki Hiratsuka, eu vejo-me transportado para um nível ainda mais alto do sublime nesta nova gravação que capta o ambiente mágico da música de uma maneira especial. O inventário da Amazon oferece uma escolha mais ampla, incluindo versões de Arthur Grumiaux, Lola Bobesco, Christian Ferras e vários outros não listados pelo ArkivMusic. Eu não ouvi a gravação relativamente recente de Alina Ibragimova com Cédric Tiberghien que recebeu uma recomendação forte de Robert Maxham em 35: 3. Geralmente, tenho sido muito receptivo à interpretação de Ibragimova e, sem dúvida, gostaria de a ouvir interpretar a sonata de Lekeu, mas com o CD de Monteiro e Santos na mão, não consigo imaginar que ela seja melhorada ou que queira trocá-lo por outra versão. Não posso dizer que esta performance do Trio de Monteiro, Santos, e do violoncelista Miguel Rocha seja melhor que a do Trio Hochelaga que me surpreendeu, mas é muito boa, e a performance verdadeiramente excepcional da Sonata para Violino com o qual ele é emparelhado leva este lançamento para a categoria de recomendação urgente.”
| Colin Clarke
**** Inteligente e focado com um núcleo de expressividade: performances musicais de música bonita

"Monteiro e Santos parecem encontrar exatamente o tempo certo (marcado como "Très modéré"), de modo que a música tenha uma sensação de expansão, mas não se sente excessivamente lânguida. O andamento lento central é belissimamente tocado, o resultado é absolutamente lindo. O final é parecido com o Gêmeos ao ter dois rostos, um para frente, decididamente reflexivo. Monteiro e Santos oferecem uma leitura inteligente e elástica. Há ainda menos competição para o Trio em Dó Menor (1890). Artur Grumiaux gravou-o com seu trio (mas, novamente, parece estar indisponível no momento). Este presente desempenho de Monteiro, Rocha e Santos reflecte os pontos fortes da Sonata para violino: inteligente e focado com um núcleo de expressividade. A adição do violoncelista Miguel Rocha é uma mistura positiva, ele é um óptimo expoente de seu instrumento e um músico de câmara sensível. As passagens em que violino e violoncelo tocam em oitavas encontram os dois músicos em completo acordo. O ponto alto desta leitura é o segundo movimento, “Très Lent”, um oásis de beleza, e a surpreendente passagem do tempo suspenso que abre o final (outro "Lent")."
| Dave Saemann
“Os artistas presentes no CD estão muito bem sintonizados com os meandros de Lekeu. O violinista Bruno Monteiro foi aluno de Isidore Cohen e Shmuel Ashkenasi. Possui um som expressivo e refulgente, reminiscente de Joseph Roisman, do Quarteto de Budapeste. O seu parceiro regular, o maestro e pianista João Paulo Santos, é um esplêndido músico de câmara, fazendo um som encantador e cheio e sempre mostrando flexibilidade para com seus colegas. Há uma gravação da sonata para violino de Lekeu por Elmar Oliveira e Robert Koenig que exibe um violinismo de suavidade e maleabilidade suprema, algo Monteiro não pode mexer. Mas Monteiro e Santos são os intérpretes superiores da sonata, muito sintonizados com as longas linhas de Lekeu e com a atmosfera macabra que a assombra. Miguel Rocha é um colaborador digno destes dois artistas no trio de piano com um som grande e que explora o mundo extremo de Lekeu com tensão e subtileza. Altamente recomendado.”
| Jean-Yves Duperron
“O violinista Bruno Monteiro molda cada frase de maneira diferente de acordo com seu conteúdo expressivo ou seu peso emotivo. Por exemplo, o som doce que ele usa para introduzir o tema principal da Sonata acaba tornando-se emocionalmente impraticável ou inexorável em seu discurso. E porque o pianista João Paulo Santos colaborando com Monteiro já há algum tempo, o piano reage ao violino de forma simbiótica e segue a acção de acordo com suas próprias ideias, e a tristeza que ambos expressam no final do movimento lento é bastante tocante. Pode-se dizer o contrário do Scherzo do Trio para piano, violino e violoncelo em dó menor, no qual Bruno Monteiro, João Paulo Santos e o violoncelista Miguel Rocha saltam para as armas de acção e fazem uma leitura altamente empenhada. Se ouve esta profundamente dramática e comovente leitura do fim deste trio, está definitivamente a sentir necessidade de explorar mais a música de Guillaume Lekeu.”
| Jan de Kruijff
"Bruno Monteiro e João Paulo Santos interpretam a Sonata para Violino com sentimento apropriado e digno, cuidando dos detalhes. Mas este CD ganha ainda mais importância no Trio com Piano, uma obra-prima de quatro andamentos erroneamente subestimada e apaixonada de quase 45 minutos em tamanho e de fascínio beethoveniano que contém alguns momentos especiais da longa passagem do piano no início do très-lent, o poderoso scherzo como um todo e o misterioso Lent do final. São precisamente esses momentos que dão a esta gravação, como um todo, um registro de sucesso de valor especial."
| Terry Robbins
"Há muito aqui para apreciar (Schulhoff). A execução na Suíte e nas Sonatas Nos. 1 e 2 é excelente, com um som rico e ressonante do piano e um excelente equilíbrio com o violino.O CD de Szymanowski é ainda muito melhor, especialmente o CD2 com Mitos Op.30 que abre o disco e o Nocturne e Tarantella Op.28 proporcionando um final pungente. A Sonata em Ré Menor Op.9, o Romance em Ré Maior, os Três Caprichos de Paganini Op.40 e a canção de embalar La Berceuse Op.52 são as outras obras originais do set, com as cinco faixas restantes sendo transcrições do compositor juntamente com o violinista compatriota Pawel Kochanski, ou - em dois casos - composições conjuntas por eles."
| Santiago Martín Bermúdez
"Erwin Schulhoff não foi autorizado a chegar aos cinquenta. Foi morto pelos nazis, como tantos outros milhões. Surpresa deste álbum; a música de câmara do compositor que teria sido insuperável não tivesse caído em teias tão difíceis. Resistindo ao Terceiro Reich, sendo Checo, quando britânicos e franceses lhe tinham dado sua bênção em Munique em 1938! Surpresa porque percebemos nestas obras com violino, sozinho ou acompanhado, uma transição para a nova objectividade e uma nostalgia de um tempo perdido, que não é exactamente a música pós-Romântica. Também surpreendente porque é uma produção totalmente portuguesa, uma gravação na Igreja da Cartuxa de Caxias no ano passado, por dois artistas portugueses de grande categoria. Monteiro e Santos trilharam as Sonatas para violino e piano, a Suite que abre o recital (cinco belas danças com toques clássicos) e a Sonata para violino solo, em cujos quatro andamentos Monteiro brilha; é um trabalho sábio, penetrante. A grande vantagem do período entre guerras foram compositores como Schulhoff, que seguiram, desmentiram, proibiram, desmontaram ou excederam os ensinamentos pós-Guerra e pós-Viena. Mas os seus professores foram também expulsos ou destruídos, por isso as coisas ficaram difíceis de juntar depois desses anos. Este CD vai ser muito bom para aqueles que querem fazer isso, amarrar as pontas de uma era de que todos não tinham conhecimento, e que, só recentemente, uma vez que em algum momento no final dos anos 70 e princípios dos 80, começamos a receber testemunhos, crédito, informações como aqui fornecidas. Monteiro e Santos apresentam um belo disco de um repertório ilógico e oculto das coisas. E a Brilliant é direccionada para uma nova descoberta nas suas recuperações, tão acessível para orçamentos modestos, sem ser modesta nas suas pretensões e objectivos."
| Santiago Martín Bermúdez
"Uma bela gravação. Juntamente com algumas brevidades de Karol Szymanowski, obras que têm importância em si mesmo (The Dawn, Dance Sauvage) ou dois outros derivados (a dança Ballet Harnasie, a música de Roxana de King Roger), este duplo CD oferece importantes obras que marcam momentos transcendentes do itinerário de Szymanowski: Mitos Op.30, especialmente, de 1915, no vértice da primeira fase de maturidade do compositor; ou a Sonata de 1904, uma obra de juventude de declamação muito clara, altura em que todo artista aproveita influências externas (não que vejamos lá Brahms, mas simplesmente, o jovem Karol conhece muito bem a música dos últimos anos do século). Poderíamos adicionar a ambas as obras de grande encorajamento duas outras semelhantes em ambição, a adaptação dos Caprichos de Paganini ou ambos os andamentos de Nocturno e Tarantella. Várias obras incluídas neste programa estão fora do catálogo oficial do grande compositor polaco. Dois excelentes solistas portugueses, o violinista Bruno Monteiro e o pianista João Paulo Santos dão um belo recital de música sensual, só às vezes dramáticas, das partituras para realizações completas como os Mitos op. 30. Virtuosismo, mas acima de tudo a compreensão das frases e sequências de células que motivam sugestões, em vez de afirmações. Algumas leituras com ambiente "francês", outras, classicistas, mas sempre com intensidades medidas e elegantes, e não só quando (digamos) a agitação é imposta, como no final do programa em si, a napolitana Tarantella mais ou menos de 1915 que faz um par brilhante com o Nocturno, evocando por vezes o estilo Espanhol de Albéniz e outros contemporâneos daqui. Finalmente, um duplo CD de obras e artistas de alto nível, a um desses preços incríveis da etiqueta Brilliant."
| Robert Matthew-Walker
*****

"Aqui está uma gravação muito importante de música de câmara to século XX anteriormente negligenciada. Schulhoff foi um dos grandes músicos judeus – pianista e compositor – que desapareceu no Holocausto. Só muito recentemente é que a sua música tem vindo a ser redescoberta e recebido o seu valor como um autor de grandes dotes. Temos que agradecer ao violinista Bruno Monteiro e ao seu excelente colega João Paulo Santos por nos darem este CD muito bem tocado e gravado, que faz um já atrasado acto de reconstituir a música deste notável compositor. A música data largamente das décadas de 1920 e 30 claro e, de muitas formas, reflecte o modernismo desse tempo – mas Schulhoff não é um simples imitador – aqui está música de um compositor individualista, que vale bem a pena ouvir."
| Gonzalo Pérez Chamorro
Escolha do Editor/Top 10 CD´s de Março de 2017

*****

"Bruno Monteiro e João Paulo Santos são amigos de reportórios fascinantes, mas pouco viajados, essas obras entre os séculos que descrevem a ambiguidade do tempo, a incerteza e de mudanças de estilo profundas. Se eles tiveram o seu encontro com a obra para violino e piano de Szymanowski (esses Mitos...), agora seguem para Erwin Schulhoff (1894- 1942), que morreu no campo de concentração de Wülzburg, onde adoeceu mortalmente de Tuberculose. Esta produção de 4 obras (Suite WV18, Sonata n. 1, Sonata para violino solo e Sonata WV83 n. 2) é como um diário de vida do autor, desde a neoclássica Suíte até à Sonata n. 2 de 1927. Schulhoff, ao contrário de outros contemporâneos, não escreve em larga escala, o andamento mais longo encontra-se na Sonata n. 2 (cerca de 6'40 ''). O uso extensivo de surdinas, sonoridades próximas da ironia ou intervalos harmonicamente instáveis, provocada pela busca da modernidade consolidada saem com naturalidade do arco de Bruno Monteiro, grande conhecedor destes reportórios. Estando as obras por ordem cronológica, o ouvinte percebe um Schulhoff cada vez mais moderado (mas nunca muito reflectivo, há muita tensão, como o Andante da Sonata para violino solo e da Sonata. 2, este muito “Bartokiano”), mais criativo e com maior domínio da forma."

| Gilles-Daniel Percet
****

"Cedo notado por Dvorak, o checo Schulhoff (pianista e compositor) morreu pouco depois da sua prisão (que precedeu um projecto de fuga para a URSS) pelos nazis que há muito o apontavam como bolchevique judeu (autor de uma cantata sobre o Manifesto Comunista!), gay (mas casado) e de '' visão de futuro 'degenerada'. Ele rapidamente abandonou a pós-romantismo e o “Debussyismo”, e ficou atraído pelo jazz e dadaísmo.
Ele proclamou que a revolução de arte absoluta era contra o som e ritmo acordado. Entre as linhas acerbas, danças e expressividade mais tradicional (o '' Tranquilo '' aqui na primeira sonata), em que na sua maioria se faz sentir um frescor prolongado, renovação quase à vista, uma espécie de perpetuum mobile inspirado. Para não mencionar que era amigo de Alban Berg (os sons que lembra às vezes, como nesta segunda sonata), ele nunca recorreu ao serialismo.
E sempre, em uma viagem de Bach (o título já está presente também no belo “Andante”, da segunda sonata e na sonata solo de violino) realismo socialista, dissonâncias, o tom modal e trimestre, mas em uma abordagem muito livre. Música verdadeiramente inspiradora, revigorante, ganhando em profundidade pela escuta repetida, perfeitamente servida pelos nossos dois intérpretes."
| Stuart Sillitoe
"Das quatro obras aqui apresentadas só conhecia duas, a Sonata para Violino Solo e a Sonata para Violino e Piano nº 2. Na minha outra gravação, de Oleh Krysa e Tatiana Tchekina (BIS-CD-697), a segunda sonata é designada como No. 1 Op. 7. Aqui Bruno Monteiro e João Paulo Santos são consideravelmente mais lentos do que Krysa e Tchekina cuja interperetação eu prefiro.Ele (Monteiro) faz um bom trabalho (...) João Paulo Santos soa em casa, prova ser um intérprete experiente, trazendo para fora cada nuance da música.
O som é bom. A princípio pensei que era um pouco brilhante de mais, mas com uma escuta repetida cheguei à conclusão de que era do som de Bruno Monteiro e não da gravação. As notas do booklet de acompanhamento são bastante detalhadas e informativas, concentrando-se na música e não no compositor. Eles fazem uma boa introdução a estas obras."
| Grego Applegate Edwards
"Erwin Schulhoff nasceu na Checoslováquia em 1894 e lá viveu grande parte de sua vida. Os seus anos de estudante encontraram-no no Conservatório de Praga quando tinha apenas 10 anos e em seguida em Viena, Leipzig e Colónia, onde estudou com Max Reger e Debussy. A sua herança judaica levou à morte intempestiva nas mãos dos nazis em 1942.
Passou por anos sucessivos de composição pós-romântica, avant-garde e depois uma fase folclórica e neoclássica checa. Podem-se muito bem ouvir delineados todos os períodos nesta nova versão da integral da obra para violino e piano (Brilliant 95324). As obras são tocadas com espírito vivo e sensibilidade idiomática por Bruno Monteiro no violino e João Paulo Santos no piano.
Ouvi um pouco de sua música anteriormente, mas este novo CD em particular é um alerta para o ouvido. Do grande carácter de sua "Suite para Violino e Piano", a modernidade de sua "Sonata para Violino Solo", para a inspiração e escrita clássica das suas duas "Sonatas para Violino e Piano" surge um quadro completo de uma voz original dos seus tempos, de um compositor de coerência temática e excelente senso de fluxo.
Ele pode ser o maior dos compositores para nós a ter sido perdido no holocausto, ou certamente entre os mais talentosos.Este disco detalha o seu brilho. Recomendo-o muito vivamente."
| Brian Wigman
"Este é um belo disco. Bruno Monteiro e o pianista João Paulo Santos já abordaram um repertório aventureiro para a Naxos e a Brilliant Classics, e esta pode ser sua melhor conquista em disco.
Desde que se mudou para a Brilliant Classics, o som único de Monteiro é maravilhosamente capturado. João Paulo Santos não é um mero artista de fundo, mas um parceiro artístico profundamente sensível e empenhado. Há muita escrita para o piano, tanto na suíte como nas sonatas, e nenhuma delas é especialmente simples. Mas a escrita do violino é consistentemente inventiva e prova-se muito gratificante.O som é excelente e complementa idealmente as interpretações. Estas peças seria um item de recital ideal, e eu estou um pouco surpreso que não as ouçamos mais vezes. Graças à Brilliant Classics por esta importante adição à discografia do compositor e à biblioteca de música de violino em disco."
| John J. Puccio
Classical Candor Favourite Recordings 2016

"Numa retrospectiva de Monteiro e Santos tocando a música do compositor português Fernando Lopes-Graça, disse deles que tocam "tão carinhosamente, tão encantadoramente, que espero ouvi-los de novo". Agora, tenho essa possibilidade, e eu não estou menos impressionado.

O programa contém quatro obras: uma suite para violino e piano, duas sonatas para violino e piano e uma sonata para violino solo. O que as pessoas se devem lembrar, no entanto, é que Schulhoff começou a compor em torno do tempo que a era moderna da música começou, e enquanto ele é claramente vanguardista, inovador e experimental para o seu dia, tem um pé firmemente plantado em melodias e as harmonias da geração romântica mais velha. Assim, sua música é uma espécie de amálgama fascinante do velho e do novo.

De qualquer forma, Monteiro organizou a ordem do programa em ordem cronológica, começando com a suíte de cinco andamentos, que data de 1911. Tem uma perspectiva geralmente positiva e feliz, com o violinista deleitando com a sua forma de tocar quase clássica. O som de Monteiro é sempre limpo, dourado e vibrante, qualidades que mantém durante todo o programa. Os segmentos interiores do minueto e da valsa parecem os mais aventureiros, contudo nunca se tornam objecionáveis nas suas excentricidades. O andamento final termina a peça com algo originalmente intitulado "Dança dos Pequenos Diabos", e é encantador nas suas delícias travessas, pelo menos a maneira como Monteiro e Santos o tocam.

Os três itens seguintes são mais abertamente "modernos", sendo um pouco menos harmoniosos ou melódicos. A primeira sonata tem mais partidas e chegadas, com seções mais contrastantes e um impulso rítmico mais enfático. No entanto, para todas as suas esquisitices vem com um humor atraentemente pensativo sob a orientação de Monteiro e Santos.

Na obra para violino solo, Monteiro não só mostra seus talentos mais virtuosísticos, mas também exibe os seus conhecimentos e sentimentos pelas as expressões do jazz adoptadas por Schulhoff. Finalmente, na segunda sonata, ouvimos um sentimento mais dançante do compositor, provavelmente por ele abraçar mais os elementos folclóricos nativos de seu país. Não espere Dvorak, mas compreenda a ideia. Começa vigorosamente, energicamente, seguido por um andamento lento altamente expressivo e retornando nos segmentos finais a alguns dos mesmos temas com os quais a música começou. Mais uma vez, Monteiro e Santos fazem um duo esplêndido, mantendo o drama da obra movendo-se em frente com um encantamento pulsante e cintilante.

O produtor Bruno Monteiro e o engenheiro e editor José Fortes gravaram o álbum na Igreja da Cartuxa, em Caxias, Portugal, em Abril de 2016. A igreja é uma excelente sala para os músicos, o som assumido com um toque de reverberação natural sem afectar de forma alguma a total transparência dos instrumentos. Temos clareza e impacto dinâmico em abundância, além de uma separação realista dos músicos, tornando a audição agradável e realista."

| Lynn René Bayley
"... O violinista Monteiro possui um óptimo som e uma óptima técnica ... Monteiro não recua; ataca esta música com prazer, entendendo totalmente seu idioma e seu propósito.Tudo somado, um fascinante vislumbre de um lado diferente de Schulhoff. No final, eu não estou tão certa como realmente me senti sobre esta música no geral; Sim, é interessante, mas era substantivo o suficiente para justificar uma audição repetida? Essa é uma pergunta que cada ouvinte tem que responder por ele ou ela mesma. Só posso dizer minha reacção; Eu não posso prever a sua; Mas certamente vale a pena ouvir pelo menos uma vez."
| Jean-Yves Duperron
"O violinista Bruno Monteiro tem uma maneira de mudar drasticamente a cor tonal de seu instrumento, às vezes nota por nota, com base no carácter da música em qualquer momento. Uma técnica bastante cativante e eficaz. E particularmente eficaz, por exemplo, na Sonata pós-romântica nº 1 para Violino e Piano WV24 de 1913. Os dois primeiros andamentos, na minha opinião, soam muito como se pudessem ter sido compostos por Alexander Scriabin nos estados finais de sua vida. Fortemente apaixonado e constantemente expandindo seu alcance harmónico. Erwin Schulhoff (1894-1942) escreveu esta Sonata de tal maneira que Bruno Monteiro e o pianista João Paulo Santos não podem deixar de alimentar-se da energia um do outro, seja claro ou escuro. O mesmo poderia ser dito sobre o andamento lento presságio da Sonata No. 2 de 1927 para violino e piano WV91 em que a expressividade sombria é a ordem do dia. De fato, a maior parte da música de Schulhoff é "dura", e por isso não quero dizer difícil, mas severa e difícil. Mas a forma eloquente de tocar de Bruno Monteiro atravessa o seu exterior duro e revela a intensidade ardente no seu centro."
| Stephen Smoliar
"A equipa de produção da Brilliant fez muito bem em nos dar esta versão sinceramente refrescante desta particular faceta do repertório de Schulhoff."
| Maria Augusta Gonçalves
"Aqui, mais uma vez, está bem evidente a mestria de ambos: o virtuosismo, o domínio técnico, o conhecimento profundo da obra e do seu tempo, da sofisticação da escrita, da sua exigência. De cada uma das peças e da sua interpretação, há momentos que permanecem para lá do instante da audição: a linha do violino, na “Gavotte” da Suite, a liberdade da Valsa, o lirismo da 1ª Sonata, a afirmação do piano no Allegro final, o poder dramático da 2ª Sonata, a exigência da Sonata para Violino Solo.
Até hoje, não houve muitos músicos a arriscar a integral da música para violino e piano de Schulhoff, nem muitas editoras que o fizessem. Houve a vienense Gramola (David Delgado e Stefan Schmidt), a norte-americana MSR (Eka Gogichashvili e Kae Hosada-Ayer), a britânica Hyperion (Tanja Becker-Bender e Markus Bender). Ouvindo Bruno Monteiro e João Paulo Santos, não se percebe a reserva. Os músicos portugueses colocam-se de imediato na primeira linha de escolhas. Oferecem leituras magníficas, revelam o fascínio das obras, a sua riqueza, o seu poder de sedução."
| Colin Clarke
"Qualquer disco que promova a causa do fenomenal compositor checo Erwin Schulhoff (1894-1942) é incrivelmente bem-vindo. Este lançamento da Brilliant Classics apresenta a integral da música para violino e piano por dois músicos portugueses numa boa, se não mesmo excepcional gravação, com belas notas de programa num abundante libreto por Ana Carvalho. A competição principal é o disco recente na editora MSR por Esa Gogichashvili e Kae Hosoda-Ayer (revisado por James North na Fanfare 39: 4) e Tanja Becker-Bender e Markus Becker na Hyperion (também Mr. North, Fanfare 34: 6). Todos os três discos apresentam exactamente o mesmo programa. O lançamento da Brilliant aparece a um preço mais baixo, que pode ser um factor decisivo para alguns; Apesar de não estarem listadas como disponíveis no archivmusic.com, houve um disco na Gramola destas obras a partir de 2013 (David Delgado e Stefan Schmidt, 98982) e um disco da Supraphon de 1994 com Ivan enatý e Josef Hála (112168), e este último acrescenta ainda uma peça apenas intitulada como "Melody".
Bruno Monteiro toca com grande personalidade (e um sentido de afinação perfeito) na Suíte para violino e piano, dada normalmente como "op. 1 " mas na versão actual listada como" WV18 ". O som de Monteiro é notavelmente puro nos registos mais agudos.
As duas sonatas de violino abrem a discografia para o coleccionador assíduo (isto é, aqueles não limitados pelo que está "oficialmente" ainda disponível) com uma gravação da Supraphon de 1977, presumivelmente LP somente (1 11 2149); Uma gravação precoce do BIS por Oleh Krysa e Tatiana Tchekina (679) e no pequeno selo Obligat (Musikproduktion München) Florian Sonnleitner e Hildegard Stenda (01.222) oferecem as únicas sonatas. A Primeira Sonata (WV24, mais geralmente conhecida como op.7) data de 1913 e é marcadamente mais avançada que a Suíte em linguagem musical. Monteiro e Santos são notavelmente hábeis em moverem-se entre os dois campos. O violino de Monteiro canta o cantabile do andamento lento ("Ruhig") e, embora se possa desejar maior presença de baixos do piano, Santos oferece um excelente suporte. De longe o andamento mais breve, o Scherzo cintila antes do Rondo final que oferece a sua sagacidade em staccato.
Escrito em 1927, quatro anos após o retorno de Schulhoff a Praga, a Sonata para Violino Solo faz referência à música folclórica checa. O andamento inicial, Allegro con fuoco, parece também ser material do mesmo tecido que a História do Soldado de Stravinsky no seu comportamento despreocupado; Os retornos recorrentes de Schulhoff ás quintas abertas repetidas aumentam a sensação ao ar livre. Este andamento é soberbamente, e decididamente rústico, na interpretação de Monteiro (que adiciona mesmo um pequeno ornamento não impresso na partitura). O segundo andamento, Andante cantabile, inclui marcas como "sonoro", "con passione" e "passionato Molto ", o que dá algumas ideias quanto aos seus níveis expressivos. A subida final para um harmónico pianíssimo é perfeitamente gerenciado. O Scherzo é um Allegretto grazioso muito bem tocado, segurando toda uma série de delícias e é carinhosamente expedido por Monteiro; O final, fazendo as mais claras referências à música folclórica emerge como uma peça imponente.
Finalmente, a segunda sonata de violino, composta em Novembro de 1927. O primeiro andamento cobre um vasto território, das quintas abertas da sonata solo que aqui retornam, reforçadas por acordes de piano em dissonância. A música está cheia de reviravoltas surpreendentes, habilmente negociadas por ambos os artistas (a força dos dedos de Santos é particularmente impressionante nas partes posteriores do andamento). Há até uma sugestão de uma cadência solo antes do final. O andamento lento (Andante) começa, essencialmente, silenciado tocando sinos no piano sobre o qual o violino canta um lamento fúnebre. Todo o andamento é basicamente uma longa canção para o solista, e Monteiro mantém a tensão por toda parte. A "Burlesca" leva-nos a um lado brincalhão de Schulhoff, e há uma agressividade na corda Sol de Monteiro que é extremamente atraente. O fim do andamento é incrivelmente imaginativo, e lindamente aqui tocado. As exigências do final (e há muitas, para ambos os músicos, individualmente e em termos de conjunto) são bem negociadas com uma emoção palpável.
Um disco fascinante e gratificante. É motivo de celebração que tal concorrência neste repertório esteja por aí, mas não há dúvida da firme convicção nesta música que emana das actuações de Monteiro e Santos."
| David DeBoor Canfield
"A maneira de tocar de Bruno Monteiro é muito respeitável. Apreciei este disco e o sólido esforço colaborativo do pianista João Paulo Santos, e posso, portanto, recomendar este CD como merecedor de investigação pelos interessados em repertório menos explorado."
| Jerry Dubins
"As quatro obras são aqui tocadas por Bruno Monteiro e João Paulo Santos, dois conceituados músicos portugueses que eu já ouvi, uma vez na gravação da Centaur com o Concerto para violino, piano e quarteto de cordas de Chausson, e depois no disco duplo para a Brilliant Classics com a integral da obra para violino e piano de Szymanowski.
Tenho o CD da Hyperion com Becker-Bender e Becker, e, embora este seja muito, muito bom, Monteiro e Santos mergulham mais profundamente no universo musical iconoclasta e idiossincrático de Schulhoff, produzindo resultados mais atmosféricos nos andamentos lentos e mais outré em andamentos rápidos, o que, penso eu, é o que Schulhoff pretendia. Grande parte de sua música, afinal, tinha a intenção de chocar e perturbar o status quo do dia.
Em uma comparação A-B entre as duas gravações, Becker-Bender e Becker apresentam-se como mais refinados, civilizados e urbanos, mas civismo e urbanidade não é o que Schulhoff pretendia. Monteiro e Santos projectam um sentido de primitivismo animalesco que aumenta a nossa consciência para o perigo e nos coloca em alerta para o predador prestes a nascer. Resumindo, Monteiro e Santos são mais arriscados e, portanto, mais entusiasmantes.
No final, acho que é justo dizer que Schulhoff é um gosto adquirido, um que, se alguma vez for adquirido de todo, se desenvolve lentamente. Monteiro e Santos conseguiram, no entanto, tornar a música do compositor tão palatável quanto os outros músicos que ouvi. Este novo disco de Monteiro e Santos pode assim ser recomendado como um bom ponto de partida para aguçar o apetite."
| Noemí Sánchez
"O Centro Centro Cibeles de Madrid acolheu ontem um recital de dois dos mais virtuosos músicos de Portugal: o violinista Bruno Monteiro e o pianista João Paulo Santos. Dentro da programação da XIV Edição da Mostra de Cultura Portuguesa, ambos os artistas encheram de música e magia o belo auditório antes conhecido como o Palácio das Comunicações de Madrid. A experiência e a cumplicidade entre ambos foi evidente e é aparente quando tocam juntos. Um concerto que emocionou."
| James Palmer
*****

"Ambas obras estão maravilhosamente bem tocadas aqui e otimamente gravadas com um balanço natural que é impressionante". (Saint-Saens/Strauss Sonatas para Violino e Piano)."
| James Palmer
*****

"... certamente muitíssimo expressivo, tal como a maneira de tocar do excelente artista Bruno Monteiro e do seu dotado pianista.

Esta coletânea é inteligentemente tocada por ordem cronológica, mostrando-nos desta forma a evolução do Compositor. A primeira obra, a Sonatina nº1, é verdadeiramente original e todas estas peças, quer sejam para violino e piano ou violino solo, valem mesmo o tempo e atenção dos amantes da Música.

A gravação é admiravelmente viva e toda a apresentação do CD é mais uma feliz realização da Naxos."

| Jens F. Laurson
Classical CD Of The Week: Szymanowski's Works For Violin And Piano

"Karol Szymanowski (1882 - 1937) é, para além de Chopin, o compositor nacional polaco. No caminho, é também um dos grandes compositores do século XX, geralmente subestimado, muitas vezes ignorado: um compositor que tem tudo a oferecer do romantismo pós-Brahmsiano ao êxtase exótico scriabinesco e à tenacidade rítmica de Bartók. Se ouvirmos algumas das suas obras em concerto, é mais provável que seja um dos fabulosos concertos para violino (ou ambos, como nesta ocasião com Frank Peter Zimmermann e o BRSO) ou talvez uma das sinfonias.

As obras de Szymanowski para violino e piano são uma excelente maneira de nos deixarmos levar pelo repertório de câmara menos conhecido do compositor e são perfeitamente adequadas para conhecer melhor os seus estilos heterogéneos. Duas belas gravações que contemplam esta música recentemente apareceram: uma de Marie Radauer-Plank (violino) e Henrike Brüggen (piano) na bela editora alemã Genuim e outra de Bruno Monteiro (violino) e João Paulo Santos (piano) na editora budget holandesa Brilliant (aquela que foi a primeira a mesclar com sucesso a abordagem do super-budget com qualidade).

A versão alemã contém a Sonata para Violino op.9, Mitos op.30, o “Danse paysanne” do ballet Harnasie, a Berceuse d'Aïtacho Enia, op.52, Nocturno e Tarantella op.28, um Nocturne sem número de opus, e “Roxana's Air” - em arranjo de Pawel Kochanski, extraído da grande ópera de Szymanowski, King Roger, e faz um CD. O lançamento da Brilliant faz reivindicações como sendo a integral da obra completa para violino e piano de Szymanowski e inclui todos os opus acima, mais a Romance em Ré maior op.23, Três Caprichos de Paganini op.40, a canção Kurpian op.58 / 9 (num seu próprio arranjo de uma canção de arte), e duas peças colaborativas mais curtas: L'Aube e Dance Sauvage, onde a parte de piano é de Szymanowski e as partes de violino de Kochanski e Leo Ornstein (outro, ainda mais subestimado e negligenciado), respectivamente.

Ambas as gravações são excelentes. O violinismo de Bruno Monteiro é mais directo e explosivo; Radauer-Plank é mais lírica, com uma abordagem mais leve, as notas separadas ainda mais, o ritmo em geral mais relaxado, mas não necessariamente sempre mais lento. Se o Duo Brüggen-Plank é mais móvel em sua abordagem, mas sempre juntas em sincronia, o duo português é mais etéreo e Monteiro quase que desliza por cima do pianismo de Santos como se fosse separado por uma camada de óleo. Enquanto o som da violinista alemã é vigoroso, mas às vezes magro ou beliscado e gravado numa acústica seca, o de Monteiro é redondo, arrojado e - particularmente verdadeiro para o piano de Paulo Santos - ressonante que beirava a lã. Nesta última gravação, prefiro o som mais violento e enfático do violino e o pianismo mais suave e aveludado. Com o Duo Brüggen-Plank, admiro o final intenso e apertado da música folclórica “Danse paysanne”. O som próximo, às vezes um pouco duro, certamente magro da produção é aqui um benefício. Henrike Brüggen toca maravilhosamente no Nocturno; tão habilidoso e suavemente quanto possível; Da mesma forma, Radauer-Plank exibe uma beleza e pureza no seu som. Bruno Monteiro só pode oferecer um som mais amplo, mais obscuro, porém mais misterioso, como alternativa.

Onde os portugueses se destacam é com sua articulação impulsiva e com a acústica da gravação na sonata para violino e piano, amplamente no estilo alemão romântico tardio. Nos belíssimos Mitos, Três Poemas – no fundo uma sonata para violino impressionista com sugestões robustas de Debussy – ambos os duos brilham com os seus méritos relativos: doce, ritmicamente rigoroso, elegante, dinamicamente viril, preciso e que exerce uma atracção irresistível na gravação Genuim; indulgente e vestida em névoa colorida na da Brilliant. A diferença no início do terceiro andamento - “Dryades et Pan” - é reveladora: Radauer-Plank entra e sai como um enxame de zangões super-precisos, amigáveis e curiosos; Monteiro balança casualmente como uma gôndola veneziana.

A Brilliant é conhecida por poupar nos seus booklets - mas não aqui… se se poder contentar com o inglês. As notas da Genuine, escritas pelas artistas, são absolutamente adequadas também e em três línguas. Se fosse apenas uma questão de quantidade, o conjunto de 2 CDs da Brilliant tem 110 minutos de música e o disco da Genuim 70…

P.S. Deve ser mencionado que a excelente Alina Ibragimova e Cédric Tiberghien também gravaram a obra completa de Szymanowski (na Hyperion), o que é uma proposição auto-evidente promissora - mas eu não ouvi essa gravação."
| Gonzalo Pérez Chamorro
Escolha do Editor/Top 10 CD´s de Fevereiro de 2018

*****

"Bruno Monteiro continua a viajar por estradas traseiras do repertório de câmara para violino entre séculos. Depois de seu CD de Erwin Schulhoff, desta vez parou em Karol Szymanowski, o brilhante compositor polaco não classificado, que praticamente compartilharia o seu lugar com Janácek, Scriabin, Martinu ou Enescu, entre outros, pois esse período favoreceu a abertura de espíritos livres contra a corrente. Esta gravação mostra toda a sua obra para violino e piano, que inclui peças pequenas, como a Ária de Roxana de King Roger (ópera fundamental do século XX), uma dança tirada do ballet de Harnasie ou a Dance Sauvage, entre outros, com obras de maior substância como a Sonata Op. 9 (1904), de ressonâncias Franckianas e, especialmente, Mitos Op. 30 (1915), uma das suas obras-primas, um tríptico "grego" no qual ele escreve os mitos com uma nova técnica de escrita para o violino. A leitura profunda do violinista português, com seu habitual pianista João Paulo Santos, explica e esclarece muito bem o pentatonismo, a harmonia quase dodecafônica ou os intervalos do estilo de Alois Hába. Já havia uma grande integral desta música por Ibragimova e Tiberghien (Hyperion), a que é adicionada esta em intenções iguais para consolidar, para música, interpretação e a necessidade de conhecer melhor o grande Szymanowski."

| Jan de Kruijff
"O génio de Karol Szymanowski (1882-1937) pode ser evasivo, mas também é muito amplo. Wagner foi uma influência inicial, mas desde a adolescência, Chopin, Scriabin, R. Strauss e Reger também desempenharam um papel no seu desenvolvimento de estilo.

Viajar pela Itália e pela África do Norte deu-lhe uma grande apreciação pelos clássicos e pela cultura árabe. O seu encontro com Debussy, Ravel e Stravinsky em Paris logo antes da Primeira Guerra foi uma experiência musical crucial. Muitas dessas influências cristalizaram quando Szymanowski ficou mais maduro.

A sua obra mais famosa para violino e piano, Mitos, composta em 1915 e publicada em 1921, são as três primeiras obras que possuem o seu estilo mais pessoal.

Szymanovsky sentiu fortemente que criou um novo estilo para composições de violino. Cada uma das três partes também reflecte o fascínio do compositor pela mitologia clássica.

Não se pode confundir: toda esta música estabelece primeiro requisitos técnicos formidáveis para ambos os artistas, enquanto as interpretações também exigem o melhor aprimoramento possível. Embora a ênfase esteja na coloração instrumental, em muitas destas obras, os músicos também devem prestar atenção ao conteúdo lírico e dramático.

Os dois artistas portugueses que aqui tocam, são ideais, parecem criados para este repertório, e oferecem excelentes interpretações. Durante o percurso, evocam belas cores e diferenciam bem entre os estilos.

O facto de que a gravação ter sido feita na Igreja da Cartuxa em Caxias dá uma reverberação um tanto generosa, mas ao mesmo tempo um som que é muito directo.

Em 2008, Anna Ibragimoa e Cédric Tiberghien também fizeram um chamado 'complete' das obras de violino / piano (Hyperion CDA 7703), mas deixaram as obras sem opus de lado e, claro, há a gravação de Rosanne Philippens e Julien Quentin (Channel Classics). CCS SA 36715), mas para o todo, esta da Brilliant Classics, é única e tão bem sucedida."
| Jens F. Laurson
"... Bruno Monteiro e João Paulo Santos também marcam pontos na sua versão recentemente gravada destas obras (Szymanowski - Música Completa para Violino e Piano) com articulação explosiva e som ressonante na Sonata, escrita no estilo romântico alemão tardio."
| Ernst Blach
"A gravação da obra completa para violino e piano (Szymanowski) abre fascinantes e novas ideias sobre o amplo trabalho artístico do compositor. Por exemplo, no Chant de Roxane, uma transcrição de sua ópera, o rei Roger, é evocada uma atmosfera oriental, na dança de Harnasia, uma adaptação do bailado homónimo do violinista Pavel Kochanski, sons tradicionais de música pastoral, que exige que o violinista toque em situações extremas.
Também em outras obras deste CD, a sofisticação técnica do virtuoso violinista Bruno Monteiro entra em jogo, por exemplo, na Sonata em ré menor ou na adaptação dos caprichos de Paganini com harmonias modernas.
A influência de Ravel e Debussy pode ser ouvida nos Mitos com seus tremolos, pizicatos, harmónicos, trinados, cordas duplas e o uso de escalas pentatónicas.
Szymanowski é um viajante de natureza musical do sul da Europa e da África no Nocturne e na Tarantella.
Os ritmos de Flamenco e Habanera fazem o violino tornar-se uma guitarra, e algumas das expressões não europeias são uma reminiscência do Médio Oriente.
Uma interpretação bem-sucedida, excelente desempenho, embora nem todas as obras de Szymanowski tenham a mesma qualidade e o momento dramático do violino na gravação às vezes seja demasiado saboreado."
| Santiago Martín Bermúdez
"Uma bela gravação. Juntamente com algumas brevidades de Karol Szymanowski, obras que têm importância em si mesmo (The Dawn, Dance Sauvage) ou dois outros derivados (a dança Ballet Harnasie, a música de Roxana de King Roger), este duplo CD oferece importantes obras que marcam momentos transcendentes do itinerário de Szymanowski: Mitos Op.30, especialmente, de 1915, no vértice da primeira fase de maturidade do compositor; ou a Sonata de 1904, uma obra de juventude de declamação muito clara, altura em que todo artista aproveita influências externas (não que vejamos lá Brahms, mas simplesmente, o jovem Karol conhece muito bem a música dos últimos anos do século). Poderíamos adicionar a ambas as obras de grande encorajamento duas outras semelhantes em ambição, a adaptação dos Caprichos de Paganini ou ambos os andamentos de Nocturno e Tarantella. Várias obras incluídas neste programa estão fora do catálogo oficial do grande compositor polaco. Dois excelentes solistas portugueses, o violinista Bruno Monteiro e o pianista João Paulo Santos dão um belo recital de música sensual, só às vezes dramáticas, das partituras para realizações completas como os Mitos op. 30. Virtuosismo, mas acima de tudo a compreensão das frases e sequências de células que motivam sugestões, em vez de afirmações. Algumas leituras com ambiente "francês", outras, classicistas, mas sempre com intensidades medidas e elegantes, e não só quando (digamos) a agitação é imposta, como no final do programa em si, a napolitana Tarantella mais ou menos de 1915 que faz um par brilhante com o Nocturno, evocando por vezes o estilo Espanhol de Albéniz e outros contemporâneos daqui. Finalmente, um duplo CD de obras e artistas de alto nível, a um desses preços incríveis da etiqueta Brilliant."
| James Palmer
*****

"Aqui está um extremamente valioso e muito bem-vindo registo, que reúne em dois CDs a música completa para violino e piano do maior compositor polaco desde Chopin. Aqueles que conhecem os seus dois magníficos Concertos para Violino não terão nenhuma segunda licitação para ouvir e espero adquirir este conjunto belissimamente executado e excelentemente gravado de obras como a Sonata em Ré menor e os Mitos que bem chamam a atenção de todos, e os de peças mais curtas, que abraçam várias obras bastante conhecidas mas mais frequentemente rotulados como encores, são igualmente merecedores da atenção do coleccionador musical inteligente. Bruno Monteiro é um violinista talentoso, e disso que não se tenha nenhuma dúvida, e ele é admiravelmente assistido por João Paulo Santos, o resultado sendo uma conjunto eminentemente recomendável que na nossa opinião não tem igual. Um CD muito fortemente recomendado."
| Roy Westbrook
"Todas estas obras tem muito boas interpretações pelo excelente duo Português (Bruno Monteiro no violino e João Paulo Santos no piano). Eles imanem as cores exóticas e saciam as harmonias exuberantes em ambos os três Mythes e a Sonata. (...) Os atributos de Monteiro estão bem sintonizados com as necessidades do idioma. Ele entrega-se sempre apaixonadamente á música, com muita cor e espírito na sua forma de tocar."
| Pedro Boléo
"Esta gravação tem a virtude de evocar e renovar essa cumplicidade entre dois músicos numa parceria actual entre dois intérpretes portugueses que não desistem de fazer e divulgar boa música. (…) O desafio é grande nas três “paráfrases” dos caprichos de Paganini, que obrigam Bruno Monteiro a um virtuosismo difícil de revisitar. (…) O melhor desta edição encontra-se no segundo CD, em Mythes op.30, uma obra de há cem anos (1915) em que a procura estética de Szymanowski e Kochansky (a obra foi mesmo composta a meias) nos leva por caminhos bem curiosos e o difícil não é só tocar as notas todas — é compreender e construir um discurso coerente. O violino e o piano inventam dinâmicas e sonoridades novas, com o violino desenhando melodias que vão até ao agudíssimo, e o piano em transições harmónicas surpreendentes que correspondem já a uma concepção diferente das suas primeiras obras."
| Julian Haylock
****

"Os virtuosos portugueses Monteiro e Santos, captados em som opulento, lançam-se numa luta virtuosa quando apropriado, dirigindo com clareza o ás vezes sinuoso discurso da música com um leme firme."
| Robert Matthew-Walker
*****

"Estou surpreso que ninguém nunca tenha pensado nisto antes – a obra completa para violino e piano deste grande mestre polaco. Além da Sonata magistral de grande escala e outras peças mais curtas bem conhecidas, esta colecção inclui todas as transcrições feitas ou estreadas pelo compositor, cuja associação com o grande Paul Kochanski produziu este esplêndido conjunto de obras. As interpretações são uniformemente excelentes, assim como é a gravação. Aqui está uma colecção altamente desejável e recomendável, uma das mais significativas que foram lançadas nos últimos anos no que diz respeito à música deste maravilhoso compositor disponibilizado agora em CD. É, portanto, fortemente recomendado."
| Brian Wigman
"Todos os lançamentos discográficos de Bruno Monteiro e João Paulo Santos confirma-os como uma parceria tremendamente aventureira e musical. Agora podem ser encontrados em editoras como a Naxos e a Brilliant Classics. Espero que os dois venham a ter mais reconhecimento. Enquanto se concentraram numa mistura de repertório romântico negligenciado e de obras-primas portuguesas em projectos anteriores, creio que este projecto seja o mais importante deles até agora. (...) Bruno Monteiro tem simplesmente o som certo para essa música, pela maneira como ele pinta vividamente estas histórias mitológicas para nós. (...) Aqui está um CD de real importância e grande apelo musical."
| João Santos
Um Szymanowski definitivo

"Esta generosa integral das suas peças para violino e piano por Bruno Monteiro e João Paulo Santos, é de uma fidelidade notável, identificando rigorosamente as inconfundíveis fases romântica, simbolista e nacionalista, mantendo a linearidade quando a música o exige, sucumbindo ao feitiço da cor quando ela tanto obriga, tornando o som alegórico quando nada mais do que a ingenuidade o parece temperar. E, ao mesmo tempo, deixam os intérpretes tentar-se pela transcendência, esquivando-se ao contexto, renunciando à edeologia, relançando a sensualidade. É nesses instantes que surge aqui um Szymanowski definitivo."
| Michael Loos
"Bruno Monteiro (Violino) e João Paulo Santos (Piano) tocam em conjunto, e enfrentam realmente os obstáculos altamente técnicos para ambos os instrumentos – e neste caso de Szymanowski não se pode dizer, de maneira nenhuma, que o pianista acompanha simplesmente o violinista. Em especial no 'Scherzando' provocativo do segundo andamento, a coordenação é mesmo excepcional. O compositor propõe um som muito diferente (e muito mais convincente) nos Mitos op. 30; e aqui Szymanowski ousa dar um passo largo em direcção à modernidade. Ramificações de som enigmáticas dos dois instrumentos e uma grande ausência de temas e motivos distintos provocam um clima estranho e mágico, que é captado pelos dois intérpretes de uma maneira excelente. No Nocturne e Tarantella op. 28, uma obra tecnicamente e musicalmente muito exigente, os intérpretes estão plenamente à altura das exigências. Embora Szymanowski seja entretanto um compositor muito tocado (principalmente com as suas obras de piano e orquestra), a sua obra de música de câmara ainda leva uma existência sombria. Isso pode ser compreensível por causa das oscilações de qualidade das peças, mas são dignas de serem ouvidas – e então com uma interpretação tão bem conseguida, como essa de Monteiro e de Santos – sem dúvida."
| Maria Nockin
"Bruno Monteiro e João Paulo Santos tocam com magnífica virtuosidade na maneira como nos mostram as diferentes facetas deste interessante compositor. O som desta gravação da Brilliant Classics é vivo e mantém ambos os artistas no mesmo plano."
| Jerry Dubins
"Esta nova gravação de Monteiro/Santos é a única que, dentro do meu conhecimento de gravações de Szymanowski, oferece as seis obras originais do compositor, mais as cinco contribuições de Kochanski. "Arroubos eufóricos," se quasi-oriental, é uma boa descrição para estas interpretações radiantes e inspiradoras de Bruno Monteiro e João Santos. Para efeitos de comparação, eu possuo apenas o álbum de Ibragimova/Tiberghien na Hyperion, que não contém os extras de Kochanski. Pensaria porém que Ibragimova, que nasceu na Rússia, teria uma maior ligação ao também nascido na Rússia (agora Ucrânia) Polaco Szymanowski do que o Português Bruno Monteiro, mas que não parece ser o caso. Tecnicamente, os dois violinistas estão ao mesmo nível, mas no que diz respeito a chegar à essência da música indescritível de Szymanowski, Monteiro tem a vantagem definitiva. A nuance do fraseado e refinamento tonal que Monteiro traz a estas obras em parceria com a simpática colaboração de João Santos ilumina a música de dentro para fora de uma maneira que, para este ouvinte, fez uma impressão profunda e duradoura. Fortemente recomendado."
| Huntley Dent
"Monteiro e Santos são guias ideais através do mundo ilusório de Szymanowski; eles captam o perfume e as sombras na sua música de uma forma muito sugestiva. O som da Brilliant Classics é detalhado e atmosférico. Isso é o equivalente musical ao de caçar orquídeas raras em florestas tropicais enevoadas. Se a imagem contém qualquer apelo para si, assim será também a música para violino de Szymanowski."
| Maria Augusta Gonçalves
"Bruno Monteiro e João Paulo Santos estão à vontade no repertório. Interpretaram-no ao vivo, vezes sem conta, somam anos de trabalho conjunto, em diferentes universos, e partilham uma mesma visão de Szymanowski – a sua riqueza, a sua exigência, a sua história. Com ambos, prevalece a obra do compositor. Bruno Monteiro e João Paulo Santos arriscam agora a entrada no lote exclusivo dos seus grandes intérpretes."
| Stephen Smoliar
"A forma de tocar de Monteiro nesta nova gravação é particularmente eficaz em escalar o ambiente do Opus 30 (Mitos) que vai para além do plano dos meros mortais. CD altamente absorvente, que mostra veemente que esta música merece mais atenção quando os violinistas estão planear os seus programas de recital."
| Rui Branco
"A dupla constituída pelo violinista Bruno Monteiro e pelo pianista João Paulo Santos é uma das mais produtivas em termos discográficos, no universo da música clássica nacional. Desta feita, aborda obras exclusivamente de um dos maiores compositores portugueses, Fernando Lopes-Graça. O virtuosismo dos dois músicos ajuda-nos a compreender a grandeza do criador."
| Brian Wigman
"Há muita paixão nesta música; está profundamente enraizada nas mais antigas melodias à disposição do compositor. Dança, sorri, chora. Tem uma intensidade e um alcance de emoção que vai apelar a uns e pôr outros à prova. Não é de audição fácil, mas também é uma música gratificante. Quanto a Monteiro e Santos, abordam esta música do seu falecido compatriota, como se tivessem nascido para a tocar – e talvez tenham.
Monteiro tem uma sonoridade única. A Naxos concede-lhe o maior e mais quente som que ele alguma vez teve. Em relação a Santos, é o parceiro mais estável e inteligente que se pode desejar. As secções a solo estão igualmente distintas. Com três estreias mundiais e dois excelentes artistas a bordo, trata-se de uma audição de excelência para qualquer pessoa que pretenda vivenciar algo diferente.
Também espero que este seja o início de uma parceria longa e profícua com a Naxos para Monteiro e Santos. Eles merecem-no."
| Maria Augusta Gonçalves
Os extraordinários

"(…) Bruno Monteiro não desilude. A expressividade tão característica do intérprete responde ao virtuosismo exigido."
| James Palmer
*****

"... certamente muitíssimo expressivo, tal como a maneira de tocar do excelente artista Bruno Monteiro e do seu dotado pianista.
Esta coletânea é inteligentemente tocada por ordem cronológica, mostrando-nos desta forma a evolução do Compositor. A primeira obra, a Sonatina nº1, é verdadeiramente original e todas estas peças, quer sejam para violino e piano ou violino solo, valem mesmo o tempo e atenção dos amantes da Música.
A gravação é admiravelmente viva e toda a apresentação do CD é mais uma feliz realização da Naxos."

| João Santos
O Inferno

****

"Trata-se muitas vezes Fernando Lopes-Graça (1906-1994) como um agente envolvido em obscuros processos históricos. Mas, simplesmente, como a tantos outros, aconteceu-lhe o Estado Novo, que lhe deu ordem de prisão e arresto, lhe censurou escritos e ditos, criminalizou a profissão, mobilizou o espírito, ilegalizou a vida e, em certa medida, perigou a posteridade. Por isso há quem o veja à luz do maniqueísmo. Bem o sabe Bruno Monteiro, que, em declarações ao Expresso, sintetiza assim a questão: “A dualidade existe, sem dúvida. Mas é o que torna [esta] música tão interessante. Lopes-Graça, com as suas convicções políticas, sociais, musicais, estéticas, é, no fim de tudo, humano. Essa foi a nossa principal preocupação: trazer ao de cima o [seu] lado humano.” Coligindo esta importante integral que perpassa décadas de criação — partindo de um par de expressivas sonatinas, opúsculos 10 e 11, que remontam aos anos trinta, e terminando no algo mórbido “Adágio Doloroso e Fantasia”, Op. 242, de finais de oitenta —, Monteiro e João Paulo Santos compreenderam que o maior dos comprometimentos do compositor logo se escorava na definição e esponsabilidade intelectual. Por exemplo, em 1948 (ano da adesão oficial de Lopes-Graça ao PCP), em Portugal, ser comunista seria, decerto, uma oportunidade de partilhar de uma dignidade comum, mas Lopes-Graça jamais ignorou que, na música, a ideologia é como aquelas presenças nas nossas vidas cuja companhia nas doses erradas envenena e nas inversas inebria. Especificamente na sua dimensão camerística, aqui, ainda que se identifique impotência na forma, nunca se vislumbra vulgaridade no conteúdo. Com outra feição — porventura mais vaidosa ou rancorosa ou sublinhando em exagero miasmas e assimetrias — o que está neste CD escorregaria em absoluto para um cárcere do qual poderia não tornar. Diria o violinista que o próprio material proíbe leituras lineares: “Todas as obras são relativamente curtas, mas todas [são] completamente contrastantes. Até dentro de uma mesma peça, todos os andamentos são diferentes entre si. Não há continuidade. Somos obrigados a estar permanentemente a mudar de emoções e a ficar alerta, pois o carácter, a velocidade, a estrutura interior se altera constantemente.” Depoimento suficiente para se entender que este património não se deixa cativar por qualquer sistema. Aliás, em tempo algum se fixará em definitivo o que pressupõe uma identidade cultural de tal modo volátil, um virtuosismo que não depende só dos caprichos da invenção, sons provocantemente dependurados das esquinas da tonalidade. Monteiro e João Paulo têm noção de que pode seguir-se a democracia à ditadura, a liberdade à repressão, e haver sempre quem julgue que se trocou um inferno por outro. Um disco destes afasta do pensamento tão sombria ideia."

| Phillip Scott
“Este é definitivamente um disco no qual vale a pena mergulhar. Felizmente, os artistas não podiam estar mais plenamente envolvidos. Monteiro mantém um som atraente através das cordas duplas – em momento algum arranhando – e a sua forma de tocar os harmónicos é de pureza absoluta. Ele delineia o contraponto na Fuga a solo com habilidade. A contribuição de Santos também é excelente e os dois têm, claramente, uma forte conexão. Recomendo este disco pelas suas prestações e pela indubitável integridade do trabalho do compositor."
| Maria Nockin
“Graças a Monteiro e Santos sabemos, agora, mais sobre a história da música de Portugal do século XX e podemos desfrutar das suas primorosas interpretações desta nova música numa gravação muito bem conseguida com um som límpido."
| Lynn René Bayley
“Monteiro soa esplendidamente, o seu uso da nuance subtil a juntar à qualidade das obras e o pianista Santos desempenha um grande papel, apoiando-o (…) Um disco interessante."
| Greg Cahill
"... Monteiro mergulha nestas obras evocativas com intensidade desenfreada, e com o seu som rico e escuro envolve as sonatinas. É um desempenho de bravura de um jovem artista rumo ao estrelato que engrena na música de seu país nativo do século XX e que estende um convite poderoso ao mundo da música para apreciar um compositor lamentavelmente negligenciado e que deveria ficar ao lado dos outros grandes nomes de sua época."
| Bernardo Mariano
"... A constatação da atenção à estrutura, da clareza formal que se desprende das interpretações deste duo, tornando-se patente o vocabulário da organização “gracianos” – e aqui cumpre destacar o papel diretor de João Paulo Santos nesse âmbito. Bruno Monteiro terá tido aqui quiçá o seu maior desafio: pela dificuldade inerente às obras e por ser uma linguagem que escapa um pouco àquela que nos fomos apercebendo ser a sua “zona de conforto”. Mas a coragem de afrontar deve ser ressaltada e o violinista demostra-a copiosamente, a ponto de por vezes parecer estarmos a assistir a um combate, um duelo, do qual sai a ganhar a essência da obra."
| Jean-Yves Duperron
"O que imediatamente captou a minha atenção quando comecei a ouvir esta nova gravação de Naxos de obras de câmara do compositor Português Fernando Lopes-Graça, foi a forma altamente expressiva de tocar do violinista de Bruno Monteiro. O fato de a maioria das peças deste CD serem miniaturas em termos de estrutura, não impede Bruno Monteiro de aplicar peso dramático a todas e a cada uma delas. (...) Música que vale bem apena investigar!"
| Byzantion
"Cada obra faz exigências quase implacáveis e virtuosas ao pianista e, especialmente, ao violinista. Esses papéis são excelentemente desempenhados por Bruno Monteiro e João Paulo Santos, dois dos principais músicos de câmara em Portugal (…) O seu trabalho de conjunto é virtualmente telepático, mas, individualmente, também trazem inteligência máxima a estas peças, misturando gravitas e leveza, paixão e disciplina, o Lusitano e o Cosmopolita. A qualidade do som é de primeira classe – uma das melhores gravações que alguma vez saíram de Portugal."
| Bryce Morrison
"Quando dois discos de música por Fernando Lopes Graça (1906-93) chegam para serem revistos em simultâneo, trata-se de uma demonstração da riqueza de tudo o que está disponível em gravação. Poderoso e determinado, Lopes-Graça também irá apelar a quem gosta de desmontar uma caça ao tesouro de influências. Os fantasmas das maiores figuras das páginas assombradas do século XX, são, no entanto, transformadas pela dedicação em folclore e dança portugueses e pelo carácter distintivo do próprio compositor. O recital brilhante e urgentemente empenhado de Artur Pizarro deambulam pelas memórias de Stravinsky, Prokofiev e Bartók, Debussy e Ravel. Também Espanha é relembrada nos ritmos ferozes da Fantasia bética de Falla (o Allegro giusto da Segunda Sonata) e, todavia, todas estas influências são transmutadas para música de uma singularidade pungente. E, quer se aqueça pela forma como o final da Segunda Sonata se desvia da economia anterior para a complexidade, ou pelos variados aforismos de ‘Ao fio dos anos e das Horas’, vai ser chocado, a todo o passo, pela voz compulsiva e insistente do compositor. A Naxos concede-nos as obras completas para violino e piano e solo de violino, mais uma prova de variedade e individualidade. O Prelúdio e Fuga e os Esponsais para violino solo são cruelmente expostos e exigentes, sendo as suas dificuldades expedidas com uma segurança e eloquência infalíveis por Bruno Monteiro. A ele se junta João Paulo Santos, num resto do programa, uma parceria virtuosa na caça ao fantasma do Presto da Segunda Sonata e no Galope (Prelúdio, Capricho e Galope), onde o compositor quase chega a relaxar num jeu d’esprit, embora não sem uma corrente sarcástica. Ambos os discos estão bem gravados (o da Naxos muito de perto, apesar de isso acrescer uma sensação de premência). Declaradamente Lopes-Graça é um gosto adquirido, mas também é um compositor de integridade especial. Discos altamente bem-sucedidos, então, não apenas para os exploradores de música que estão fora dos circuitos habituais."
| Julian Haylock
****

"Bruno Monteiro e João Paulo Santos tocam esta música exuberantemente inventiva com uma sensação intuitiva pela sua imprevisibilidade jocosa."
| John Puccio
"Fernando Lopes-Graça não é propriamente um nome reconhecido. Pelo menos, não na América. Mas no seu Portugal de origem, é ligeiramente diferente: as pessoas conhecem o compositor, maestro e musicólogo um pouco melhor. Ainda assim, se o violinista Bruno Monteiro tivesse alguma coisa a dizer sobre o assunto, e se a magia das gravações de som continuar a espalhar a música de Lopes-Graça pelo mundo (conto dezasseis álbuns seus na Amazon), talvez um dia ele se trone um nome reconhecido.
De acordo com a sua biografia, Lopes-Graça (1906-1994) “iniciou a sua carreira aos catorze anos de idade enquanto pianista no Cine-Teatro de Tomar. Frequentou o Conservatório Nacional de Lisboa, onde estudou com Adriano Meira e Vianna da Motta (piano) e Tomás Borba e Luís Freitas Branco (composição e ciência musical). Concluiu os seus estudos superiores em composição, em 1931, com a nota máxima. Como resultado da oposição ao regime (o Estado Novo em Portugal era ultraconservador, ditatorial e repressivo), foi preso, banido para Alpiarça e foi-lhe recusado o direito de usufruir da bolsa que lhe tinha sido atribuída para se mudar para Paris e lá estudar. Não obstante, ele partiu às suas custas, aprofundando o seu conhecimento com Koechlin. Sendo o autor de uma vasta obra literária sobre música portuguesa, foi um pioneiro no estudo e na investigação do folclore português.
Muita da música de Lopes-Graça já está em disco e agora o Bruno Monteiro, colega músico português traz-nos as obras completas do autor parta violino e piano a solo no CD da Naxos. O próprio Monteiro é um dos mais relevantes violinistas de Portugal, actuando como recitalista, solista de concerto e como músico de câmara nos mais importantes centros musicais do país e internacionais, incluindo os EUA (Carnegie Hall). Com um número de gravações para seu crédito, Monteiro traz o seu talento considerável para suportar estas peças de violino e piano, o que demonstra bastante bem a dedicação do compositor ao folclore português tradicional, bem como o seu espírito independente e o seu desejo de promover a música contemporânea.
Há nove peças no disco, abrangendo um período significativo de tempo da vida de Lopes-Graça, desde as iniciais Sonatinas da década de 1930 até ao Adágio Doloroso e Fantasia de 1988. O programa permite-nos ter uma relativa boa ideia quanto ao que o compositor andava a fazer neste seu período musical e tanto o violinista Monteiro como o seu colega ao piano, João Paulo Santos, demonstram para com o compositor um grau de entusiasmo adequado.
Permitam-me que apresente alguns exemplos da minha reacção aos trabalhos do disco, começando com a música inicial, para vos dar uma ideia do que se trata.
A iniciar os trabalhos está a Sonatina nº1, Op. 10, que Lopes-Graça escreveu em 1931 mas que apenas se estreou em 1947. Talvez a sua concisão (quatro breves andamentos) e objectividade imperdoável tenham sido um pouco demais para tantos ouvintes aceitarem, ou talvez a rigidez das limitações de um governo conservador tenha travado tudo. Seja como for, a peça começa com um andamento Moderato que apresenta dois temas contrastantes, ambos com um toque de melancolia. O Lento ma non troppo que se segue dá seguimento a esta disposição, com o violino e o piano a bordarem as partes. O terceiro andamento Scherzando evidencia uma graça lírica, com alguns ritmos atraentemente resilientes. Nesse ponto, a peça termina com um Allegro non troppo moderadamente acelerado, com o piano e o violino a trocarem cordialidades num diálogo final inteligente. Apesar de nunca a ter ouvido, Monteiro e Santos tocam-na de uma forma tão afectuosa e encantadora que eu mal posso esperar por ouvi-los tocá-la novamente.
Outra peça que mal posso esperar para ouvir é o Prelúdio, Capricho e Galope, Op. 33, cujo título também enumera os seus três andamentos. Como o nome sugere, a música inclui um número de cadências, melodias de folclore, apesar de filtradas através de uma sensibilidade do século XX (Lopes-Graça compô-la em 1941). O ímpeto rítmico é evidente por toda a peça e as capacidades técnicas de Monteiro no violino soam impressionantes. O Galope final vai parecer particularmente familiar; porém o compositor e o solista investem nele com uma frescura só deles.
Possivelmente, os trabalhos musicais mais abertamente bonitos e acessíveis do disco são a Trois Pièces para violino e piano, Op. 118, de 1959. Estas são as peças mais semelhantes a canções que se podem encontrar no programa, especialmente o primeiro andamento, com o violino a cantar num papel primário. Aquando da sua conclusão, as melodias passaram de relativamente convencionais a um pouco mais aventureiras, mas os riscos valem a pena a sua audição. Monteiro e Santos levam-nos por uma expedição sensível, contudo arrebatadora, em direção a uma espécie de modernismo romântico.
O último elemento no programa é o Adágio Doloroso e Fantasia de Lopes-Graça, Op. 242, de 1988. Como implica o seu título, é um trabalho que exprime grande mágoa, com o violino de Monteiro a gritar em lamentação pesarosa, o piano a conceder-lhe apoio e consolo. A secção da Fantasia que conclui a peça é mais complexa, mais impetuosa, mais contrastante, contudo, inesperadamente reconfortante, também.
Música inteiramente nova para mim nem sempre me apela e muitas vezes compreendo, depois de a ouvir, porque é que nunca a tinha ouvido ou não tinha querido ouvi-la antes. Porém, com Lopes-graça, nas mãos capazes de Monteiro e Santos, dei por mim cativado por todo o álbum. Mesmo que tenha considerado alguma parte da música um pouco repetitiva ou estática para o meu gosto, a exploração valeu bem a viagem.
Bruno Monteiro produziu e José Fontes gravou e editou o álbum, gravando-o na Igreja da Cartuxa, em Caxias, Portugal, em Novembro de 2012. Os instrumentos fazem-se ouvir alto e em bom som, os dois solistas em grande equilíbrio, embora um nada perto. O som é sempre suave e natural, nunca severo ou estridente, não só graças aos microfones, mas também ao ressonante aflorar muito ligeiro e quente transmitido, sem dúvida, pelo local da gravação."
| Zita Ferreira Braga
A força da música de Lopes-Graça num concerto no São Luiz

"Bruno Monteiro no violino e João Paulo Santos ao piano, interpretaram de forma excelente, obras de Lopes-Graça, no concerto que teve lugar, nesta noite de 05 de Janeiro de 2013, no Teatro Municipal de São Luiz.
Tocar Lopes-Graça não é fácil, pelo que exige de virtuosismo, de entendimento de cada frase musical e de percepção daquilo que o compositor pretende transmitir.
As peças interpretadas neste concerto são peças curtas, exclusivamente compostas para violino e piano, tendo sido ainda executadas duas peças solo de violino.
Bruno Monteiro, violinista que já tocou em diversas salas e festivais de países como a Espanha, a França, a Itália, a Holanda, Estados Unidos, fez jus aos elogios e referências positivas com que se apresentou, demonstrando grande segurança e sensibilidade em peças de execução dificílima como é o caso do “Prelúdio e Fuga para Violino LG 137”.
João Paulo Santos acompanhou-o de forma brilhante e referimo-nos sobretudo à peça com que terminaram o concerto, “Prelúdio, Capricho e Galope para Violino e Piano LG 98”, onde a execução foi vibrante fazendo-nos lembrar o quanto de revolucionário tem a música de Fernando Lopes-Graça.
Lamentamos que compositores portugueses como Lopes-Graça, Joly Braga Santos e outros sejam tão poucas vezes objecto de concertos que permitiriam dar a conhecer ao grande público obras e criações musicais que não ficam nada a dever às de compositores de outras nacionalidades."
| Brian Wigman
"Há que valorizar a maravilhosa produção de música que aqui se encontra. Saint-Saëns e Strauss provavelmente afiguram-se como parceiros estranhos mesmo em disco, mas o programa é um argumento convincente de que a parceria resulta. Estes respeitados artistas Portugueses tocam com gosto e empenho e eu dei por mim entusiasmado com a música, de uma forma que a música de câmara – que surgiu tardiamente como um interesse meu – raramente me inspira.
As notas conferem a Saint-Saëns o crédito de trazer a música de câmara de volta à cena musical francesa e, assim sendo, temos muito por que estarmos gratos. Esta absolutamente deliciosa Sonata em Ré menor tem o refinamento de fábula daquele mestre Francês, num cenário de tal forma íntimo que somos levados a questionar-nos sobre o motivo pelo qual estas obras não são mais tocadas. Um guitarrista meu amigo chamou ao Ré menor a “mais triste tonalidade musical de toda a música” e enquanto eu normalmente concordo com essa apreciação, Saint-Saëns segue numa direcção diferente. É música melancólica, sem dúvida, mas com um sorriso. O primeiro andamento simplesmente seduz; desafio-vos a não gostarem dele. A animada dança de um segundo andamento permite que Santos e Monteiro se exibam, e a palavra de ordem é “diversão”. Faz-me lembrar o Carnaval dos Animais, o que, mais uma vez, torna a sua subexposição ainda mais desconcertante. O andamento final é muito, muito Francês – o que, neste contexto, é, indubitavelmente, uma coisa boa – e pura e simplesmente encanta. Tal como muito de Saint-Saëns, que não assume riscos musicais, mas, tomada por inteiro, é uma obra que vale a pena conhecer e adorar completamente.
Richard Strauss é certamente um compositor que correu riscos, apesar de as suas primeiras obras e as mais tardias serem consideravelmente mais brandas. Esta Sonata de dois andamentos é um dos primeiros trabalhos e um dos seus últimos de música de câmara antes de chocar o mundo com as suas óperas e os seus poemas sinfónicos. Também ela é encantadora, com um primeiro andamento ansioso e doce que até se poderia confundir com Brahms em algumas partes. Fiquei menos convencido com o segundo andamento, ao qual falta simplesmente contraste suficiente para com o primeiro (e contraste dentro do próprio andamento). Se sou menos entusiasta, quanto a ela como um todo, do que com a de Saint-Saëns, tal tem origem no fato de pura e simplesmente não se tratar de boa música. Santos e Monteiro acreditam claramente na obra e a sonata é preferível ao relativamente fraco concerto para violino do mesmo compositor, embora como um todo não seja a melhor escolha para uma sonata para violino.
Santos e Monteiro são dois artistas extraordinários. (…) Ainda assim, só por Saint-Saëns, este disco é algo a reter."
| Lynn René Bayley
"Aqui, o jovem violinista Português Bruno Monteiro apresenta-nos um interessante emparelhamento das sonatas Francesas e Alemãs do Romantismo tardio com a sua agora já familiar combinação de som doce e amargo. Nunca há qualquer dúvida com Monteiro quanto à sua completa absorção musical do material ou quanto à paixão e à fluidez das suas performances, com o ocasional timbre afiado, mas, em geral, a sua sonoridade é mais doce aqui do que em alguns dos seus outros CD´s. Acabei por aceitar que Monteiro é o nosso Bronislaw Huberman dos tempos modernos, embora me pareça instrutivo explicar algumas das semelhanças e diferenças. Tal como Huberman, Monteiro toca tudo com uma intensidade latente e emprega portamento – menos do que Huberman, cujo estilo parecia construir-se em torno deste, mas mais do que a maioria dos violinistas modernos usam (de notar, particularmente, o andamento de abertura da sonata de Strauss). Monteiro, tal como Huberman, tem também um registo grave invulgarmente negro, quase do género da violeta, que eu considero tremendamente apelativo. Huberman toca muito com um som liso, apenas usando vibrato para as notas sustentadas, como os violinistas do século XVIII e início do século XIX, enquanto Monteiro recorre a um vibrato exuberante por toda a peça. Possivelmente devido a isso, falta a Monteiro algo com o qual eu fico feliz, que é a inclinação de Huberman para ocasionalmente arranhar o som (mais predominante nas suas transmissões de 1940 do que na suas gravações em estúdio do início). A Monteiro também falta as fabulosas passagens, o pizzicato e a técnica spiccatto (um crítico admiravelmente descreveu o spiccatto de Huberman como “quase perverso”), bem como a notável semelhança estilística com os violinistas ciganos. Mas, claro está, todos somos diferentes e se Monteiro soasse exactamente como Huberman a tendência seria de o rotular como imitador e não original, coisa que ele é sem sombra de dúvida. Além disso, a falta de uma técnica de arco semelhante à dos ciganos não é um detrimento, dado que eu sempre senti que esse seria o motivo para as ocasionais arranhadelas de Huberman nas cordas. Ambos os violinistas abordam a peça com um sentido não só do drama, mas como uma ocasião momentânea; contudo, Monteiro é mais moderado no seu som consistentemente fluído (como um fluxo interminável da primeira à última nota), enquanto Huberman não seria capaz de quebrar para enfatizar o drama com maior intensidade.
De entre as duas sonatas, eu sinto que Monteiro esteve ainda mais forte na de Strauss do que na de Saint-Saëns, evidenciando um drama tremendo e “construindo” a música até e para lá de picos emocionais. A este respeito, Monteiro fez-me lembrar outro violinista do passado, Toscha Seidel, companheiro-aluno de Heifetz nas aulas de Leopold Auer que foi, na verdade, a primeira escolha de Auer para enviar para a América (entretanto ele mudou de ideias e enviou Heifetz). Seidel também detinha um som escuro, do estilo da violeta, na verdade ainda mais negro do que o de Huberman ou o de Monteiro. Mas, enquanto ouvi Monteiro a tocar o Strauss, recordei-me das descrições sobre como Seidel tocava. Ele percorreria o palco para cima e para baixo como uma pantera, com a cabeça ligeiramente inclinada para baixo como se estivesse a ouvir-se intensamente a si mesmo, de tal forma embrenhado pelo seu violino como se o público não existisse. Não sei se o comportamento de Monteiro em palco será assim, mas foi essa a minha impressão, especialmente na sonata de Strauss.
No meu zelo para enaltecer Monteiro não posso deixar de referir a excelente prestação do pianista Santos, embora, para ser honesta, ele funciona primeiramente como um acompanhador, ocasionalmente apresentando-se como um participante no drama musical contínuo (especialmente no segundo andamento da de Strauss, momento em que ele é absolutamente maravilhoso), mas é essa a natureza do mundo de pianistas de hoje, não serem músicos demasiado marcantes. A qualidade do som deste disco é notavelmente natural, captando em pleno o som dos dois instrumentos com uma fidelidade impressionante."
| Maria Nockin
"Os artistas Portugueses Bruno Monteiro e João Paulo Santos têm vindo a tornar-se conhecidos pelas suas interpretações apaixonadas de música para violino e piano. Neste CD tocam a Sonata N.º 1 em Ré Menor de Camille Saint-Saëns, Op. 75 e a Sonata em Mi Bemol Maior de Richard Strauss, Op. 18. Saint-Saëns compôs a sua primeira sonata para violino em 1885, quando estava a usufruir da plenitude da sua vida criativa. Os seus trabalhos subsequentes foram O Carnaval dos Animais e a sua terceira sinfonia. Ele dedicou a sonata a Franz Liszt e podemos ouvir algumas alusões às sonoridades de Liszt nela. Monteiro e Santos tocam os dois andamentos com convicção e estilo e fazem com que a música pareça muito mais simples do que realmente é. A comunicação entre eles é sempre instantânea, mas isso é, provavelmente, porque tocam muitas vezes juntos. Ocupam uma colocação sonora idêntica no disco, também, o que é importante para a concepção desta música. Tocam os ritmos complicados da primeira parte do segundo andamento com um estilo consumado. Apetece-nos procurar pequenas criaturas mágicas a dançar no tecto quando estamos a ouvi-la. Depois vem a secção mais complicada, mas tal nem sequer incomoda estes músicos. Eles nunca abrandam e manobram-na como se de um simples estudo se tratasse. Santos tem uma articulação maravilhosa e consegue manter cada nota separada, independentemente da rapidez com que toque. Monteiro tem um som de ouro polido e transmite muita intensidade emocional na sua forma de tocar. Midori e Robert McDonald tocaram esta peça no seu álbum Sonatas Francesas para Violino, em 2002. Também fizeram uma interpretação muito boa, mas o piano está ligeiramente mais à frente para o meu gosto. Gil Shaham e Gerhard Oppitz gravaram-na num estilo fantástico e com graça consumada em 1991, mas o som está um pouco desactualizado. A verdadeira concorrência aparece com a rendição de Joshua Bell e Jeremy Denk, em 2012, com a Sony Masterworks. Realmente capta o charme elusivo da música de Saint-Saëns. Richard Strauss escreveu esta sonata em 1887 e 1888 quando se apaixonou pela soprano que depois se tronaria sua mulher, Pauline de Ahna. Ele tinha apenas escrito música para o Romeo and Juliet de Shakespeare e em breve escreveria a inesquecível canção de arte, Breit über mein Kopf. Esta sonata tem três andamentos e começa com uma disposição sombria, que gradualmente se aligeira ao ponto de jubilação no final. O violino de Monteiro tem um som exuberante, particularmente no registo mais baixo. Ele e Santos transmitem sempre os encantos de música romântica como esta e quase se excedem um ao outro em termos de expressão emocional. Num lançamento de disco pela EMI em 2000, Sarah Chang e Wolfgang Sawallisch abordam de forma conservadora a música de Strauss e perdem a oportunidade de entusiasmar o ouvinte. Vadim Repin e Boris Beresovsky não se saem muito melhor na sua rendição de 2001 com a Elektra porque parecem perder muito do charme e do romance de Strauss. É imperativo felicitar Monteiro e Santos pela coragem de competir com outros bons artistas ao gravarem esta belíssima música. São necessárias várias versões da mesma para apreciar diferentes interpretações destas peças."
| Ivan March
O violinista português Monteiro ecoa o recente CD de Little

"Esta nova parelha de Bruno Monteiro com João Paulo Santos da Sonata para Violino de Strauss com a obra em Ré menor de Saint-Saëns permite uma fascinante comparação com o emparelhamento de Tasmin Little/Piers Lane de Strauss com Respighi, tão diferente no seu impulso avançado: Little e Lane tocam a Sonata de Strauss de uma forma comparativamente comedida, contudo ainda plena de sentimento emocional Romântico nos seus andamentos iniciais, seguidos de um final agitato. O seu estilo lírico calorosamente afectuoso, cheio de espontaneidade natural, relembra os próprios recitais de Strauss, com a sua esposa, Pauline. Esta delicadeza ansiosa de ímpeto, com os seus momentos de pura paião e virtuosidade, é bem diferente da abordagem de Monteiro, tão plena de entusiasmo e ousadia, ecoados pelo seu pianista e com tendência para arrebatar os seus ouvintes. Uma diferença semelhante é sentida no jogo dos emparelhamentos, igualmente tão diversos em caracter.
A Primeira Sonata para Violino de Saint-Saëns foi uma total surpresa para mim – conforme foi tocada aqui, bastante diferente dos Concertos para Piano. No seu tempo, Saint-Saëns era visto como o maior compositor francês; e, ao ouvir esta sonata de dois andamentos, com as suas secções externas poderosas e confiantes, pode compreender-se porquê e apreciar-se como é que os compatriotas do compositor ficavam tão desconcertados por uma composição tão compulsiva.
Mais uma vez, a diferença da alternativa de Little com a junção da Sonata para Violino rapsódica de Respighi e a encantadoramente leve Six Pieces é notável, especialmente quando são tão maravilhosamente tocadas, com total apoio de Lane. Assim, escolher entre os dois discos é difícil: ambos têm muitas virtudes."
| Greg Cahill
"As duas obras de referência da era romântica apresentadas neste disco são como navios que passam na noite: a Sonata nº1 para violino e piano em ré menor Op.75 de Camille Saint-Saëns foi escrita em 1885, no auge criativo do compositor francês, enquanto a Sonata para violino e piano em Mi bemol maior, op. 18 de Richard Strauss, composta entre 1887 e 1888, é uma das primeiras peças de juventude do compositor alemão. Nas mãos do talentoso violinista Português Bruno Monteiro, acompanhado pelo igualmente dotado pianista João Paulo Santos, elas recebem uma leitura emocionalmente sensível, ricamente equilibrada, e lírica que capta toda a elegância, tempestuosidade, melancolia e poder que se pode encontrar nestas obras de câmara grandiosas. Monteiro traz um ambiente aconchegante, um som belo e cantado nestas gravações e capta o brilho radiante nas mais complexas emoções expressas nestas obras."
| Maria Augusta Gonçalves
"As duas peças (Saint-Saëns/Strauss) testemunham a cumplicidade dos dois músicos- que somam mais de uma década de trabalho em conjunto -, o seu gosto pelo repertório romântico, o brilhantismo e a paixão com que o abordam. A gravação vem de 2007 – de perto de seis anos atrás -, mas não há mácula a apontar. Bruno Monteiro e João Paulo Santos, que, interpretam as obras em público, sobejamente, equilibram razão e emoção, entre as cores e a subtileza dos pormenores, que definem os ambientes de Saint- Saëns, e os grandes e eloquentes gestos de Strauss.
Depois de César Franck e de Gabriel Fauré, de Ernest Chausson e Eugene Ysaÿe, escolhidos para os discos anteriores, Saint- Saëns representa, de algum modo, o compositor francês que faltava (em disco) para que pudesse colocar Monteiro entre os intérpretes que melhor conhecem o repertório, a par do piano de João Paulo Santos. Ao mesmo tempo, a opção de Richard Strauss após Robert e Clara Schumann e Johannes Brahms, confirma a força emocional, o brilho e a clareza com que ambos enfrentam o repertório alemão."
| Rui Branco
"Dupla particularmente produtiva em termos discográficos, que nos faz chagar agora duas Sonatas de Camille Saint-Saëns e Richard Strauss, respectivamente, paradigmáticas do repertório romântico. Uma vez mais, ressalta o virtuosismo do violino de Bruno Monteiro, de que as teclas do piano de João Paulo Santos são complemento perfeito. Para uma audição cuidada, e de preferência, repetida."
| James Palmer
*****

"Ambas obras estão maravilhosamente bem tocadas aqui e otimamente gravadas com um balanço natural que é impressionante". (Saint-Saens/Strauss Sonatas para Violino e Piano)."

| Edward Bhesania
"O violinista Português Bruno Monteiro concluiu os seus estudos em os EUA e este é o seu sétimo disco, após lançamentos de Grieg, Franck, Fauré, Respighi e Prokofieff, entre outros. A parelha das obras deste lançamento é interessante não só pelo seu contraste estilístico, mas também porque Saint-Saëns só chegou à sonata para violino aos 50 anos, enquanto a efervescente obra de Strauss data dos seus vinte. Tecnicamente tudo está presente e correto. (...) Monteiro responde melhor ao romantismo exacerbado da Sonata de Strauss, e a sua forma mais fluida ajuda a traçar os contornos da obra. Ele está claramente entusiasmado com o que deve ser uma das mais gratificantes melodias para violino, no segundo andamento. Monteiro tem um modo de tocar adequadamente ardente e heróico, mas a concorrência é forte - não menos que Sarah Chang e Tasmin Little - mesmo nesta obra raramente ouvida."
| Byzantion
"Monteiro atinge consistentemente um equilíbrio quase perfeito entre o expressivo e o intelectual, especialmente na obra-prima de Saint-Saëns. O seu som é quente mas nunca açucarado face aos gestos calmos do pianismo de João Paulo Santos e enquanto duo oferecem, para todos aqueles que se possam ter esquecido de quão brilhante a Sonata em Ré Menor é um lembrete insistente. (…) A Sonata de Strauss, quase o seu último trabalho para música de câmara e um trabalho enganosamente exigente – técnica e psicologicamente – concede a Monteiro e Paulo Santos uma hipótese para deslumbrarem."
| Greg Cahill
"Forma de tocar expressiva, interpretativa, belo som e um óptimo livro de texto marcam conjuntamente esta maravilhosa gravação do Concerto para Violino, Piano e Quarteto de Cordas de Ernest Chausson, por vezes elegante e muitas vezes dramático, bem como o monumental Poème para Violino e Orquestra, aqui transcrito eficazmente para violino e piano. O violinista Bruno Monteiro tem uma performance emocional mas contidamente gerida, apresentando-se sempre à altura dos muitos desafios de Chausson nestas suas grandes obras – basta ouvir a forma como lida com as longas passagens no registo agudo no final do primeiro andamento do Concerto, "Decidé-Animé". Trata-se de um jovem músico de câmara com uma sensibilidade extraordinária. Em termos técnicos, Monteiro aprendeu bem as suas lições enquanto estudou na Manhattan School of Music, em Nova Iorque, onde trabalhou com Shmuel Ashkenasi, Patinka Kopec, Isidore Cohen e membros do American String Quartet. Como artista, mostra-se merecedor de uma porção muito maior da ribalta no palco mundial."
| Brian Wigman
"Bruno Monteiro e João Paulo Santos triunfam mais uma vez com este excepcional álbum de música francesa. Ambas as excepcionalmente maravilhosas obras foram dedicadas a Eugene Ysaÿe e, adequadamente, ambas são profundamente desafiantes e refinadas. Tal como aconteceu nos seus álbuns anteriores, Monteiro e Santos provam ser parceiros formidáveis. Assim como o seu disco dos trabalhos de Schumann, este lançamento já conta com consagração entusiástica. Também não é difícil compreender porquê; ambos os artistas escolhem o repertório sobre o qual têm fortes sentimentos e comprometem apenas os seus melhores pensamentos para com o disco. É bastante refrescante numa era na qual qualquer pessoa grava qualquer coisa – por vezes, uma segunda e uma terceira vez - poder ouvir tão excelente composição musical.
Um concerto para estas forças é pouco usual, para dizer o mínimo e, contudo, Chausson equilibra tudo sem esforço; não quereríamos a peça de qualquer outra forma. O Quarteto Lopes-Graça é impressionante, mas Santos e Monteiro imperam sobre eles. Monteiro toca maravilhosamente, com plena confiança e convicção. Como já referi anteriormente, ele tem uma sonoridade única, mas ela adapta-se tão bem à música francesa que ele toca que parece trivial questioná-la, E, mais uma vez, Santos prova-se um artista miraculosamente sensível. Talvez o quarteto se harmonize menos bem do que deveria, mas a peça em si é cativante e, no geral, plenamente satisfatória.
Esta união é excelente e surge sob a forma do persistente Poéme Op. 25. Aqui harmonizado para piano e violino, soa fresco e completamente natural. Monteiro emociona com um som quente, cheio de vibrato e Santos segue-o como uma sombra. É de tal forma convincente que nos questionamos porque é que não ouvimos a peça desta forma mais vezes. Se não gostarem de música francesa, música de câmara ou de violino, não haverá nada que possam ouvir para mudar a vossa opinião. Contudo, se gostarem desses elementos, este CD deverá proporcionar-vos muitas horas aprazíveis. Excelente!”
| Remy Franck
"Aqui está uma versão apaixonada e altamente expressiva do Concerto para Violino, Piano e Quarteto de Cordas de Ernest Chausson, que faz inteiramente justiça tanto à força dramática como ao lirismo da composição. No "Poème", o violinista português Bruno Monteiro mostra um som muito quente e fluido que diferencia os diferentes contrastes da obra."
| David Denton
"Este último lançamento descreve a obra como um "concerto" e com o violino e o piano colocados bem à frente, destaca as tremendas exigências técnicas num final onde os dedos voam em torno da escala do violino do notável violinista português Bruno Monteiro. Até esse momento, trata-se de uma interpretação tremendamente convincente, magistralmente executada, com uma Siciliene sensível e despretensiosa precedendo um Grave lento de dignidade serena. (…) Mas este disco da Centaur é recomendado pela interpretação rapsódica do Poème, na qual o generoso vibrato de Monteiro produz cores radiantes para complementar o generoso pano de fundo do pianista João Paulo Santos."
| Caroline Gill
"Um alinhamento impressionante de alguns dos mais conhecidos músicos de câmara de Portugal e a performance neste disco é criativa e lírica de uma forma que demonstra que estão calorosamente envolvidos no seu desempenho. (…) O som do violino solo é, na verdade, doce e belo."
| Maria Nockin
"As faixas de um a quatro são dedicadas ao concerto (Chausson). Bruno Monteiro, João Paulo Santos e o Quarteto Lopes-Graça começam com arcadas pesadas que rapidamente se suavizam até um lirismo íntimo que pintam com deslumbrantes cores tonais. Há várias gravações comparáveis desta obra. Joshua Bell, Jean-Yves Thibaudet e o Takacs String Quartet podem ser ouvidos numa excelente gravação Polygram de 1991. Itzhak Perlman, Jorge Bolet e o Juilliard String Quartet gravaram para a Sony em 1984. Ambos os discos têm desempenhos fabulosos, mas padecem de uma qualidade de som desactualizada. Por conseguinte, este disco de 2012 da Centaur mantem muito bem a sua. (…) Relativamente ao Poème, os trilos do violino de Monteiro são como o brilho do sol sobre um rio ondulante. A maior concorrência desta gravação é a de Julia Fischer, feita em 2011, para a Decca. A abordagem de Monteiro é dramática. A de Fischer, lírica. O som é excelente em ambos os discos, mas penso que a interpretação mais pessoal de Monteiro conta uma história que luta por um ideal que ele acaba por atingir com o esplendor da forma como toca."
| Mark Pullinger
"O desempenho destes artistas portugueses é agradável e a sua prestação desinibida. Eles captam a paixão e a intensidade do Concerto, especialmente os seus andamentos externos, enquanto o segundo andamento Siciliene tem encanto."
| Bárbara Cordón Hernández
"O agrupamento português liderado pelo violinista Bruno Monteiro aborda a obra com a concentração requerida e com uma intensidade fora do comum que encontra a sua expressão máxima nesse tipo de desfile fúnebre que é o Grave."
| Maria Augusta Gonçalves
"Tudo se joga no diálogo entre os instrumentos, um diálogo que ganha a sua própria vontade e que Bruno Monteiro e João Paulo Santos parecem dominar como poucos, depois dos anos de trabalho em conjunto. Bruno Monteiro, sempre claro, preciso e pungente, como o repertório exige, tem correspondência na mestria de João Paulo Santos. A interpretação de ambos e a escolha de duas versões menos recorrentes das obras de Chausson sustentam a importância deste disco, dedicado ao compositor francês."
| Byzantion
“Alguns dos maiores músicos de câmara portugueses juntaram-se para este recital de duas das mais famosas obras de Ernest Chausson. (…) Para o Concerto há concorrência acérrima, nenhum mais feroz que o alinhamento crème-de-la-crème de Joshua Bell, Jean-Yves Thibaudet e o Takács Quartet lançado pela Decca há meia dúzia de anos atrás (E4756709) como parte da Joshua Bell Edition. No espaço dos últimos seis meses, um novo lançamento da Naxos (Meadowmount Trio/Wihan String Quartet) não é tão forte como o presente. (…) Aqui os desempenhos são suficientemente fortes para garantir consideração. (…) Monteiro floresce com o suporte adicional do Quarteto Lopes-Graça no Concerto, que é sem certamente um dos maiores e melhores sextetos do repertório Romântico: lírico, intenso, sonhador, inventivo, reminiscente no espírito do anterior Quinteto de Piano de Franck e, nas mãos certas, ascendendo às mesmas alturas em êxtase. Certamente que aqui, os intérpretes parecem convencidos das suas potencialidades, expressivamente virando e revirando à medida que página após página a maravilhosa criação de Chausson levanta voo, como belas borboletas numa brisa de verão. A qualidade do som também é, do ponto de vista técnico, muito boa.”
| Jerry Dubins
"Monteiro toca com um som sedutoramente voluptuoso que exsuda a fragância de Chausson (Poème), ainda que seja algo perigoso o perfume que com a naturalidade de uma respiração não forçada é inalado e exalado. O seu desempenho é dotado de uma vulnerabilidade tocante e uma raiva pouco suprimida. (…) Depois de Poème com cerca de 75 gravações, o Concerto partilha uma competição renhida para o segundo lugar com o Poème de l’amour et de la mer, cada um com cerca de 25 gravações. A minha referência de entre as versões de que disponho já existe desde 1983, mas apresenta Itzhak Perlman, Jorge Bolet e o Juilliard String Quartet, todos no seu melhor, num CD da Sony que está agora disponível a preço razoável. No geral, Perlman e companhia são um pouco mais lentos que Monteiro, Santos, e o Quarteto Lopes-Graça, mas andamentos à parte, eu prefiro muito mais os recém-chegados pela sua prestação mais leve, e mais idiomaticamente Francesa da partitura e pelo muito melhor e mais actual som da gravação da Centaur."
| Brian Wigman
"A Portugal não é reconhecido muito crédito por nenhuma das suas proezas, mas elas são consideráveis, especialmente no que a arte diz respeito. Estas sonatas absolutamente encantadoras para violino de dois compositores que compuseram no século XX não só rectificam este lapso, como também enriquecem, sem dúvida, um repertório para violino já bastante rico. Monteiro e Santos já cativaram a minha atenção há algum tempo; este lançamento em 2010 é apenas mais um sucesso numa linha de grandes lançamentos. Admiro a sua arte, mas é realmente um prazer ouvi-los em música tão próxima deles.
Bruno Monteiro faz com que ambas as sonatas cantem. A Sonata de Da Silva é nova em disco e merece ser gravada mais umas vinte vezes. É um trabalho maravilhosamente executado, cheio de melodias exuberantes e alguma emoção apaixonada. É bastante à moda antiga, no sentido em que poderia muito bem ser um trabalho anterior e, portanto, o resultado não faz abalar o mundo, nem é revolucionário. Mas, para um compositor nascido em 1870, faz sentido. As melodias, especialmente no Andante, são divinas, cheias de vida e cor. Monteiro contribui com o seu sentimento habitualmente profundo, com uma sacudidela extra de energia. Quando muito, os seus timbres únicos servem especialmente bem esta música. As vossas sobrancelhas podem levantar-se face a este som, mas não vale a pena negar que se trata exactamente do som que o homem pretende. É ajudado, como sempre, por Santos, um grande artista no seu pleno direito, e um importante motivo pelo qual todos estes discos valem tanto a pena.
A Sonata por Fernandes (1906-1983) é completamente diferente em disposição e estilo. É também muito bonita, mas mais descaradamente moderna. Monteiro e Santos aparentemente saboreiam o desafio, equilibrando a beleza do trabalho com a sua natureza emocionalmente ambígua. Depois da de Silva, a de Fernandes pode parecer algo chocante. Monteiro é quem impulsiona a Sonata, mas Santos permite um cenário sólido, no qual o trabalho é pintado. Para mim, o ponto alto é, sem dúvida, a viragem misteriosa e sem esforço do terceiro andamento, no qual estes dois artistas quase travam um afectuoso dueto. Vale bem a pena a aquisição nem que seja apenas por esse momento. Uma excelente proeza, que apresentará os ouvintes a uma música que eles nem sabiam existir."
| Cristina Fernandes
"Bruno Monteiro toca de forma incisiva e pungente. A habitual fluência discursiva do violinista manifesta-se sobretudo no apaixonado "Allegro molto" final. (…) A Sonata de Armando José Fernandes revela-se mais consistente e equilibrada em termos de conceição e na variedade contrastante de ambientes musicais. É também nesta obra que o duo formado por Bruno Monteiro e João Paulo Santos mostra o seu melhor, tanto no plano da precisão técnica e da coordenação rítmica, como da paleta expressiva, confirmando o sólido percurso dos últimos anos."
| Rui Branco
"Excelência interpretativa"
| Maria Augusta Gonçalves
"A recompensa é imediata ao primeiro contacto com as obras de Óscar da Silva e Armando José Fernandes. Duas jóias preciosas raramente ouvidas, duas das mais fascinantes obram para violino e piano, da música portuguesa dos últimos cem anos (…) virtuosismo e a "medida certa" dos intérpretes, o que é rigorosa e espantosamente comprido. Os dois músicos têm mais do que provas dadas, nas suas próprias carreiras, têm também um percurso comum já com vários anos, com um repertório raro, partilhado e testado na verdade das salas de concerto. As expressões de Óscar da Silva e Armando José Fernandes, assentes em escritas tão distintas entre si, mas tão elaboradas e minuciosas, requerem essa verdade. Com Bruno Monteiro e João Paulo Santos não podia ser de outra maneira."
| Brian Wigman
“Robert Schumann recebe bastantes críticas pelas suas obras sinfónicas, que são algo rígidas na sua concepção. De seguida, não recebe crédito suficiente pela sua música de câmara. Vá-se lá perceber! Clara Schumann é, por norma, completamente preterida pelo seu marido e acaba por ficar, também, na sombra de Brahms. Talvez a família Schumann seja apenas azarada, então, mas a música é uma coisa simplesmente maravilhosa. Como referi no mês passado, João Paulo Santos e Bruno Monteiro são um duo formidável, que claramente acredita naquilo que toca. Este disco já atraiu grande atenção por parte dos meios de comunicação e com todo o direito; mas os meus motivos surgem de seguida.
Bruno Monteiro tem uma sonoridade única e é preciso habituarmo-nos a isso. Uma vez feita essa habituação, concentramo-nos na sua arte infalível e na sua sinceridade musical. As duas sonatas Schumann elevam-se simplesmente; a gravação da Centaur coloca-nos num lugar de uma sala de concertos. Aos meus ouvidos, a primeira sonata faz-me recordar imenso Brahms e não é nada pior por isso. Mesmo que não concordem, é tão deliciosamente comovente e Romântica que terão de apreciar quão magistral ela é. Talvez não tenha a melodia que o trabalho de Brahms teria para este emparelhamento, mas aquilo que realmente tem é, independentemente, grandioso. João Paulo Santos é simplesmente maravilhoso; adorei-o no disco Saint Saëns/Strauss cuja crítica escrevi e numa acústica mais favorável sou capaz de apreciar quão bom artista ele realmente é. Mas este continua a ser um espectáculo de Bruno Monteiro e ele brilha. O terceiro andamento sombriamente dramático mostra-o na sua melhor forma virtuosa.
A segunda sonata é tanto mais substancial como mais desafiante. Não perturba estes músicos nem um pouco e as suas capacidades brilham também neste trabalho. Durando mais de meia hora, esta peça exsuda Romanticismo de uma forma absolutamente arrepiante. Gostaria de destacar o terceiro andamento que é simplesmente deslumbrante. Mais uma vez, o som único do violinista pode fazer levantar algumas sobrancelhas, mas o seu intuito é tão sério e as melodias tão sentidas que há pouco sobre o que não concordar. O final conduz a obra a um encerramento tempestuoso e turbulento. É intensamente satisfatório.
Em vez da terceira sonata do compositor, Santos e Monteiro optam por três comoventes Romances da autoria da sua esposa, Clara, que se prova um par perfeito. Eles são o que são, miniaturas melancólicas e agridoce que mostram o dom extraordinário de Clara para a composição, uma dádiva que ela abandonaria com a morte de Robert. Mais uma vez, um louvor a Bruno Monteiro e João Paulo Santos pela sua total crença na música e pela sua boa vontade em apresenta-la perante nós. Isto é realmente muito, muito bom. Um disco vencedor."
| Lynn René Bayley
"Aqui está um disco com muita concorrência, muitas vezes de renome, particularmente nestes seus dois primeiros trabalhos, embora surpreendentemente, a maioria das versões mais recomendadas serem de nomes menos conhecidos (Nicolas Chumachenco em MDG 3041647, Thomas Zehetmair em Teldec 81031, e Ingolf Turban em Telos 98). Nos Romances de Clara Schumann, o seu maior concorrente parece ser Aaron Rosand (Musical Concepts 129) e Soojin Han (Profil 10071). Dou uma nota positiva ao disco pelo fraseado sensível e altamente musical de Monteiro, bem como pela marcante forma de tocar do pianista Santos. Ele é claramente um descendente, seja consciente ou inconscientemente, da escola de violino de Arnold Rosé, o que significa que produz um forte, mas adstringente som, quase viral, que provavelmente soaria bem se ele fosse concertino de uma grande orquestra, mas que pode ser dissonante no contexto de uma sonata. (Para ser sincera, oiço o mesmo som no muito mais famoso Gidon Kremer.). (…) A forma latente e apaixonada de tocar de Monteiro vai conquistando à medida que as obras progridem. (…) Dei por mim a gostar imensamente dele. Posso recomendar esta interpretação como cativante."
| Maria Nockin
"Bruno Monteiro é um jovem violinista que está a iniciar uma importante carreira internacional. Aqui, toca com o pianista João Paulo Santos, Director de Estudos Musicais e de Cena do Teatro Nacional de São Carlos. Juntos, a intensidade da sua interpretação confere vida à paixão romântica de Schumann. Monteiro tem sons maravilhosamente poéticos e dramáticos, enquanto Santos nos dá energia pianística. As Sonatas de Robert Schumann são altamente exigentes e há momentos em que a propulsão dramática se sobrepões à precisão, mas o resultado vale bem a pena. Trata-se de uma forma de tocar em que vale-tudo que comanda a atenção do ouvinte e a mantém durante cada sonata. Quando o compositor requer expressão apaixonada, é exactamente isso que Monteiro e Santos nos dão e quando Schumann pede um toque leve, eles fazem com que a música sou como uma brincadeira de crianças. Gidon Kremer e Martha Argerich também oferecem uma forte rendição das duas primeiras sonatas de Robert Schumann na Deutsche Grammophon, mas o seu disco foi gravado em 1985 e o som está um pouco aquém do som de grande qualidade dos dias de hoje. Há mais de uma década atrás, Silke Avenhaus e Isabelle Faust gravaram todas as três sonatas para a CPO, sendo o lançamento do disco e as suas rendições também boas, mas não tendo a intensidade e paixão da gravação de Monteiro e Santos para a Centaur. O ambiente é o de uma sala de concerto e o som é claro e presente."
| Jerry Dubins
"A última gravação de sonatas para violino de Schumann que eu recebi para crítica apresentavam a violinista coreana recém – aparecida Jennifer Koh, nascida em Chicago, e o seu excelente parceiro pianista Reiko Uchida. Isto foi em 2007, 30:6 artigo da revista. Da forma de tocar de Koh, disse, na altura, que se tratava de um refinamento transfigurado e de uma beleza que de alguma forma conseguia misturar um sentido de castidade angelical com um sentido de profundo conhecimento humano e comparei-a com Menuhin nos seus melhores anos. Trata-se de pisadas difíceis de seguir, mas o violinista português Bruno Monteiro consegue atingir uma beleza diferente mas igualmente sedutora, completamente sua, com as duas sonatas com número de opus. O seu som, não tão virginal como o de Koh, tem uma qualidade vibrante e latejante que envolve a expansão efusiva de Schumann de uma melodia que não pára com um brilho brando. Se é um brilho e um sentido de inocência que pauta as leituras de Koh, as de Monteiro são mais maduras, preenchidas de uma felicidade passada perdida e de presságios de trevas por chegar. Onde as duas versões se sobrepõe, complementam-se de forma agradável e se apenas se prendesse com as duas sonatas, eu teria problemas em escolher uma em detrimento da outra. (…) Os três Romances são lindamente e saudosamente tocados aqui por Monteiro e Santos. Uma versão completamente envolvente recomendada sem reservas."
| Byzantion
“(…) A saúde mental de Schumann estava em sério declínio nos últimos dois anos da sua vida, mas nas duas Sonatas deste atractivo recital pelo violinista português Bruno Monteiro e o seu vigoroso pianista João Paulo Santos não há quase sinal disso, mas antes de uma vitalidade e imaginação que estão inequivocamente voltados para o futuro. Tonalidades menores nem sempre significam ruína e obscuridade e quase não há cantos por iluminar em cada uma das Sonatas de Schumann. (…) Há muitas gravações disponíveis das duas, frequentemente emparelhadas: opções entre as gravações do CD single incluem Marwood e Tomes na Hyperion (CDA 67180), Gringolts e Laul na Onyx (4053), Wallin e Pöntinen na BIS (SACD 1784), Widmann e Várjon na ECM New Series (4766744), Kaler e Slutsky na Naxos (8.550870). Contudo, esta da editora americana independente Centaur também tem muito a seu favor, não menos do emparelhamento com os Romances de Clara, que são difíceis de encontrar. Além disso, juntamente com Carlos Damas, Bruno Monteiro é um dos principais violinistas portugueses. A sua abordagem à música de Schumann pode ser caracterizada como intelectual, com uma boa atenção aos tempi e fraseado e muito pouco vibrato. Ele nunca é secamente académico e exprime aspectos emocionais de forma eficaz, através de um apelativo rubato. O violino de Monteiro tem um som que não agradará a todos os gostos pendendo, contudo, um pouco mais para o lado fluorescente do que brilhante. João Paulo Santos é um parceiro de grande confiança e inteligência. A qualidade do som é boa no geral."
| Jorge Calado
"É consolador ouvir um disco de repertório internacional com instrumentistas portugueses. Bruno Monteiro, que teve o apoio do excelente Gerardo Ribeiro e posterior formação americana, é hoje um dos violinistas portugueses com maior visibilidade, sublinhada por uma mão-cheia de gravações. A beleza do som impõem-se logo no início da "Sonata em lá menor, Op. 105" (1851). Com a impecável colaboração de João Paulo Santos – sempre atento às mudanças de tempo, ritmo e textura do piano -, temos uma interpretação fresca, onde o carácter introspectivo não é atraiçoado pela maior ligeireza do 2º andamento nem pela brilhante articulação rítmica do 3º. (…) Já o delicioso 3º andamento (com corda percutida) e o endiabrado 4º (Sonata Op.121), onde Schumann se sente tentado a explorar novos ritmos e harmonias, me parecem bem explorados. (…) Os "3 Romances", de C. Schumann, compostos em 1853 e obviamente estimulados pelas sonatas do marido, são pequenas jóias melancólicas e oníricas, onde piano e violino dialogam de igual para igual."
| Bernardo Mariano
"Na Sonata nº1 (Schumann), destacamos o andamento inicial (Com expressão apaixonada) e na Segunda, de novo o andamento inicial e o terceiro, como aqueles onde a proficiência técnica e adequação da expressão (ambas puxando amiúde o violino até aos seus limites) atingem níveis mais elevados. Nas Romances, destaco o nº1, pelo equilíbrio de fusão doméstica e decoro salonesque."
| Maria Augusta Gonçalves
"Este é o primeiro disco do violinista Bruno Monteiro para a maior editora norte-americana independente, a Centaur. O facto diz muito do percurso do músico português e é também eloquente quanto à parceria com o pianista João Paulo Santos, presente em três dos quatro discos editados com a "assinatura" de Monteiro. (…) Bruno Monteiro e João Paulo Santos não temem a tensão constante, não evitam o confronto com a evidência, a inevitabilidade que cada uma das obras impõe. O piano oferece uma das mais justas leituras do último andamento da Grande Sonata, e o violino conhece bem a "voz" interna que Schumann lhe atribui – exemplo maior, o final do Op.105. A cumplicidade entre os dois músicos é evidente – mas também só é possível por quem sabe o que distingue uma grande interpretação. Aqui, a prova é feita, mais uma vez, a cada instante. O disco encerra com os três Romances de Clara Schumann e o seu diálogo expressivo e triste, entre os dois instrumentos. Um epílogo possível, provavelmente o mais exacto para uma das mais belas homenagens à música de câmara do compositor alemão surgida no último ano."
| Phil Muse
"Dois artistas de Portugal, Bruno Monteiro e João Paulo Santos, trazem vida nova a duas atraentes obras dos últimos anos da vida de Robert Schumann. (…) O final (Sonata nº1) exige um trabalho de equipa de ambos os músicos e mantêm os nossos artistas na ponta dos seus dedos. (…) O andamento final (Sonata nº2) nas mãos de Monteiro e Santos leva-os gradualmente a construir um óptimo clímax. O programa contém também os Três Romances, Op. 22 de Clara Schumann. O meu favorito, o n. 3 em Si bemol menor, está radiantemente belo nesta interpretação."
| Maria Augusta Gonçalves
"Um novo disco do violinista Bruno Monteiro, agora a solo. O músico frente-a-frente com os mestres, o intérprete perante as obras e nada mais. O desafio é assumido: «Os riscos são grandes», escreve Bruno Monteiro, nas notas que acompanham o CD. Não há suporte nem interacção com outros intérpretes, apenas coragem e entrega. Quanto ao repertório, só aumenta o desafio. O programa inclui a 2ª Partita de Bach, obra seminal para violino solo, a 2ª Sonata de Eugène Ysaÿe, Obsession, dedicada a Jacques Thibaud; a Sonata em Ré Maior, Op.115, de Sergei Prokofiev, e o Recitativo e Scherzo Caprice, Op.6, de Fritz Kreisler. Iniciar o percurso com Bach e a sua 2ª Partita é, por assim dizer, repor «a origem do mundo». Depois surge o Op.115 de Prokofiev, a Sonata para violino solo ou para violinos em uníssono, de 1947, exemplo menos conhecido do permanente contraste de ideias, característicos do compositor. Entre Prokofiev e Ysaÿe, encontra-se Fritz Kreisler, como se não fosse necessário recuperar o fôlego. Mas a peça, embora curta, não dá descanso, pelo virtuosismo extremo e pela tensão dramática, nem sempre associada ao intérprete-compositor. Por fim, a 2ª Sonata de Ysaÿe, uma das seis obras com que o compositor e violinista belga retomou, 200 anos depois, a atitude pioneira do mestre de Leipzig. O Prelúdio, aliás, retoma a 3ª Partita de Bach, citando-a e desenvolvendo-a, com uma «plasticidade» apenas possível no século XX. É como se tudo se prolongasse no tempo, do início ao final do disco. Uma aposta alta, uma aposta ganha. Da edição assumida completamente a solo (é de autor), convém ainda destacar o trabalho técnico de José Fortes."
| Cristina Fernandes
"Com a excepção das Sonatas e Partitas de J. S. Bach, os registos discográficos dedicados ao violino solo, sem nenhum outro suporte instrumental, são raros e constituem sempre desafios ambiciosos. Mas o violinista Bruno Monteiro não se deixou intimidar e envereda neste seu quarto CD pela aventura do solo absoluto com desenvoltura. O programa foi escolhido em função da sua personalidade, aliando "o lado virtuoso do instrumento ao lado intelectual de compositores de referência". Inclui a Partita nº 2, de J. S. Bach; a Sonata op.115, de Prokofiev, e obras de dois violinistas virtuosos que se admiravam mutuamente: o "Recitativo e Scherzo-Capricho" op.6, de Fritz Kreisler (peça dedicada a Ysaÿe) e a Sonata nº 2, op.27 nº2, "Obsession", de Eugene Ysaÿe (escrita para Jacques Thibaud). Esta última peça é uma homenagem a Bach, citando literalmente várias passagens do grande compositor barroco, mas combinando-as com traços da linguagem romântica. Este compromisso estilístico, aliado à escrita de alguém que conhecia a fundo o instrumento, parece adequar-se muito bem ao perfil musical de Bruno Monteiro que faz realçar de forma eloquente os diversos universos estéticos e expressivos da obra. Logo desde o início da gravação, mostra uma sonoridade bonita e brilhante. (…) O resultado que Bruno Monteiro consegue na monumental "Chacona" é admirável. Nesta página repleta de dificuldades, verdadeiro tour de force para todos os intérpretes, mostra um grande domínio técnico, aguda inteligência musical, bom sentido da polifonia e dos múltiplos contrastes desta música fascinante. Na Sonata op.115, de Prokofiev, e no "Recitativo e Scherzo-Capricho" op.6, de Kreisler, Bruno Monteiro reafirma qualidades como o lirismo, o vigor rítmico, agilidade técnica e um forte envolvimento emocional."
| Maria Augusta Gonçalves
"Em pouco mais de um ano, o violinista Bruno Monteiro edita o terceiro disco com o pianista João Paulo Santos, depois da estreia da dupla (Debut), nas Sonatas de César Franck e Edvard Grieg, e das 20th Century Expressions, com obras menos divulgadas de Szymanowski, Bloch e Korngold. Agora Bruno Monteiro recorre de novo a um repertório mais conhecido, com origem no Romantismo tardio e nas múltiplas expressões que desde logo abriam vias para as primeiras décadas do século XX, sustentado o título do disco, In Recital, e o nível da exigência técnica das edições anteriores: o Scherzo para violino e piano em Dó menor Wo02, de Johannes Brahms, a 1ª Sonata em Lá Maior Op.13 de Gabriel Fauré, a Sonata em Si menor de Ottorino Respighi, e o Zigeunerweisen, Op.20 n.1, de Pablo de Sarasate. Quatro compositores de diferentes origens: quatro obras ilustrativas de tudo o que os separa e do muito que os aproxima. A peça de Brahms, anterior às grandes obras tardias da música de câmara, sintetiza de algum modo as fundações do romantismo alemão, num ponto de viragem determinante - o início da década de 1850 - prenunciador da sua plenitude. Concebido para o célebre violinista Joseph Joachim, o Scherzo atinge um elevado grau de virtuosismo, desde logo patente no título, Frei, aber einsam, Livre, mas solitário, impondo o «destino» do intérprete. A Sonata de Gabriel Fauré, estreada em Paris em 1877, detém todo o poder de sedução do compositor francês, numa corrente que combina o apuro expressivo da época e uma perspectiva formal inovadora, em grande parte resultante da quase visionária instabilidade tonal aqui explorada. A Sonata em Si menor, de Respighi, abre uma percepção do compositor italiano, para lá dos mais conhecidos e sempre citados retractos sinfónicos da Trilogia Romana. E, no entanto, é como se analisasse ao pormenor a importância do «conjunto orquestral» na sua linguagem, pela permanente «metamorfose» de texturas, na interacção entre o violino e piano. Uma das mais difíceis e fascinantes obras do disco, tanto para o violino como para o piano. Por fim, Zigeunerweisen, a primeira das quatro peças inspiradas em melodias de origem húngara (ou cigana, como o nome indica), do compositor e violinista espanhol Pablo de Sarasate. É uma das mais populares do repertório, um fecho espectacular de recital, com o violino em primeiro plano, num dos mais exigentes desempenhos. Um «encore» de glória. Depois de os desafios colocados ao longo do programa, Bruno Monteiro bem a merece. João Paulo Santos também."
| Cristina Fernandes
Exuberância violinística

“Entre os instrumentistas portugueses da nova geração, o violinista Bruno Monteiro avulta como um dos músicos mais qualificados no plano técnico e artístico, o que se reflecte numa actividade musical intensa ao nível dos concertos ao vivo e na construção de uma discografia, que tem sido muito bem recebida pelo público e pela crítica. O programa inclui o "Scherzo" em Dó menor Wo02 de Brahms; a Sonata n.1, op.13, de Gabriel Fauré; a Sonata em Si menor, de Ottorino Respighi; e "Zigeunerweisen" op.20 nº1, de Pablo de Sarasate. Com os seus temas populares húngaros, os seus ritmos dançantes e fortes contrastes, esta última é uma típica peça de encore, que Bruno Monteiro nos devolve com grande energia e desenvoltura, mas o violinista é igualmente bem-sucedido em obras que solicitam outro fôlego no domínio estrutural como as Sonatas de Fauré e Respighi. Estas representam também a continuação de um percurso coerente ao nível estético que demonstra a predilecção por obras do final do século XIX e inícios do século XX com algumas afinidades entre si, iniciado com a gravação da Sonata de César Franck no seu registo discográfico de estreia. A sonoridade brilhante, um discurso musical sempre sustentado com veemência e sentido das tensões, efusões de lirismo nas secções em "cantabile" e um domínio técnico que lhe permite ultrapassar com agilidade as dificuldades da escrita virtuosística são alguns traços do estilo de Bruno Monteiro, que tem no pianista João Paulo Santos o suporte adequado."
| Bernardo Mariano
"Terceiro registo de Bruno Monteiro na Numérica, sempre com João Paulo Santos, este "In Recital" alinha duas curtas obras de Brahms (Scherzo em dó m, de 1853) e de Sarasate (Zigeunerweisen op. 20, de 1878) e duas amplas composições de Fauré e Respighi, respectivamente, as sonatas em lá M, Op. 13 (de 1875) e em si menor (de 1916-17), o todo formando um programa de elevada exigência a nível técnico e interpretativo. As interpretações da dupla Monteiro/Santos são todas de muito bom nível e nessa fasquia se equilibram. Abordagem sólida, pensada, com nervo rítmico e expansividade lírica nas doses certas e que atinge por vezes a exuberância."
| Rui Branco
"In Recital é o terceiro disco da dupla Bruno Monteiro (violino) /João Paulo Santos (piano), num curto espaço de tempo. Desta feita, Monteiro e Santos interpretam obras de Brahms, Fauré, Respighi e Sarasate. O resultado é francamente aliciante: convida a audições contínuas tamanha é a eficácia com que nos prendem os sentidos. O violino de Bruno Monteiro é cada vez mais poderoso, encontrando em João Paulo Santos o suporte ideal para explanar todo o seu virtuosismo."
| Brian Wigman
“Uau. Este é um lançamento importante para qualquer pessoa que esteja cansada do mesmo material de violino repetido vezes sem conta. É curioso: os coleccionadores reclamam sobre a falta de diversidade musical no mercado, mas normalmente escondem-se timidamente dos discos como este porque não apresentam “grandes” artistas com “grandes” marcas. Bem, Bruno Monteiro e João Paulo Santos são grandes artistas de acordo com qualquer padrão, tendo sido sempre elogiados por todas as marcas que agraciaram. Também ousam gravar uma variedade de obras que são, por vezes, difíceis de encontrar, e outras que são extremamente difíceis de encontrar. Francamente, não posso deixar de referir o quanto aprecio a parceria deles: não só fazem excelente música, como também existe uma química genuína que é muito cativante.
A de Szymanowski é uma obra-prima deste meio. Os andamentos exteriores fervilham com andamentos fortes. O andantino interior, pelo contrário, é tão tranquilo e encantador quanto pode ser. Szymanowski usa uma linguagem indubitavelmente moderna, mas nada se torna grosseiro ou feio, nem a obra confunde o ouvinte seja de que forma for. Isso não significa que não seja desafiante: é-o da melhor forma possível. Múltiplos ouvintes confirmam quão bem composta a obra realmente é, cheia de melodias boas misturadas com um argumento intelectual sólido. Monteiro e Santos tornam a obra sua. Enquanto o som do violinista foi referido como único, ele serve sempre a música com ele. E Santos mantém-se fiel a ele mesmo, ou seja, um pianista magistral a trabalhar com um parceiro que partilha a mesma linha. Juntos, permitem que a Sonata fale por si mesma, com excelentes resultados.
A Sonata de Bloch com três andamentos não é tão memorável ao início, mas acrescenta uma importante perspectiva sobre o compositor, que é conhecido por algumas obras. Não estou convencido com o andamento de abertura, que não tem a melodia nem a tensão da forma que a de Szymanowski tem. Por outro lado, o Molto quieto é incrível. Monteiro usa a sua sonoridade pessoal para um efeito impressionante face ao acompanhamento semelhante à chuva de Santos. É um assombro e imperativo ouvir. A peça termina com uma brincadeira animada e popular e isso agrada-me. Ao longo da mesma, o compromisso e a irrefutabilidade que este par traz à peça transcende, provavelmente, o trabalho em si. Mas o andamento do meio é qualquer coisa.
A obra de Korngold é uma forma engraçada de terminar um disco gratificante e é tocada extramente bem. Tal como aconteceu com os dois trabalhos anteriores, Monteiro e Santos infundem a suite com um tom de personalidade. É aqui que o som particular do violinista e o estilo são mais evidentes e, também, mais apropriados. A embalagem é atraente e chique, o som muito bom e o projecto no geral é tão satisfatório e musicalmente compensador como qualquer outro trabalho feito por este par. Excelente."
| Maria Augusta Gonçalves
"Se o programa do primeiro disco de Bruno Monteiro parecia dar corpo a um manifesto pessoal, na perspectiva da interpretação, ao optar pela Sonata para violino e piano de César Franck e pela terceira de Edvard Grieg, duas obras distintas, exigentes e determinantes da derradeira expressão romântica, a nova proposta acentua, decerto, o desafio que o músico impõem a si mesmo, alargando a perspectiva a três compositores menos conhecidos - Karol Szymanowski, Ernest Bloch e Erich Korngold - e, através deles, aos sobressaltos de uma época. Com Grieg e Franck, Bruno Monteiro arriscava num terreno fascinante, sobejamente interpretado; no novo disco, recupera testemunhos poderosos e contrastantes de uma época, dos confrontos e alegrias que a todos os níveis a marcaram. É uma afirmação contra o esquecimento, na qual é acompanhado por João Paulo Santos. (…) A parceria vem do disco anterior e a empatia é reforçada pela perspectiva histórica, partilhada e necessariamente enriquecida pelo pianista. À semelhança das Sonatas de Szymanowski e Bloch, Much Ado About Nothing é gravada em Portugal, pela primeira vez. Que sejam Bruno Monteiro e João Paulo Santos a fazê-lo, não é um acaso. É também uma vantagem".
| Pedro Boléo
"Um disco excelente de dois intérpretes portugueses que atacam um repertório pouco conhecido de três compositores interessantes e sempre secundarizados. Como se não bastasse o facto de juntar dois excepcionais músicos portugueses numa colaboração de qualidade, este disco pode ajudar a mostrar que a história da música da primeira metade do século passado não se escreve apenas com quatro ou cinco nomes. (…) Um trabalho de conjunto, mesmo quando brilha nos agudos o violino de Bruno Monteiro ou se destaca o piano de João Paulo Santos, quase sempre uma âncora, indispensável, mas discreta. Ouça-se o violino de Bruno Monteiro captando toda a beleza do lírico (e pelo meio irónico) do segundo andamento da "Sonata para violino e piano em ré menor Op.9" de Szymanowski. Ou o piano de João Paulo Santos com um som cheio e intenso no "Agitato" da "Sonata n.1" de Bloch. São exemplos de bons encontros com a música destes compositores que desafiam as tradicionais linhagens da música "clássica". Estas ignoram quase sempre as ramificações e a diversidade dos contraditórios modernismos dos anos 10 e 20. O compositor Erich Korngold é um caso curioso da música do século XX. Viveu até 1957, e desde 1934 (fugindo ao nazismo) trabalhou em Hollywood, onde compôs música para o cinema. A qualidade ligeira da sua música levou alguns a colocá-lo à margem da história da música "erudita" europeia. E contudo Korngold escreveu muita música de câmara, várias óperas e esteve sempre atento aos novos meios, a rádio, o disco, o cinema, e também ao teatro. Este disco inclui a música originalmente composta para os palcos, para acompanhar "Much Ado About Nothing" ("Muito Barulho por Nada") de Shakespeare. Só depois ele extraiu daí esta Suite, ligeira, leve e simples mas muito bem escrita, de recorte "clássico" e tonal. Nada disto se encontra na pós-romântica e um pouco inquietante sonata de Bloch, que termina lenta e lamentosa. Bruno Monteiro e João Paulo Santos descobrem a respiração correta e seguram a tensão constante da obra. É aí que se pode encontrar o momento mais feliz deste disco."
| Ana Rocha
"Após um primeiro CD com Sonatas de César Franck e Grieg, Bruno Monteiro (violino) reuniu-se no estúdio com João Paulo Santos (piano) para gravar a primeira sonata de Bloch, outra de Szymanowski (op.9) e Much Ado About Nothing, uma peça que Erich Korngold compôs ainda adolescente. Na segunda gravação do violinista nascido no Porto apresentam-se peças pouco escutadas do repertório. Ao longo de 64 minutos, Monteiro e Santos conseguem comunicar (nas explosões súbitas na peça de Szymanowski, na substância musical mais abstracta da sonata de Bloch e na originalíssima obra de Korngold) uma pulsação que desbravam de andamento em andamento, sempre com a convicção partilhada de que há um fluir real entre os dois instrumentos, numa conversa nunca petrificada."
| Bernardo Mariano
"Depois de Debut, o violinista Bruno Monteiro voltou a escolher a parceria com João Paulo Santos e a editora Numérica para o seu segundo disco. Chama-se 20th Century Expressions e contém três obras que são outras tantas estreias em termos discográficos por um artista português: a Sonata para Violino e piano em ré m, op.9, de Szymanowski; a Sonata para violino e piano n.1, de Bloch e as Quatro Peças para violino e piano extraídas da música de cena de Korngold para Muito barulho por nada. (...) no Szymanowski (...) inegável intensidade que percorre a sua leitura. (...) no Bloch, certamente o zénite deste CD: numa obra mentalmente (e fisicamente, por certo...) esgotante, Bruno Monteiro arranca uma interpretação notável, sempre sobre o fio da navalha, mas recebendo a recompensa. Por fim, o Korngold, bastante mais ligeiro que as obras precedentes, tem de Monteiro uma leitura tecnicamente impecável e dotada de um cabal sentido de carácter a imprimir a cada peça."
| Rui Branco
"Num ambiente dominado por uma atmosfera romântica, destacam-se a empatia do duo e o virtuosismo do violinista, que o coloca entre os mais destacados músicos lusos deste instrumento na actualidade."
| Maria Augusta Gonçalves
"Incluir, na gravação de estreia, a Sonata para violino e piano de César Franck e a terceira e última Sonata de Edvard Grieg é tanto um desafio pessoal como um manifesto: são duas obras-chave da derradeira expressão romântica, intensas e plenas de lirismo, embora de natureza diversa entre si, ambas muito exigentes, em termos interpretativos. Além do mais, não são obras raras em recital, muito menos em boas gravações, surjam ou não em conjunto. Das versões de Itzhak Perlman e Martha Argerich (EMI) e Pierre Amoyal e Pascal Rogé (Decca), às de Augustin Dumay e Maria João Pires (DG) ou de Takako Nishizaki e Jeno Jando (Naxos), não falta memória nem faltam hipóteses de comparação. Bruno Monteiro, no entanto, impôs a aposta a si mesmo e pode dizer-se que a venceu – a atenção ao pormenor, o fraseado certo e o cuidado na expressão. Tudo é claro, sincero e veemente. A Sonata de César Franck estabelece um marco na música de câmara francesa do século XIX. Antecedendo em poucos meses a Sinfonia e o Quarteto para cordas, adquire algo da dimensão das grandes obras do compositor belga, estabelecendo uma ligação temática entre os diferentes andamentos – uma estrutura cíclica que continuamente se transforma, definindo o carácter brilhante e quase hipnótico de toda a obra. A terceira e última Sonata de Grieg, igualmente composta em 1886, apresentam uma natureza distinta, na qual predomina um sentimento trágico, acentuado por traços de maior dramatismo, que exigem a lucidez do intérprete – o que não falta a Bruno Monteiro, tão pouco a contenção com o vibrato, o que constituiu um dos muitos pontos a seu favor. Em duas obras que exigem um diálogo de igual para igual com o piano, há ainda a destacar a empatia entre os dois músicos e a interpretação de João Paulo Santos, cuja mestria pode perfeitamente ser medida no início do segundo andamento da Sonata de Grieg ou na exposição do segundo tema do primeiro andamento de Franck. O disco surge depois de anos de trabalho de Bruno Monteiro nos Estados Unidos, onde trabalhou com Gerardo Ribeiro, após a licenciatura na Academia de Música de Manhattan. Ribeiro possui aliás uma das boas interpretações do Concerto para violino de Mendelssohn (EMI), exactamente a obra que Bruno Monteiro vai levar ao CCB, no próximo dia 19, com a Orquestra de Câmara Inglesa."
| Bernardo Mariano
"Um dos mais certos valores da nova geração do violino português."
| Pedro Boléo
"Uma interpretação muito cuidada e trabalhada nos mais pequenos detalhes de fraseado e expressão. Sente-se sobretudo uma cumplicidade musical e estética indispensável na ligação do piano de João Paulo Santos, um excelente intérprete de música de câmara (e não só) e Bruno Monteiro, sem dúvida um dos melhores violinistas portugueses da actualidade."
| Rui Branco
"Sonoridade cristalina e hipnótica"