LEKEU

Guillaume Lekeu (1870-1894)

Music for Violin, Cello and Piano

Sonata for Violin and Piano in G
1. Très modéré
2. Très lent
3. Très animé

Trio for Piano, Violin and Cello in C minor
4. Lent – Allegro
5. Très lent
6. Très animé (Scherzo)
7. Lent – Allegro molto

 

Musicalifeiten, Jan de Kruijff

"Bruno Monteiro e João Paulo Santos interpretam a Sonata para Violino com sentimento apropriado e digno, cuidando dos detalhes. Mas este CD ganha ainda mais importância no Trio com Piano, uma obra-prima de quatro andamentos erroneamente subestimada e apaixonada de quase 45 minutos em tamanho e de fascínio beethoveniano que contém alguns momentos especiais da longa passagem do piano no início do très-lent, o poderoso scherzo como um todo e o misterioso Lent do final. São precisamente esses momentos que dão a esta gravação, como um todo, um registro de sucesso de valor especial ”.

 

Classical Music Sentinel, Jean-Yves Duperron

"O violinista Bruno Monteiro molda cada frase de maneira diferente de acordo com seu conteúdo expressivo ou seu peso emotivo. Por exemplo, o som doce que ele usa para introduzir o tema principal da Sonata acaba tornando-se emocionalmente impraticável ou inexorável em seu discurso. E porque o pianista João Paulo Santos colaborando com Monteiro já há algum tempo, o piano reage ao violino de forma simbiótica e segue a ação de acordo com suas próprias ideias, e a tristeza que ambos expressam no final do movimento lento é bastante tocante. Pode-se dizer o contrário do Scherzo do Trio para piano, violino e violoncelo em dó menor, no qual Bruno Monteiro, João Paulo Santos e o violoncelista Miguel Rocha saltam para as armas de ação e fazem uma leitura altamente empenhada. Se ouve esta profundamente dramática e comovente leitura do fim deste trio, está efinitivamente a sentir necessidade de explorar mais a música de Guillaume Lekeu".

 

Fanfare Magazine, Dave Saemann

"Os artistas presentes no CD estão muito bem sintonizados com os meandros de Lekeu. O violinista Bruno Monteiro foi aluno de Isidore Cohen e Shmuel Ashkenasi. Possui um som expressivo e refulgente, reminiscente de Joseph Roisman, do Quarteto de Budapeste. O seu parceiro regular, o maestro e pianista João Paulo Santos, é um esplêndido músico de câmara, fazendo um som encantador e cheio e sempre mostrando flexibilidade para com seus colegas.Há uma gravação da sonata para violino de Lekeu por Elmar Oliveira e Robert Koenig que exibe um violinismo de suavidade e maleabilidade suprema, algo Monteiro não pode mexer. Mas Monteiro e Santos são os intérpretes superiores da sonata, muito sintonizados com as longas linhas de Lekeu e com a atmosfera macabra que a assombra. Miguel Rocha é um colaborador digno destes dois artistas no trio de piano. com um som grande e que explora o mundo extremo de Lekeu com tensão e sutileza. Altamente recomendado ".

 

Fanfare Magazine, Colin Clarke

**** Inteligente e focado com um núcleo de expressividade: performances musicais de música bonita

"Monteiro e Santos parecem encontrar exatamente o tempo certo (marcado como "Très modéré"), de modo que a música tenha uma sensação de expansão, mas não se sente excessivamente lânguida. O andamento lento central é belissimamente tocado, o resultado é absolutamente lindo. O final é parecido com o Gêmeos ao ter dois rostos, um para frente, decididamente reflexivo. Monteiro e Santos oferecem uma leitura inteligente e elástica. Há ainda menos competição para o Trio em Dó Menor (1890). Artur Grumiaux gravou-o com seu trio (mas, novamente, parece estar indisponível no momento). Este presente desempenho de Monteiro, Rocha e Santos reflete os pontos fortes da Sonata para violino: inteligente e focado com um núcleo de expressividade. A adição do violoncelista Miguel Rocha é uma mistura positiva, ele é um ótimo expoente de seu instrumento e um músico de câmara sensível. As passagens em que violino e violoncelo tocam em oitavas encontram os dois músicos em completo acordo. O ponto alto desta leitura é o segundo movimento, “Très Lent”, um oásis de beleza, e a surpreendente passagem do tempo suspenso que abre o final (outro "Lent")".

 

Fanfare Magazine, Jerry Dubins

***** Música sublimemente bela, requintadamente executada e gravada

"É bastante requintado, de tirar o fôlego, especialmente nesta leitura de Monteiro e Santos. Por mais que eu admire a performance de Frédéric Bednarz e Natsuki Hiratsuka, eu vejo-me transportado para um nível ainda mais alto do sublime nesta nova gravação que capta o ambiente mágico da música de uma maneira especial. O inventário da Amazon oferece uma escolha mais ampla, incluindo versões de Arthur Grumiaux, Lola Bobesco, Christian Ferras e vários outros não listados pelo ArkivMusic. Eu não ouvi a gravação relativamente recente de Alina Ibragimova com Cédric Tiberghien que recebeu uma recomendação forte de Robert Maxham em 35: 3. Geralmente, tenho sido muito receptivo à interpretação de Ibragimova e, sem dúvida, gostaria de a ouvir interpretar a sonata de Lekeu, mas com o CD de Monteiro e Santos na mão, não consigo imaginar que ela seja melhorada ou que queira trocá-lo por outra versão. Não posso dizer que esta performance do Trio de Monteiro, Santos, e do violoncelista Miguel Rocha seja melhor que a do Trio Hochelaga que me surpreendeu, mas é muito boa, e a performance verdadeiramente excepcional da Sonata para Violino com o qual ele é emparelhado leva este lançamento para a categoria de recomendação urgente ".

 

MusicWeb International, Stephen Barber

"Monteiro tem o som rico e puro que o violino de Lekeu exige, e Santos tem toda a técnica do mundo, que certamente precisa para as elaboradas partes de piano de Lekeu. O som do violoncelista, Rocha, é semelhante ao de Monteiro, e ele se encaixa bem no trio. Não tenho reclamações sobre a qualidade da gravação. Há notas de capa em inglês e português e uma atraente foto de capa; Uma produção com estilo".

 

MusicWeb International, Stuart Sillitoe

Um disco que vou gostando ainda mais à medida que ouço, e um que tem a minha recomendação, se estiver à procura de um CD que apresente exclusivamente a música de Guillaume Lekeu

“Tive sempre uma predilecção pela gravação de 2014 de Tasmin Little e Martin Roscoe da Sonata para Violino (CHAN 10812), e mesmo quando comparada com a altamente elogiada gravação de Alina Ibragimova e Cédric Tiberghien (CDA67820), esta continua a ser a minha favorita. Bruno Monteiro e João Paulo Santos têm portanto um acto difícil de acompanhar neste desempenho agradável. Os tempos destes, ligeiramente mais lentos, enfatizam a paixão sustentada da Sonata, mas é a performance mais apaixonada de Little e Roscoe que para mim ainda está acima. No entanto, Bruno Monteiro e João Paulo Santos causam uma boa impressão e não ficam muito atrás.
O Trio é menos conhecido, com apenas algumas gravações disponíveis. A minha introdução à obra foi a performance do Trio Spiller em 1999 na editora Arts (47567-2), talvez um pouco longo demais, com o compositor superdesenvolvendo o material temático. Mesmo assim, há algumas passagens atraentes, especialmente no segundo andamento Lent, onde mais uma vez a natureza apaixonante do compositor brilha, especialmente nesta nova gravação em que Monteiro, Rocha e Santos exploram o elemento emocional mais além do que o Trio Spiller com seu ritmo ligeiramente mais lento. Na verdade, esta nova gravação tem a vantagem de ter mais entrega emotiva, além de beneficiar de um som melhor do que o Trio Spiller na gravação da Arts.
Esta é uma agradável gravação que, embora não seja a minha primeira escolha na Sonata, mostra uma performance dedicada, algo que é transportado para o Trio, numa interpretação que prefiro à do Trio Spiller. O som é muito bom. As notas de programa do booklet, da autoria de Bruno Monteiro, são breves mas informativas e úteis. Um disco que vou gostando ainda mais à medida que ouço, e um que tem a minha recomendação, se estiver à procura de um CD que apresente exclusivamente a música de Guillaume Lekeu".

 

Pizzicato, Uwe Krusch

"Eles tocam com um fervor e energia tão esmagadores que se pode ficar tonto. Isso é extremamente impressionante e estimulante ..."

 

Classical Candor, John Puccio

"Monteiro interpreta apropriadamente a obra da maneira mais simpática, o seu violino soa com alma e desejo, o acompanhamento do piano é forte, mas nunca interfere na interpretação esplendidamente sincera e emocional de Monteiro. Enquanto o terceiro andamento é claramente mais animado que os outros, particularmente na primeira parte, o compositor sai num redemoinho de notas, por assim dizer, mas a música mantém o mesmo humor de tristeza temperada que vemos por toda parte. E Monteiro tem o cuidado de manter esse tom até o fim. Monteiro e Santos mostram sua apreciação com um desempenho delicadamente forjado. Monteiro e os seus amigos tocam-no (Trio) com uma graça fluida, sofisticação e brilho, nunca sentimentalizando as harmonias de pelúcia. O produtor Bruno Monteiro e o engenheiro José Fortes gravaram a música na Igreja da Cartuxa, em Caxias, Portugal, em Junho e Julho de 2018. O violino tem um som doce e decoroso, e seu microfonamento coloca-o longe o suficiente para se beneficiar da acústica ambiente. O som global dos três instrumentistas é quente e suave, com uma presença natural, os vários instrumentos juntos em excelente equilíbrio ".

 

Crescendo Magazine (Bélgica), Pierre Jean Tribot

“A música de Guillaume Lekeu luta para dominar no repertório, incluindo no dos artistas do mundo francófono. Neste contexto, saudamos a corajosa iniciativa desta equipa portuguesa liderada pelo violinista Bruno Monteiro, músico formado entre o seu país de origem e os Estados Unidos. Adoramos sua bela sensibilidade na Sonata para violino e piano, trabalho definitivamente marcado pela interpretação de Philippe Hirschhorn e Jean-Claude Vanden Eyden (Ricercar). O Trio para piano, violino e violoncelo é um complemento apropriado, especialmente porque é tocado aqui com toda a expressão requerida. Estamos muito satisfeitos em ver artistas portugueses contribuírem para a reputação internacional deste compositor belga”.

 

Expresso, João Santos

****
"Em 1913, com o lançamento do primeiro volume de “Em Busca do Tempo Perdido”, imagina-se a frustração dos empregados de balcão nas mais prestigiadas casas de partituras de Paris: “A ‘Sonata de Venteuil’? Desconheço.” Bom, senão isso, qualquer coisa assim do género, pois, na verdade, consciente, quiçá, de que uma dieta à base de madalenas teria um efeito limitado no hipocampo dos seus leitores, Marcel Proust tinha-a efectivamente inventado. Pior, na altura, só Fritz Kreisler, que fazia passar originais seus por peças perdidas de Couperin, Tartini ou Boccherini – ou, 80 anos mais tarde, Zbigniew Preisner e Krzysztof Kieslowski, que, em reacção à música de “A Dupla Vida de Véronique”, puseram plateias do mundo inteiro a esquadrinhar lojas de discos à cata de um tal Van Den Budenmayer. O impulso será mais ou menos o mesmo – afinal, quantas vezes não damos na arte por uma plenitude de significados ou por uma completude de variáveis naquilo em que vicariamente largamos o peso dos nossos receios e convicções? Em Proust era assim, e essa sonata imaginária permitia a seguinte reflexão: “Pereceremos, mas faremos reféns dessas divinas cativas [frases musicais]. E com elas a morte será menos amarga, menos inglória, menos provável, talvez.”
Isto, claro, por tornar espiritualmente real aquilo que nenhuma faculdade intelectual poderá admitir: a eternidade. Muito precocemente, aos vinte e poucos, nada mais que essa total aversão ao efémero intimava Guillaume Lekeu (1870-1894) quando compôs estas figuras de retórica cuja inegável expressividade deriva de procedimentos algo fantasiosos e cuja unidade temática, diz agora Bruno Monteiro, cria uma “espécie de estrutura psicológica constante”. Por isso, há quem insinue que Proust nele se inspirou ao descrever uma obra que “oculta o mistério da sua incubação” mas que possibilita a quem a escuta reconhecer “secreta, sussurrante e fragmentariamente” a música que mais ama. Lekeu não teve tempo para ler Proust, mas leu Mallarmé, que sugeriu que há “estados de alma” que apenas atingimos ao “decifrar totalmente um objecto” – isto é, quando a nossa mediação não coarcta o impacto das suas ambiguidades. Lembra este belíssimo disco que foi exactamente isso que Lekeu tentou fazer à música de câmara”.

 

Musical Opinion, Robert Matthew-Walker

****
“A breve e trágica vida do compositor belga Guillaume Lekeu (1870-1894) interrompeu uma carreira que deu todas as indicações de um talento verdadeiramente importante. Por causa da sua morte prematura, as obras deste que sobreviveram são muito poucas em número, mas todas mostram dons composicionais de qualidades únicas. Estamos, de facto, gratos a Bruno Monteiro, a força motriz por detrás deste importante lançamento por este excelente novo CD das duas principais obras de câmara deste autor, em que é magnificamente assistido por João Paulo Santos e Miguel Rocha”. Bravo!"

 

Resmusica, Jean-Luc Caron

“Levado pela febre tifóide com 24 anos de idade, a quem nós apelidamos de "Rimbaud da música", este não teve tempo suficiente para formar um catálogo abundante. As duas obras apresentadas aqui são duas peças magníficas, obras-primas que Guillaume Lekeu pôde dar ao mundo".

 

Classique News, Hugo Papbst

"Lekeu como muitos dos génios precoces foi ceifado aos 24 anos (morreu em Angers a 21 de Janeiro de 1894) com febre tifóide, deixando-nos órfãos de um talento raro e já apaixonado cuja textura rica, o gosto do cromatismo, um pensamento obviamente Wagneriano (neste fiel ao gosto de seus mentores D'Indy e Franck) permanece a eterna promessa de uma maturidade para sempre recusada. No entanto, as duas partituras aqui discutidas indicam claramente a realização óbvia de uma escrita realizada, densa e intensa, apesar da pouca idade do compositor romântico francês. Ele também ganhou o 2º Prémio de Roma em 1891 (pela sua cantata de Andromeda para reouvir com urgência). A sensação de cor, o fluxo harmónico de modulações e passagens ininterruptas moldam um material particularmente opulento e activo, até à saturação. Ouvindo-os, o "Rimbaud" da música francesa não usurpou o seu apelido, nem a relevância dessa reaproximação poética.
Frequentemente apresentado como a sua obra-prima, a Sonata para piano e violino em sol maior, composta no Verão de 1892, foi estreada com sucesso em Bruxelas em Março de 1893 pelo famoso violinista Eugène Ysaÿe (que era o especial dedicatário da Sonata). É preciso muita energia e compromisso, mas também delicadeza para assumir esse lirismo permanente cuja superactividade pode obscurecer o significado e a clareza da arquitectura. Porque influenciado também por Beethoven, Lekeu tem uma paixão pela forma, desenvolvimento, impulsionada por uma ambição musical e um instinto perfeccionista, em todos os aspectos notável. Tudo está perfeitamente ligado nesta Sonata com 2 vozes cuja acuidade expressiva brilha num lirismo melódico transbordo, um sentido de estrutura também melhor equilibrado, canalizado e construído no primeiro andamento "Trés modéré" bastante sedutor e leve; os pontos centrais "Trés lent" apontam para as nuances de um violino bastante introspectivo; antes do final (Trés animé), abertamente apaixonado ou desenfreado mas sempre fresco e primaveril.
Mais cativante para o nosso gosto, o Trio com piano tem o charme de uma sinceridade radiante, embora ainda indeciso até mesmo desajeitado na sua escrita. É um pouco mais antigo (composto em 1890), onde a influência da estrutura beethoveniana é mais claramente empregada na sua construção mais explícita, embora o primeiro e últimos andamentos estejam repletos de ideias densas e mistas e reminiscências harmónicas que sustentam as críticas. Lamentando muitos desenvolvimentos. Ambicioso, o placar emprega 4 andamentos particularmente "faladores" ou... Dramáticos, dizem os mais benevolentes. Alma apaixonada e uma intrincada força, Lekeu sabe como implantar uma imaginação íntima ilimitada como atestado pelo primeiro andamento em que dois episódios muito contrastantes (lent e Allegro enérgico) interagem, expressando uma série de sentimentos como prolix nuançados: dor primeiro, com devaneio sombrio, da renúncia furtiva à depressão mais difusa: tudo aqui pelo filtro de uma sensibilidade perita e hiperactiva, denuncia e experimenta o fracasso e a repetição das feridas íntimas. O Trés lent, então o Scherzo, altamente sincopado, finalmente o final, que também é lento, talvez longo demais, embora harmonicamente empolgante, acredita no forte génio do jovem romântico; os três intérpretes tornam o surgimento de padrões em ecos ou oposição; o que também refina o violino enquanto controla a intensidade do Bruno Monteiro. Permanece a Sonata para Violoncelo / Piano (1888), o Quarteto com Piano (1893), para capturar o génio de um Lekeu juvenil e excitante. Para futuros registros? A seguir”.

 

Jornal de Letras, Maria Augusta Gonçalves

O melhor de Lekeu

“(...) o violinista Bruno Monteiro e o pianista João Paulo Santos escolheram-no para continuar uma discografia que já possui uma dúzia de títulos notáveis, mais dedicados a compositores menos óbvios e imediatos, no repertório: Schulhoff, Szymanowski, Korngold. Olhando para a escolha, não parece um acaso. Reforça o testemunho do romantismo de Schumann, Chausson, Grieg, Saint-Saëns ou Franck e analisa a escolha de expressões do século XX, como Ernest Bloch, Armando José Fernandes ou Fernando Lopes-Graça. Mas o que revela acima de tudo é uma excelente interpretação de duas obras mais ou menos raras - a Sonata para violino e piano em Sol Maior e o Trio para violino, violoncelo e piano em Sol menor - em uma bela gravação, a ser colocada entre as primeiras escolhas da música de câmara do compositor. (…)

A produção de câmara, entre as Sonatas para violino e violoncelo, o trio e o Quarteto com piano em Sol menor, e a produção orquestral, com estudos sinfónicos e o Adágio para orquestra, mais alguns fragmentos de obras inacabadas, permitiram há cerca de 20 anos, a edição em CD da Ricercar que reuniu músicos como os pianistas Luc Devos, Catherine Mertens e Daniel Blumenthal, os violinistas Philippe Hirshhorn, Philippe Koch e Anne Leonardo, os violoncelistas Luc Dewez e Marie Hallynck, o organista Bernard Foccroulle, cantores como a soprano Greta de Reyghere e tenor Guy De Mey.

Esta foi a primeira e única integral publicada até a data do trabalho de Lekeu. Até então - e depois - as gravações eram sempre dominadas pela Sonata para Violino, acompanhadas de uma ou mais peças do compositor ou composições de seu mestre César Franck. É o caso da premiadíssima versão de Gerard Poulet e Noel Lee (Arion), do encontro de Augustin Dumay e Jean Philippe Collard, que cruzam Debussy e Ravel (Erato), ou a referência de décadas de Arthur Grumiaux e Dinorah Varsi (Philips), o Spiller Trio (Artes), com o Trio com Piano, e a célebre gravação de Alina Ibragimova e Cédric Tiberghien (Hypérion), com obras completas para violino e piano, são dois álbuns dedicados inteiramente ao compositor belga, que se destacam na discografia existente. O novo álbum de Bruno Monteiro e João Paulo Santos, com o violoncelista Miguel Rocha, obviamente junta-se ao grupo dos eleitos.

Violinista e pianista, que têm anos de cumplicidade, com todos os programas executados em concerto, ao vivo, antes de qualquer gravação, são perfeitos na Sonata em Sol maior, concluída em 1892, talvez a mais exigente para ambos os instrumentos e a mais madura e conseguida de Lekeu. Aqui há clareza, limpeza e equilíbrio no diálogo entre violino e piano. Monteiro imediatamente seduz no tema de abertura, traçando uma longa e fascinante linha melódica que leva ao coração da obra, com um piano subindo em primeiro plano. A viagem culmina com uma reexposição forte e vigorosa que requer o máximo de ambos os intérpretes. (…)

Mais uma vez, a expressão de Lekeu parece desenhada para o melhor de Bruno Monteiro e João Paulo Santos, que encontram em Miguel Rocha um parceiro no mesmo nível de exigência. A emoção predomina e tudo é superado pelo fulgor. A interpretação dos músicos é extremamente inteligente para acentuar esse lado mais apaixonado da obra, tirando partido do que pode ser a sua própria "imaturidade". Acabam assim por revelar uma visão de conjunto mais rica que enobrece o Trio esquecido de Lekeu. É generoso. Mas também é outro factor de excelência que caracteriza o álbum ”.

 

BBC Music Magazine, Michael Beek

****
“Uma sonata e um trio emocionalmente pesados mostram-nos um compositor que amadureceu para além de seus poucos anos de vida. Gravação íntima de interpretações apaixonadas só aumenta o impacto ”.

 

Opus Klassiek, Aart van der Wal

"A força desta música reside acima de tudo no seu caráter expressivo estritamente próprio e não tolera o que infelizmente muitos músicos (até alguns famosos) fazem: a tendência a somente 'tocar'. A verdadeira arte é sempre rastejar sob a pele da música e com ela o compositor e ficar longe de artefatos, de artificialidades que violam o conceito expressivo e estrutural. Isso pode ser esperado dos intérpretes portugueses? Porque eles não estão muito longe da música de Lekeu em um sentido idiomático? Isso pode parecer à primeira vista. É precisamente essa natureza transfronteiriça da música de Lekeu que oferece espaço mais do que suficiente para interpretações que - assim como a própria música - excedem em muito o seu próprio caráter nacional. Isso também acontece aqui: este trio português perfeitamente junto evita a desmotivação, mas sim alcança o efeito ideal ao deixar a música falar 'simplesmente', sem frescuras, sem acentuação agogica, mas, portanto, ainda mais comovente e impressionante. Música que é tão avassaladora de muito perto quanto de longe.

O facto de este triunvirato português ter atribuído o seu nome a esta bela música, mas em parte ainda pouco conhecida, dá uma sensação calorosa que se encaixa perfeitamente com o sol ibérico e com a paisagem lírica pronunciada, banhada pelo sol, mas por vezes também irregular no distante. A gravação permite ouvir os mínimos detalhes. O nome do afinador do piano. Paulo Pimentel, é mais do que justificado: ele forneceu um Steinway perfeitamente afinado. O violinista foi responsável por toda a produção, o que faz uma contribuição muito valiosa para que esperançosamente renasça Lekeu. Agora é a hora".

 

Revista Ritmo, Juan Carlos Moreno

***** S (Som Extraordinário)

“(…) Através de um som impecável, os artistas deste álbum conseguem traduzir tudo o que há aqui de vida, drama, paixão, flutuando do mais íntimo som para o mais exasperado de uma maneira fluida e musical, sem excessos ou altos e baixos. Recomendação plena ”.