SOLO

JOHANN SEBASTIAN BACH (1685-1750)
Partita n.2 in d minor BWV 1004
1. Allemanda
2. Corrente
3. Sarabanda
4. Giga
5. Ciaccona

SERGEI PROKOFIEFF (1851-1953)
Sonata Op.115
6. Moderato
7. Andante dolce
8. Con brio

FRITZ KREISLER (1875-1962)
9. Recitativo und Scherzo-Caprice op.6

EUGÈNE YSAΫE (1858-1931)
Sonata n.2 Op.27 n.2 Obsession
10. Prelude
11. Malinconia
12. Danse des ombres
13. Les furies

 

Público, Cristina Fernandes, Dezembro de 2009

"Com a excepção das Sonatas e Partitas de J. S. Bach, os registos discográficos dedicados ao violino solo, sem nenhum outro suporte instrumental, são raros e constituem sempre desafios ambiciosos. Mas o violinista Bruno Monteiro não se deixou intimidar e envereda neste seu quarto CD pela aventura do solo absoluto com desenvoltura. O programa foi escolhido em função da sua personalidade, aliando "o lado virtuoso do instrumento ao lado intelectual de compositores de referência". Inclui a Partita nº 2, de J. S. Bach; a Sonata op.115, de Prokofiev, e obras de dois violinistas virtuosos que se admiravam mutuamente: o "Recitativo e Scherzo-Capricho" op.6, de Fritz Kreisler (peça dedicada a Ysaÿe) e a Sonata nº 2, op.27 nº2, "Obsession", de Eugene Ysaÿe (escrita para Jacques Thibaud). Esta última peça é uma homenagem a Bach, citando literalmente várias passagens do grande compositor barroco, mas combinando-as com traços da linguagem romântica. Este compromisso estilístico, aliado à escrita de alguém que conhecia a fundo o instrumento, parece adequar-se muito bem ao perfil musical de Bruno Monteiro que faz realçar de forma eloquente os diversos universos estéticos e expressivos da obra. Logo desde o início da gravação, mostra uma sonoridade bonita e brilhante. (…) O resultado que Bruno Monteiro consegue na monumental "Chacona" é admirável. Nesta página repleta de dificuldades, verdadeiro tour de force para todos os intérpretes, mostra um grande domínio técnico, aguda inteligência musical, bom sentido da polifonia e dos múltiplos contrastes desta música fascinante. Na Sonata op.115, de Prokofiev, e no "Recitativo e Scherzo-Capricho" op.6, de Kreisler, Bruno Monteiro reafirma qualidades como o lirismo, o vigor rítmico, agilidade técnica e um forte envolvimento emocional".

 

Jornal de Letras, Maria Augusta Gonçalves, Dezembro de 2009

"Um novo disco do violinista Bruno Monteiro, agora a solo. O músico frente-a-frente com os mestres, o intérprete perante as obras e nada mais. O desafio é assumido: «Os riscos são grandes», escreve Bruno Monteiro, nas notas que acompanham o CD. Não há suporte nem interacção com outros intérpretes, apenas coragem e entrega. Quanto ao repertório, só aumenta o desafio. O programa inclui a 2ª Partita de Bach, obra seminal para violino solo, a 2ª Sonata de Eugène Ysaÿe, Obsession, dedicada a Jacques Thibaud; a Sonata em Ré Maior, Op.115, de Sergei Prokofiev, e o Recitativo e Scherzo Caprice, Op.6, de Fritz Kreisler. Iniciar o percurso com Bach e a sua 2ª Partita é, por assim dizer, repor «a origem do mundo». Depois surge o Op.115 de Prokofiev, a Sonata para violino solo ou para violinos em uníssono, de 1947, exemplo menos conhecido do permanente contraste de ideias, característicos do compositor. Entre Prokofiev e Ysaÿe, encontra-se Fritz Kreisler, como se não fosse necessário recuperar o fôlego. Mas a peça, embora curta, não dá descanso, pelo virtuosismo extremo e pela tensão dramática, nem sempre associada ao intérprete-compositor. Por fim, a 2ª Sonata de Ysaÿe, uma das seis obras com que o compositor e violinista belga retomou, 200 anos depois, a atitude pioneira do mestre de Leipzig. O Prelúdio, aliás, retoma a 3ª Partita de Bach, citando-a e desenvolvendo-a, com uma «plasticidade» apenas possível no século XX. É como se tudo se prolongasse no tempo, do início ao final do disco. Uma aposta alta, uma aposta ganha. Da edição assumida completamente a solo (é de autor), convém ainda destacar o trabalho técnico de José Fortes".